Cérebro dos pais reage de forma diferente aos filhos e às filhas

Lies Thru a Lens / Flickr

Os pais que têm filhas revelam-se mais atentos e mais responsáveis para com as necessidades delas do que os pais que têm filhos, de acordo com um novo estudo que avaliou a interacção de um grupo de homens com os seus rebentos.

Os pais analisados nesta investigação publicada no jornal Behavioral Neuroscience, da Associação de Psicologia Americana (APA), também cantaram mais frequentemente às suas filhas e falaram com elas mais abertamente sobre emoções do que os pais com filhos rapazes.

Os pais de meninos revelaram tendência para fazer brincadeiras mais “bruscas” e para usar linguagem mais relacionada com o atingir de objectivos, nomeadamente as palavras “orgulhoso, vitória e topo”, explica a APA num comunicado.

Já os pais com filhas usaram mais uma “linguagem analítica” com palavras como “todo, abaixo e muito”, que tem sido “associada ao futuro sucesso académico”, destaca a APA.

“Se a criança chora ou pergunta pelo pai, os pais de filhas respondem a isso mais do que os pais de filhos”, aponta a investigadora que liderou o estudo, Jennifer Mascaro, da Universidade de Emory, em Atlanta, Geórgia, nos EUA.

Mascaro destaca assim, que os pais, e as mães, devem estar atentos à forma como “noções inconscientes de género podem entrar em jogo na forma como tratamos até as crianças muito jovens”.

“A maioria dos pais tenta fazer o melhor possível e fazer tudo para ajudar os filhos a serem bem sucedidos, mas é importante perceber como é que as suas interacções com as suas crianças podem ser, subtilmente, preconceituosas com base no género”, acrescenta a investigadora.

Na análise efectuada, apurou-se também que os pais de filhas usam, mais vezes, palavras relacionadas com o corpo, por exemplo, “barriga e pé”. Esse dado é particularmente interessante de avaliar quando são sobretudo as raparigas que desenvolvem problemas de auto-estima com o corpo e a imagem.

A pesquisa da Universidade de Emory e da Universidade do Arizona, também nos EUA, analisou 52 pais (com 30 filhas e 22 filhos) que usaram um computador agregado ao cinto durante um dia da semana e um dia do fim-de-semana.

O aparelho estava programado para se ligar durante 50 segundos a cada 9 minutos, para registar qualquer som verificado.

Alguns dos pais envolvidos no estudo tinham mais do que um filho, mas os investigadores focaram-se na sua interacção apenas com um filho ou filha.

Os pais do estudo também foram sujeitos a ressonâncias magnéticas cerebrais enquanto viam fotos de um adulto desconhecido, de uma criança desconhecida e dos seus próprios filhos com rostos felizes, tristes ou neutros.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Os resultados revelaram também que “os pais de filhas tiveram respostas maiores às expressões faciais felizes das filhas em áreas do cérebro importantes para o processamento visual, para a recompensa, a regulação emocional e o processamento facial do que os pais de filhos”, aponta a APA.

“Os cérebros dos pais de rapazes responderam mais robustamente às expressões faciais neutras dos seus filhos, possivelmente porque estão a responder às demonstrações emocionais mais ambíguas” que eles apresentam, acrescenta a APA.

As expressões faciais de tristeza dos filhos não despoletaram diferenças significativas em função do sexo.

O estudo não conseguiu apurar se as reacções diferentes dos homens relativamente às filhas e aos filhos é motivada por alguma espécie de “programação genética ou de evolução” ou se tem a ver com agir “em conformidade com normas sociais relacionados com o género”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE