Adiamento da reabertura em Lisboa pode levar centros comerciais à falência

martinrp / Flickr

A Associação Portuguesa de Centros Comerciais (APCC) alertou, esta sexta-feira, para a possibilidade de falências e desemprego em resultado da decisão do Governo de adiar a reabertura dos centros comerciais em Lisboa para 15 de junho.

Em comunicado, a APCC “alerta para o impacto que o prolongamento das limitações ao funcionamento dos Centros da Área Metropolitana de Lisboa tem para todos os intervenientes nesta cadeia de valor, aumentando a probabilidade de se verificarem grandes prejuízos, e mesmo falências, para as empresas, com as consequências que daí resultam quanto ao emprego que o setor dos centros comerciais cria”.

Em causa está a decisão do Governo, anunciada na quinta-feira, de adiar a reabertura dos centros comerciais da Área Metropolitana de Lisboa (AML) para 15 de junho, face à evolução dos casos de contágio por covid-19 nesta zona.

De acordo com a APCC, na AML concentram-se 35% dos centros comerciais do país, que asseguram 50% do emprego total gerado pelo setor a nível nacional.

“Os centros comerciais têm mostrado, como poucos outros espaços, capacidade de garantir a segurança de visitantes, lojistas e colaboradores das lojas, cumprindo não apenas as regras estabelecidas pelo executivo e as recomendações da Direção-Geral da Saúde, mas também as melhores práticas desta indústria a nível global”, afirma, em comunicado, o presidente da APCC, António Sampaio de Matos.

“Os associados da APCC acolheram esta decisão com grande desagrado e preocupação, pois não vislumbram razões objetivas para que se mantenham estas restrições”, acrescenta o responsável.

Quanto ao Plano de Estabilização Económica e Social (PEES), apresentado esta quinta-feira, a APCC considera positivo o apoio à retoma da atividade empresarial, as linhas de apoio ao comércio e a alteração das regras do pagamento especial por conta, isentando as empresas com quebras de faturação superiores a 40%, o que considera “de extrema importância para a tesouraria, especialmente nas empresas de comércio e restauração”.

Também as alterações ao regime de lay-off, a criação do Banco de Fomento e a extensão do regime de moratórias bancárias até 31 de março de 2021 para crédito hipotecário são medidas do PEES que a APCC destaca pela positiva.

“A APCC continua, entretanto, a aguardar por outras medidas que são imprescindíveis como complemento as estas, nomeadamente no apoio direto e rápido aos retalhistas”, lê-se no comunicado.

Os centros comerciais das restantes zonas do país reabriram em 1 de junho. Face ao aumento de casos de covid-19 na AML, o Governo decidiu, numa primeira fase, adiar a reabertura dos centros comerciais daquela região para 04 de junho e, depois de nova avaliação, para dia 15 de junho.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Espero contar tudo o que sei". Cientista chinesa fugiu da China para alertar que "não temos muito tempo"

A virologista chinesa Li-Meng Yan, que fugiu para os Estados Unidos, deu uma segunda entrevista à Fox News, na qual alertou que "não temos muito tempo".   Li-Meng Yan, especialista em virologia e imunologia, era uma …

Galp perde 60 milhões de euros em negócios não autorizados

A Galp perdeu 60 milhões de euros em negócios não autorizados com licenças de CO2. A petrolífera já avançou com ações disciplinares e uma auditoria. A Galp informou que foram identificadas transações, não autorizadas pela empresa, …

"Bandeira vermelha". Tóquio em alerta máximo após aumento de novas infeções

A capital do Japão, Tóquio, com 14 milhões de habitantes, está no nível mais alto de alerta para o novo coronavírus após um aumento dos casos registados. “Os especialistas disseram-nos que a situação das infeções está …

Operação Saco Azul. Empresas "zombie" terão desviado 1,8 milhões do Benfica

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e a SAD do clube lisboeta foram constituídos arguidos pelo crime de fraude fiscal, no âmbito da operação ‘saco azul’, confirmou esta terça-feira à agência Lusa fonte oficial …

Maçãs com preços em alta, menos vinho e cerveja a estragar-se (os efeitos da pandemia)

A pandemia de covid-19 está a levar milhares de litros de cerveja a estragar-se, enquanto os produtores de vinho temem uma quebra na produção e, logo, nos lucros. Enquanto isso há menos maçãs e mais …

TAD anula sanção de cinco jogos à porta fechada ao Benfica

O Tribunal Arbitral do Desporto (TAD) deu provimento ao recurso do Benfica e revogou a sanção de cinco jogos à porta fechada imposta pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) ao clube, pelo apoio prestado a …

Costa vira à esquerda, mas Catarina Martins diz que "não pode ser só conversa"

Esta quarta-feira, António Costa lança as negociações para o Orçamento do Estado para 2021 com os partidos que, até aqui, foram seus aliados. O primeiro-ministro insiste que o caminho da sua governação passa por entendimentos à …

No novo ano letivo, a Educação Física continua a ser maior incógnita

No início de julho, o Ministério da Educação anunciou algumas orientações sobre o próximo ano letivo que não contemplavam a Educação Física e o futuro da disciplina continua a ser uma incógnita.  Nas escolas, a falta …

FC Porto já só sonha com o título, mas Amorim não faz vida fácil aos "dragões"

O FC Porto só precisa de empatar com o Sporting CP para ser campeão. Rúben Amorim quer estragar a festa dos portistas, embora não lhe interessem quer acabe por vencer o campeonato. O SL Benfica manteve …

Companhias aéreas e aeroportos arriscam multas até 2 mil euros por cada passageiro sem teste negativo

O Governo clarificou esta terça-feira as regras sobre tráfego aéreo e gestão de aeroportos no quadro da pandemia de covid-19 e estabeleceu o regime sancionatório do incumprimento dessas regras. "Clarificam-se regras referentes ao tráfego aéreo e …