/

Uma calculadora online pode prever o seu risco de AVC

Médicos conseguem agora prever o risco de AVC dos pacientes através de uma ferramenta online que mede a gravidade da sua síndrome metabólica, um conjunto de fatores de risco que inclui pressão arterial alta, níveis anormais de colesterol e excesso de gordura corporal.

O risco de AVC aumenta consistentemente com a gravidade da síndrome metabólica, mesmo em pacientes sem diabetes, revelou uma equipa de investigadores da Universidade de Virgínia e Universidade da Flórida, nos Estados Unidos. Tendo isto em conta, desenvolveram uma ferramenta que permite identificar pacientes em risco e ajudá-los a reduzir esse risco.

“Nós tínhamos mostrado anteriormente que a gravidade da síndrome metabólica estava associada a doenças coronárias futuras e diabetes tipo 2“, disse o investigador Mark DeBoer, citado pelo ScienceDaily. “Este estudo mostrou outras associações para futuros acidentes vasculares cerebrais isquémicos”.

A calculadora já está disponível online a qualquer pessoa interessada em calcular o risco de AVC.

Para avaliar a associação entre AVC isquémico e síndrome metabólica,os investigaram analisaram mais de 13.000 participantes em estudos anteriores. O subgrupo com a maior associação entre síndrome metabólica e risco de acidente vascular cerebral isquémico foi o de mulheres brancas.

No entanto, os investigadores realçam que a raça e o sexo não parecem fazer grande diferença no risco de AVC e alertam que o maior risco observado em mulheres caucasianas pode ser fruto do acaso. “Não obstante, estes resultados são notáveis o suficiente para justificar um estudo mais aprofundado sobre as diferenças entre raça e sexo”, escrevem os autores num estudo publicado em junho na revista científica Stroke.

Perder peso, praticar mais exercício e manter uma alimentação saudável pode ajudar a reduzir a síndrome metabólica e os seus efeitos nocivos.

“Na eventualidade de ainda existirem indivíduos a debater se devem começar a exercitar ou a comer uma dieta mais saudável, este estudo fornece outro alerta para nos motivar a fazer mudanças no nosso estilo de vida”, atira DeBoer.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.