ONGs dizem que “teia burocrática” está a atrasar entrega de ajuda humanitária na Beira

Josh Estey / EPA

Muitas das organizações não governamentais presentes na Beira, em Moçambique, estão a ter dificuldades em entregar a ajuda humanitária. As ONGs dizem que se prende com questões da burocracia moçambicana.

A situação na província de Sofala não dá sinais de melhorar e a ajuda humanitária continua chegar à região. No entanto, segundo algumas ONGs, esta ajuda não está a chegar de maneira eficiente devido a uma “teia burocrática” do Governo moçambicano.

Certas organizações humanitárias queixam-se da resposta demorada do Governo, que está a atrasar o seu apoio aos afetados pelo ciclone Idai. “Nós estamos a trabalhar à revelia da organização interna”, disse Marco Martins, representante das ONGs Estímulo e Take C’air na Beira, em declarações ao Observador.



Marco Martins está presente em Moçambique com um grupo de bombeiros portugueses e queixa-se da burocracia do país. “Existem muitos recursos disponíveis, mas não estão a conseguir ser conjugados com as necessidades. Há uma incapacidade de organização que é relevante”, alertou Matias.

Também Fernando Nobre, presidente da AMI referiu que “o objetivo é prestar o máximo de ajuda humanitária possível às populações afetadas na província de Sofala”. A equipa da Assistência Médica Internacional fala em “atrasos” e frustrações” das organizações que estão à espera de resposta para poderem trabalhar.

“Podemos dizer que a coordenação está um bocado pesada e que isso está a atrasar a entrega da ajuda humanitária”, corroborou Luís Nobre, administrador da AMI. Nobre realça que há equipas à espera para avançar no terreno e que “estão paradas à espera” de autorização.

Marco Martins destaca que há um risco que alarma as organizações. “Quando entregamos ao Governo os mantimentos, não sabemos onde vão ser entregues”. Por essa mesma razão, assume que as suas organizações no terreno vão tentar que alguns dos mantimentos da Cruz Vermelha lhes sejam direcionados.

Moçambique não reconhece o problema

Apesar dos relatos de vários ONGs, o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) não reconhece o problema, dizendo que se trata de uma fase já ultrapassada pelo Governo.

António Beleza, diretor adjunto do Centro Nacional operativo de Emergência do INGC defende que “são mais de 500 organizações e que é difícil o Governo moçambicano falar com todas, quando há pessoas que precisam de ser assistidas”.

Esta “teia burocrática” leva a que algumas ONGs trabalhem de forma oficiosa. “Não conseguimos entrar na organização central, porque há uma incapacidade de gerir leis que estão no terreno e que não conseguem responder às necessidades”, diz Marco Matias.

O presidente da AMI afirma que a maior dificuldade é “ao nível da organização da distribuição dos locais de intervenção das equipas humanitárias”. O Governo moçambicano não consegue supervisionar eficientemente o trabalho das organizações, o que leva a que o seu trabalho não tenha os frutos desejados.

Ainda assim, António Beleza salvaguarda que “é preciso fazer uma resposta sincronizada entre o Governo e as ONGs” e que as organizações “devem ser integradas neste mecanismo” para que o apoio humanitário seja feito de uma forma coerente e equilibrada.

Na província de Sofala são cerca de 790 mil pessoas que continuam a precisar de assistência. Situação que se agrava, após o Governo moçambicano ter confirmado um surto de cólera na região da Beira.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Misteriosa supernova sem hidrogénio revela a "agonia" das mortes estelares (e desafia a Astrofísica)

Uma curiosa estrela pré-supernova amarela está a fazer com que os astrofísicos reavaliem o que se sabe sobre a morte das estrelas mais massivas do Universo. No final das suas vidas, estrelas frias e amarelas estão …

Zidane, em momentos nunca vistos: "A justificação do árbitro não chega"

Uma jogada que envolveu Militão transformou o jogo entre Real Madrid e Sevilha - e pode ter transformado o desfecho do campeonato. Zidane estava claramente incomodado depois do encontro. Foi uma jornada "louca" em Espanha: Barcelona …

Pandora troca diamantes das minas por pedras criadas em laboratório

Alexander Lacik, CEO da Pandora, justificou esta mudança como parte de uma iniciativa mais ampla de sustentabilidade da empresa. O lançamento dos diamantes adquiridos de forma sustentável "marca um novo marco para a Pandora, uma vez …

FC Porto 5-1 Farense | “Dracarys” portista sobre algarvios

Esta segunda-feira, o FC Porto goleou o Farense por 5-1, na 32.ª jornada da Liga. Os dragões têm agora 74 pontos e estão a cinco do Sporting. Goleada das antigas no Dragão. O FC Porto incendiou …

Nova técnica permite observar o cérebro a mover-se (em tempo real e em 3D)

Uma equipa de cientistas da Nova Zelândia está a desenvolver uma nova técnica de imagem que ajudará a detetar distúrbios cerebrais e aneurismas antes que se tornem fatais. As imagens de ressonâncias magnéticas são estáticas. Recentemente, …

Aviso ao finalista da Liga Europa: "Se tiver de expulsar todos, expulso"

Real Madrid e Sevilha centraram as atenções, no que diz respeito à arbitragem, mas o ambiente tenso chegou igualmente ao Villarreal-Celta. O Celta de Vigo foi ao terreno do Villarreal vencer por 4-2, neste domingo, num …

Serviços Secretos ucranianos apreendem remessa de bebida alcoólica de Chernobyl

Os Serviços Secretos ucranianos apreenderam 1.500 garrafas de uma bebida alcoólica produzida com maçãs colhidas perto da central nuclear de Chernobyl. ATOMIK Chernobyl Spirits é uma bebida espirituosa feita com ingredientes de dentro da zona de …

Na Bielorrússia, calçar meias vermelhas e brancas é um risco (com um preço demasiado alto a pagar)

Uma jovem foi recentemente condenada por usar meias às riscas com as cores simbólicas da oposição ao Presidente Alexander Lukashenko. O vermelho e o branco, símbolos da oposição ao Presidente Alexander Lukashenko, podem causar sérios problemas …

O "lago rachado" de Taiwan é famoso nas redes sociais (mas esconde uma realidade sombria)

O Lago Sol Lua já foi um ponto turístico popular de Taiwan. Porém, agora o fundo do lago "rachado" é famoso por um motivo sombrio: uma das piores secas que atingiu a ilha em décadas. O …

Estado ainda tem números de valor acrescentado à margem da lei

Ainda há empresas públicas que usam números de apoio ao cliente de valor acrescentado, apesar de a lei proibir esta situação há mais de um ano. Há mais de um ano que existe legislação que impede …