ONGs dizem que “teia burocrática” está a atrasar entrega de ajuda humanitária na Beira

Josh Estey / EPA

Muitas das organizações não governamentais presentes na Beira, em Moçambique, estão a ter dificuldades em entregar a ajuda humanitária. As ONGs dizem que se prende com questões da burocracia moçambicana.

A situação na província de Sofala não dá sinais de melhorar e a ajuda humanitária continua chegar à região. No entanto, segundo algumas ONGs, esta ajuda não está a chegar de maneira eficiente devido a uma “teia burocrática” do Governo moçambicano.

Certas organizações humanitárias queixam-se da resposta demorada do Governo, que está a atrasar o seu apoio aos afetados pelo ciclone Idai. “Nós estamos a trabalhar à revelia da organização interna”, disse Marco Martins, representante das ONGs Estímulo e Take C’air na Beira, em declarações ao Observador.

Marco Martins está presente em Moçambique com um grupo de bombeiros portugueses e queixa-se da burocracia do país. “Existem muitos recursos disponíveis, mas não estão a conseguir ser conjugados com as necessidades. Há uma incapacidade de organização que é relevante”, alertou Matias.

Também Fernando Nobre, presidente da AMI referiu que “o objetivo é prestar o máximo de ajuda humanitária possível às populações afetadas na província de Sofala”. A equipa da Assistência Médica Internacional fala em “atrasos” e frustrações” das organizações que estão à espera de resposta para poderem trabalhar.

“Podemos dizer que a coordenação está um bocado pesada e que isso está a atrasar a entrega da ajuda humanitária”, corroborou Luís Nobre, administrador da AMI. Nobre realça que há equipas à espera para avançar no terreno e que “estão paradas à espera” de autorização.

Marco Martins destaca que há um risco que alarma as organizações. “Quando entregamos ao Governo os mantimentos, não sabemos onde vão ser entregues”. Por essa mesma razão, assume que as suas organizações no terreno vão tentar que alguns dos mantimentos da Cruz Vermelha lhes sejam direcionados.

Moçambique não reconhece o problema

Apesar dos relatos de vários ONGs, o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) não reconhece o problema, dizendo que se trata de uma fase já ultrapassada pelo Governo.

António Beleza, diretor adjunto do Centro Nacional operativo de Emergência do INGC defende que “são mais de 500 organizações e que é difícil o Governo moçambicano falar com todas, quando há pessoas que precisam de ser assistidas”.

Esta “teia burocrática” leva a que algumas ONGs trabalhem de forma oficiosa. “Não conseguimos entrar na organização central, porque há uma incapacidade de gerir leis que estão no terreno e que não conseguem responder às necessidades”, diz Marco Matias.

O presidente da AMI afirma que a maior dificuldade é “ao nível da organização da distribuição dos locais de intervenção das equipas humanitárias”. O Governo moçambicano não consegue supervisionar eficientemente o trabalho das organizações, o que leva a que o seu trabalho não tenha os frutos desejados.

Ainda assim, António Beleza salvaguarda que “é preciso fazer uma resposta sincronizada entre o Governo e as ONGs” e que as organizações “devem ser integradas neste mecanismo” para que o apoio humanitário seja feito de uma forma coerente e equilibrada.

Na província de Sofala são cerca de 790 mil pessoas que continuam a precisar de assistência. Situação que se agrava, após o Governo moçambicano ter confirmado um surto de cólera na região da Beira.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cortes de água, luz, gás e telecomunicações regressam esta quinta-feira

A partir desta quinta-feira, regressam os cortes de água, eletricidade, gás natural e telecomunicações para todos os consumidores em situação de desemprego, com uma quebra de rendimentos de, pelo menos, 20% ou que estejam infetados …

Moderna contradiz Trump. Não haverá vacina até às eleições

O diretor-executivo da farmacêutica Moderna Therapeutics, que está a desenvolver uma das mais avançadas vacinas para a covid-19, disse que esta não estará pronta até às eleições presidenciais dos Estados Unidos. Em declarações ao jornal Financial …

Brigadas dos lares arrancam com menos profissionais do que o previsto

As Brigadas de intervenção Rápida para os lares atingidos por surtos de covid-19 arrancam esta quinta-feira - mas há menos enfermeiros e cuidadores do que o previsto. Em declarações à Renascença, o presidente do Instituto da …

PS segue PSD e propõe voto antecipado para eleitores em confinamento

O Partido Socialista (PS) decidiu juntar-se ao Partido Social Democrata (PSD) na ideia de alargar o direito de voto antecipado aos eleitores que estejam em confinamento à data das próximas eleições presidenciais. De acordo com o …

Santos Silva assume "contactos" para reforço dos EUA da base das Lajes (e desdramatiza eventual crise política)

Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, disse, em entrevista ao Público e à Renascença, que há "contactos" com os Estados Unidos para reforço norte-americano da base das Lajes e desdramatizou a aprovação do Orçamento …

3.800 euros por mês. Genebra aprova o primeiro salário mínimo (e é o mais alto do mundo)

Os habitantes de Genebra, na Suíça, aprovaram, este domingo, a proposta de um salário mínimo de 23 francos suíços por hora (equivalente a cerca de 21,30 euros) para todos os que trabalham na cidade. De acordo …

No day after do debate caótico, Biden pede regras rígidas e Trump queixa-se do moderador

O debate caótico entre Donald Trump e Joe Biden motivou críticas generalizadas que suscitam dúvidas sobre se será de manter os outros dois debates ou se, mantendo-os, será necessário alterar as regras. Um dia após a …

OE2021. Pontas soltas, alguns avanços e uma certeza: se houver entendimento, há acordo por escrito

Se houver entendimento em algumas matérias com o Bloco de Esquerda e o PCP, haverá um "compromisso escrito", adiantou Duarte Cordeiro, secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares. Em entrevista ao podcast Política com Palavra, do PS, …

Covid-19. Hospitais da região de Lisboa pedem camas uns aos outros

Os hospitais da região de Lisboa e Vale do Tejo continuam a bater à porta uns dos outros a pedir camas para internar doentes com covid-19. Segundo a edição desta quinta-feira do jornal Público, os …

Vinícius perto do Tottenham de Mourinho

O avançado brasileiro deverá ser confirmado como reforço do Tottenham ainda esta quinta-feira, saindo do Benfica por empréstimo e com opção de compra que ronda os 40 milhões de euros. De acordo com o jornal Record, …