Britânicos querem criar “quinta de cadáveres” a céu aberto (e não é um filme de zombies)

Nos Estados Unidos já existem alguns destes campos de cadáveres, que são agora reclamados para o Reino Unido também. E é tudo em nome da ciência.

Este podia perfeitamente ser o cenário do próximo filme de terror: cadáveres enterrados a menos de um metro de profundidade, outros pendurados em árvores, e outros ainda submersos em água.

A verdade é que tudo o que acontece neste espaço é em nome da ciência: nos Estados Unidos, estes campos a céu aberto, que “substituem” os tradicionais cemitérios, foram criados com o propósito de estudar a decomposição dos corpos.

Os cadáveres que aqui figuram foram “doados” – ainda em vida – pelos seus proprietários. E até existe uma lista de espera de corpos humanos para entrar nos campos de estudo. E agora o Reino Unido quer um campo igual.

O primeiro centro de tafonomia – é o nome dado aos campos de investigação forense ao ar livre – foi criado pela Universidade do Tennessee e, neste momento, o país já conta com outros cinco. A Austrália também já tem o seu.

Agora, os cientistas forenses britânicos estão a levar à discussão as condições climatéricas do país para fazer ver a importância da criação de um centro de tafonomia no Reino Unido.

(dv) Surrey Police

Os cientistas forenses britânicos acham que “criar cadáveres” pode ajudar a resolver casos de homicídio como o da adolescente Milly Dowler, assassinada em 2002

Os cientistas consideram que tanto o clima como o solo são diferentes, por isso o impacto sobre o processo de decomposição do corpo não será igual aos outros países, o que justifica a necessidade de se criar um desses centros em vez de serem aproveitadas as investigações realizadas por outros países.

Anna Williams é antropóloga forense na Universidade de Huddersfield, em Inglaterra, e acredita que casos criminais que ficaram por resolver viriam a beneficiar (e muito) com as informações obtidas com a instalação destes campos de cadáveres a céu aberto.

“Isso permitir-nos-ia desenvolver técnicas aperfeiçoadas de busca e localização de corpos de pessoas que estão desaparecidas há muito tempo. Existe agora uma necessidade urgente de estabelecer um desses centros neste país”, justifica ao The Guardian.

Enquanto isso, os cientistas forenses têm usado porcos – devido às semelhanças fisiológicas com o humano – para entender melhor tudo o que acontece com o corpo depois da morte. No entanto, os cientistas defendem que utilizar corpos de porcos para estudar a decomposição do corpo não é igual nem tão eficaz como utilizar cadáveres humanos.

Williams estima que um centro de tafonomia possa custar mais de 500 mil euros. “A investigação forense recebe muito pouco financiamento do Conselho de Investigação por isso esperamos que uma instituição académica inserida numa universidade possa ajudar”.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Isto é só estúpido…

    Estas notícias do Zap à vezes parecem retiradas de um jornal (O Insólito) que eu não sei ao certo, se ainda existe. Durante a minha infância, cada vez que o via exposto na banca de jornais perto da minha escola, provocava-me arrepios com o conteúdo e imagens do mesmo.

RESPONDER

O Ciclo Solar 25 vai afetar a vida na Terra (e a NASA explica como)

A cada 11 anos, o Sol inicia um novo ciclo solar, marcado por períodos de violentas erupções e explosões magnéticas. Em dezembro de 2019, teve início um novo ciclo solar. Na semana passada, a NASA e …

Criada para prevenir a guerra, a ONU enfrenta um mundo profundamente polarizado

Criada após a Segunda Guerra Mundial para evitar novos conflitos, a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora esta segunda-feira o 75.º aniversário, num mundo polarizado que enfrenta uma pandemia, conflitos regionais, uma economia em declínio …

Mulher cai de carro em movimento enquanto grava vídeo para o Snapchat

Uma mulher, que ocupava o lugar do passageiro de um carro em movimento, caiu numa auto-estrada enquanto filmava um vídeo para a rede social Snapchat, no Reino Unido. Segundo a CNN, a mulher estava pendurada na …

Nos Estados Unidos, a venda de discos em vinil ultrapassou a de CD pela primeira vez desde 1986

Pela primeira vez desde 1986, as vendas de discos de vinil ultrapassaram as vendas de CD nos Estados Unidos em 2020. Os números foram apresentados na semana passada pela Associação Americana da Indústria de Gravação, …

Mourinho espera ganhar sem jogar

Tottenham iria defrontar o Leyton Orient mas também no Reino Unido há jogos de futebol em causa por causa do coronavírus. O encontro entre Leyton Orient e Tottenham, relativo à terceira eliminatória da Taça da Liga …

A máfia italiana tem uma nova arma de recrutamento: o TikTok

Os jovens membros da Camorra, organização criminosa aliada à máfia siciliana, estão a recorrer ao TikTok para divulgar o seu estilo de vida e recrutar novos membros. Em maio, um vídeo foi publicado no TikTok que …

Os três segredos para ter um bom sistema imunológico são gratuitos, avisa Fauci

Manter o sistema imunológico saudável é um dos fatores-chave para lidar com a covid-19, o que não implica necessariamente a toma de suplementos vitamínicos. Há uns tempos, quando confrontado com o facto de a atriz Jennifer …

Pinguim encontrado morto no Brasil com uma máscara inteira no estômago

Um espécime de pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) foi encontrado morto numa popular praia brasileira e a autópsia ao corpo revelou que o animal tinha no seu estômago uma máscara de proteção facial N95. O animal foi …

Trump quer restabelecer sanções ao Irão. ONU rejeita apoiar posição norte-americana

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse que somente apoiará a restituição de sanções ao Irão, exigidas pelos Estados Unidos (EUA), se receber luz verde do Conselho de Segurança. Numa carta dirigida …

Designer holandês desenvolve "caixão vivo" feito com fibras de fungos

Um corpo humano pode demorar cerca de uma década a decompor-se dentro de um caixão. Com o Living Cocoon, o tempo é reduzido para dois ou três anos. Bob Hendrikx, biodesigner fundador da Loop, desenvolveu e …