Brisa condenada por acidente em que carro circulou 39 km em contramão

Husond / Wikimedia

foto: Husond / wikimedia

foto: Husond / wikimedia

O Tribunal da Relação de Guimarães condenou a Brisa a indemnizar os familiares de um casal que morreu na A3, em Setembro de 2003, na sequência de um acidente provocado por uma viatura em contramão.

Contactada pela Lusa, fonte oficial da Brisa — Auto-estradas de Portugal, informou que a empresa irá apresentar recurso desta decisão da justiça.

Em acórdão a que a Lusa hoje teve acesso, a Relação de Guimarães considera que a concessionária de auto-estradas também teve culpa no acidente, devido à “omissão de um sistema eficiente de aviso” da existência da circulação de uma viatura em contramão.

A Relação considera, assim, que ocorreu “omissão de cuidado” por parte da Brisa, “ao não diligenciar” por um mecanismo que pudesse prevenir o acidente, como a colocação de mecanismos de bloqueio da faixa de rodagem ou o impedimento da entrada de veículos na auto-estrada no sentido em que circulava a viatura em transgressão.

Aquele tribunal determinou que a culpa pelo acidente se deveu em 70% ao condutor da viatura infractora e em 30% à Brisa.

O acidente registou-se cerca das 04:24 de 21 de Setembro de 2003, na zona de Vilar das Almas, em Ponte de Lima.

Uma viatura em contramão, conduzida por um homem de 73 anos, colidiu com outra que seguia no sentido correcto.

Morreram o condutor da viatura infractora e um casal que seguia na outra, ele de 52 anos e ela de 50 anos e residentes em Marrancos, Vila Verde.

O tribunal deu como provado que a viatura infractora andou 38,666 quilómetros em contramão.

O condutor entrou na A3 no nó de Cruz, em Famalicão, às 03:58, e o seu destino era Ponte de Lima, onde alegadamente iria vender nas Feiras Novas, mas, por engano, seguiu em direcção ao sul.

Ao aperceber-se que ia no sentido errado, fez inversão de marcha.

O primeiro aviso desta irregularidade chegou à Brisa às 04:16.

Oito minutos depois, acabou por embater contra um outro veículo que entrara na A3 no nó de Anais, em Ponte de Lima.

Este veículo andou 4,4 quilómetros na auto-estrada.

O Tribunal da Relação considera que, da factualidade apurada, resulta que a resposta da Brisa, apesar de “pronta”, não foi a “adequada”.

“Vem provado que não existe um sistema automático para fechar a auto-estrada, nem um sistema que permita interceptar imediatamente um veículo em contramão”, refere o acórdão.

Acrescenta que, à data dos factos, não havia nenhum sistema técnico de detecção de veículos em contramão.

Diz ainda que a Brisa “não bloqueou, através de qualquer dispositivo luminoso, ou por qualquer outra forma, o acesso a essa auto-estrada num nó que distava 4,4 quilómetros do local do acidente”.

Por isso, a Brisa foi condenada ao pagamento de indemnizações de cerca de 100 mil euros, por danos patrimoniais e morais.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Porto lança cartão da cidade para munícipes. Vantagens incluem descontos na cultura

O cartão foi lançado no dia 5 de abril e permite que os utilizadores tenham acesso a descontos em museus, teatros, piscinas e utilização gratuita do elevador dos Guindais. Destina-se aos moradores da cidade e …

Afinal, o SEF ainda não foi extinto. Governo vai publicar decreto-lei

Afinal, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) ainda não foi extinto. Segundo o Ministério da Administração Interna, o Governo vai "aprovar por decreto-lei a orgânica do novo serviço público [SEA] e as novas competências …

Mais quatro mortes e 553 casos nas últimas 24 horas

De acordo com a Direção-Geral da Saúde, Portugal registou nas últimas 24 horas 553 novos casos de covid-19 e quatro mortes associadas à doença. Portugal regista hoje mais quatro mortes relacionadas com a covid-19, 553 novos …

Familiares das vítimas do voo MH-17 na Ucrânia vão pedir indemnizações

Uma das advogadas das vítimas do voo MH-17 da Malaysia Airlines anunciou que 290 familiares apresentaram pedido de indemnização contra os quatro suspeitos do acidente. Uma advogada das vítimas do derrube do voo da Malasya Airlines …

1.º de Maio. CGTP duplica lotação, UGT festeja online com ex-ministros socialistas

As centrais sindicais voltam a estar divididas quanto às comemorações do 1.º de Maio. A CGTP vai organizar dois desfiles e duplicar a concentração na Alameda Dom Afonso Henriques; a UGT cancelou qualquer iniciativa presencial …

"Vice" da bancada do PS contestado por pedir autocrítica do partido sobre Sócrates

Pedro Delgado Alves defendeu que o PS deveria refletir sobre a ação de José Sócrates. O deputado foi contestado por outros dirigentes do grupo parlamentar, nomeadamente Ana Catarina Mendes, que reagiu de forma dura à …

Japão responde à China e garante que derrame de Fukushima será seguro

O vice-primeiro-ministro japonês, Taro Aso, reafirmou esta sexta-feira, em resposta às críticas da China, que a descarga da central nuclear de Fukushima aprovada pelas autoridades japonesas estará dentro dos limites de segurança da água potável. "Estou …

Ninguém quer "a batata quente" do caso Sócrates. Ivo Rosa e Carlos Alexandre com nota máxima

Os juízes Ivo Rosa e Carlos Alexandre foram avaliados com a nota máxima de "Muito Bom" pelo Conselho Superior da Magistratura em inspecções realizadas entre 2013 e 2018, ou seja, abarcando o período da investigação …

João Leão afasta criação de imposto de solidariedade para pagar crise pandémica

O ministro das Finanças, João Leão, argumenta que a criação de um imposto de solidariedade para pagar a crise pandémica não ajudaria nem seria benéfica. Em entrevista ao semanário Expresso, o ministro das Finanças, João Leão, …

Isabel de Castela ficou conhecida por cheirar mal. Novos documentos põem fim aos mitos

A famosa rainha Isabel I de Castela, em Espanha, era conhecida por se lavar pouco e cheirar mal. Contudo, documentos recém-descobertos mostram que possuía uma quantidade enorme de perfumes de grande valor. Isabel I financiou a …