/

Cientistas criam botão de Ligar/Desligar para a edição de genes

USDoE

O CRISPR-Cas9 revolucionou a engenharia genética na última década. Agora, o novo método reversível pode controlar a expressão genética, deixando a sequência de ADN subjacente inalterada.

O CRISPR-Cas9 é uma poderosa ferramenta de edição genética que permite aos cientistas alterar o código de ADN de um organismo. Contudo, a técnica não é perfeita: às vezes, altera pedaços do ADN que não deveria, outras não é viável contra uma certa doença.

Para combater estas limitações, cientistas do Weissman Lab no Whitehead Institute criaram uma tecnologia, chamada CRISPRon e CRISPRoff. Segundo o IFL Science, a técnica pode ter como alvo genes específicos e ativá-los ou desativá-los sem alterar o código do ADN.

Em comunicado, os investigadores adiantaram que esta “ferramenta simples pode silenciar a maioria dos genes”. “Podemos fazê-lo para vários genes ao mesmo tempo, sem nenhum dano no ADN, com grande homogeneidade e de uma forma que pode ser revertida. É uma ótima ferramenta para controlar a expressão genética.”

No genoma, os genes são regularmente ativados e desativados com a adição de grupos químicos simples – um processo conhecido como epigenética.

A metilação do ADN, um importante processo epigenético, envolve a adição de um grupo metil que bloqueia o gene e o impede de ser lido pela célula. Se o gene estiver oculto, não será transformado numa proteína e será “silenciado”.

Quando este processo falha, podem ocorrer algumas doenças, como a síndrome de Prader-Willi ou alguns tipos de cancro.

O CRISPRon / off utiliza modificação epigenética para editar geneticamente o ADN, permitindo que os cientistas “liguem” e “desliguem” os genes conforme desejarem.

Usando pequenos pedaços de RNA que guiam CRISPR on / off para um local alvo, a tecnologia pode adicionar ou remover grupos metil de locais específicos no gene, modificando a sua expressão. O artigo científico com os resultados foi publicado a 9 de abril na Cell.

Os cientistas acreditam que a sua nova técnica de edição genética pode ser usada numa variedade de aplicações, melhorando o arsenal de ferramentas que a comunidade científica dispõe para combater doenças genéticas.

  Liliana Malainho, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.