Boris Johnson criticado por se ter recusado a olhar para fotografia de criança a dormir no chão de hospital

Will Oliver / EPA

O primeiro-ministro britânico está a ser criticado por alegadamente mostrar insensibilidade com o caso de uma criança forçada a passar a noite no chão de um hospital público inglês por falta de camas.

“Ele simplesmente não quer saber”, acusou o líder trabalhista, Jeremy Corbyn, acusando o Partido Conservador de ter causado a crise no sistema nacional de saúde devido aos cortes orçamentais.

Também a líder dos Liberais Democratas, Jo Swinson, considerou que faltou empatia ao chefe do Governo, escrevendo no Twitter: “Ele não quer saber senão dele próprio”.

Na origem das críticas está uma entrevista de Boris Johnson à ITV, no âmbito da campanha eleitoral para as legislativas, na qual o repórter pede um comentário do primeiro-ministro à notícia do Daily Mirror sobre Jack Williment-Barr, de quatro anos.

A fotografia da criança, que se suspeitava ter pneumonia, a dormir no chão por falta de camas de um hospital de Leeds, no norte de Inglaterra, foi publicada na primeira página do jornal e apresentada pelo repórter, através do seu telemóvel, a Boris.

Em vez de olhar para a imagem, o primeiro-ministro retirou o aparelho da mão do jornalista e meteu-o no bolso e só o devolveu depois de ser confrontado sobre essa ação durante a entrevista.

“Recusou olhar para a fotografia, tirou-me o telemóvel e meteu-o no bolso. A mãe dele diz que o NHS está em crise. Qual é a sua resposta?”, questionou o jornalista Joe Pike.

Só então é que o primeiro-ministro retirou o telemóvel do bolso, olhou para o ecrã e afirmou que “é uma fotografia horrível”, pedindo desculpa “à família e a todos os que tiveram más experiências no NHS”.

 

Mais tarde, escreve o jornal Público, o ministro da Saúde, Matt Hancock, visitou o hospital para discutir o caso com a administração e pediu “desculpa” pelo incidente. No exterior, o governante foi confrontado por um grupo de manifestantes trabalhistas.

O episódio gerou uma nova polémica, com o Partido Conservador a afirmar que um dos seus assessores foi agredido por um ativista. Os trabalhistas garantem que o assessor foi atingido acidentalmente e acusam o primeiro-ministro e a sua equipa de estarem a tentar desviar a atenção do caso e da reação de Boris.

De acordo com o Observador, a fotografia da criança foi enviada ao jornal local Yorkshire Evening Post pela mãe do rapaz. Sarah Williment contou que os funcionários do hospital foram “tão úteis quanto possível”, mas que “simplesmente não há camas que cheguem para responder ao elevado nível de procura”.

Em declarações ao Daily Mirror, a mãe admitiu mesmo que, pela primeira vez na vida, ia votar no Partido Trabalhista. Porém, depois dessas declarações, decidiu apresentar uma queixa ao IPSO, regulador dos media britânicos.

Williment recusa que o filho seja usado como uma estratégia política pelos partidos e queixa-se que o caso está a “causar perturbações significativas” tanto para a criança como para a família.

As eleições legislativas acontecem esta quinta-feira e as sondagens têm consistentemente apontado para uma maioria absoluta do partido Conservador.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Teresa Leal Coelho admite processar ex-vereador Fernando Nunes da Silva

A vereadora da Câmara Municipal de Lisboa Teresa Leal Coelho admitiu que poderá vir a processar o antigo vereador Fernando Nunes da Silva, devido às declarações sobre a reposição dos sentidos de circulação na Avenida …

Linha de Fundo: Benfica reforça liderança, mais recados de Conceição, um jardim de infância especial e João “rosa” Almeida

Era uma vez um Clássico... Deu empate o primeiro clássico da época 2020/21. Em Alvalade, Sporting e FC Porto igualaram-se a duas bolas, num jogo que valeu pelas mudanças de resultado, mas que nem sempre foi …

CDS critica PS por obrigar portugueses a pagar "buraco" da TAP para servir apenas Lisboa

O CDS está "chocado" por a TAP ir abandonar as quatro rotas que opera no Aeroporto Francisco Sá Carneiro e critica o PS por obrigar portugueses a pagar "buraco" da TAP para servir apenas Lisboa. O …

Contratos de associação dos colégios privados. Ministério da Educação vence todos os 55 processos judiciais

Em todos os 55 processos judiciais que os colégios privados moveram contra o Ministério da Educação em 2016, na sequência da polémica dos contratos de associação, todas as 55 decisões foram favoráveis ao Governo. O jornal …

Famílias numerosas podem pedir desconto no IVA da luz a partir de março

As famílias com cinco ou mais elementos só poderão usufruir da redução do IVA da eletricidade a partir de 1 de março e terão de o requerer junto do seu fornecedor, segundo uma portaria esta …

Vacina da gripe disponível para mais grupos. Farmácias temem não ter stock suficiente

A vacina da gripe está, a partir desta segunda-feira, disponível para mais grupos populacionais com o início da segunda fase da campanha, que estende a vacinação a pessoas com 65 ou mais anos e pessoas …

Franceses em protesto para homenagear professor decapitado. Autoridades procuram radicais islâmicos

Milhares de pessoas reuniram-se no domingo no centro de Paris numa demonstração de repúdio pela decapitação do professor que mostrou aos seus alunos desenhos do Profeta Maomé. Os manifestantes da Praça da República ergueram cartazes onde …

Proud Boys acreditam na vitória de Trump: "Vamos Ganhar". Voto antecipado começa hoje na Florida

O líder do grupo Proud Boys disse à Lusa, durante uma manifestação em Miami, que Donald Trump vai vencer as eleições presidenciais norte-americanas, e rejeitou a acusação de que é dirigente de uma organização extremista. …

Projeto desenvolve testes rápidos de baixo custo para detetar imunidade

Um consórcio de universidades e uma empresa querem desenvolver "testes rápidos e de baixo custo" para detetar a resposta imunitária ao vírus SARS-CoV-2. O projecto TecniCov, que "obteve um financiamento de 450 mil euros da Agência …

"Medo constante". Human Rights Watch denuncia tortura na Coreia do Norte

Uma organização não-governamental denunciou esta segunda-feira que o sistema norte-coreano de detenção pré-julgamento e de investigação é cruel e arbitrário, com ex-detidos a descreverem tortura sistemática, corrupção e trabalhos forçados não-remunerado. No relatório de 88 páginas, …