Bolsonaro nega que Amazónia esteja a arder. A sua política é de “tolerância zero”

Mato Grosso Firefighters / EPA

O Presidente brasileiro negou, esta terça-feira, que a Amazónia esteja a arder e afirmou que o Brasil é atacado de maneira injusta em relação à sua política ambiental, que garante ser de “tolerância zero”.

As declarações de Jair Bolsonaro foram proferidas numa videoconferência com outros Presidentes e embaixadores sul-americanos, que visou discutir a preservação do meio ambiente na região da Amazónia.

“Essa história de que a Amazónia arde em fogo é uma mentira. E nós devemos combater isso com números verdadeiros. É o que estamos a fazer aqui no Brasil”, disse o Presidente, citado pela imprensa local.

“Nós bem sabemos da importância dessa região para todos, bem como dos interesses de muitos países. E também sabemos o quanto somos criticados de forma injusta por parte de muitos países do mundo. Nós, com perseverança, determinação e verdade, devemos resistir”, acrescentou.

O Presidente brasileiro relacionou ainda as críticas que o país recebe em relação à preservação ambiental com o facto de ser uma “potência do agronegócio”, responsabilizando ainda a imprensa e o “alguns Governos estrangeiros” por divulgar uma realidade que diz não corresponder à verdade.

Organizado pela Colômbia e Peru, o encontro virtual foi realizado quase um ano após a assinatura do “Pacto de Letícia”, em que sete países (Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Peru, Guiana e Suriname) estabeleceram medidas para preservar a Amazónia, maior floresta tropical do mundo.

Contudo, apesar de Bolsonaro afirmar que a sua política é de “tolerância zero” para com os ilícitos ambientais, a destruição da Amazónia brasileira aumentou 34,5% em 12 meses contados entre julho deste ano e o mesmo mês de 2019, segundo um relatório divulgado na semana passada pelo Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE).

Bolsonaro “deslegitima a fiscalização ambiental”

De acordo com o INPE, órgão tutelado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia do Brasil, nos últimos 12 meses os alertas de destruição cobriram um total de 9205 quilómetros quadrados dentro da maior floresta tropical do mundo.

O número supera os alertas registados no período anterior, que detetaram risco de desflorestação em 6844 quilómetros quadrados da floresta até julho de 2019, ano em que a Amazónia sofreu os piores incêndios numa década.

O aumento dos alertas indicia que a desflorestação e os incêndios na Amazónia brasileira podem ser ainda mais graves nesta temporada do que foram no ano passado, quando a devastação daquela região alarmou o mundo.

Os dados divulgados na sexta-feira somam-se a outros relatórios oficiais recentes, que mostram um aumento acentuado dos incêndios na Amazónia brasileira.

Em comunicado, o Observatório do Clima, uma aliança de organizações da sociedade civil brasileira para discutir mudanças climáticas, criticou a política governamental de Bolsonaro, que considerou ser responsável pela devastação acelerada da mais importante floresta tropical do planeta.

“A explosão do desmatamento na Amazónia tem como causa importante o discurso do Presidente da República, que deslegitima a fiscalização ambiental ao mesmo tempo em que estimula a ocupação da região em modelo predatório”, frisou Suely Araújo, especialista sénior em Políticas Públicas do Observatório do Clima.

Dois secretários do Ministério da Economia demitem-se

Os secretários especiais de Desestatização e da Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Executivo brasileiro pediram a demissão por não verem os seus projetos em andamento, anunciou, na terça-feira, o ministro da Economia.

Com as demissões do secretário especial de Desestatização e Privatização, Salim Mattar, e do responsável pela secretaria de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, sobem para oito as baixas em cargos importantes da equipa económica do Governo do Presidente brasileiro, que tomou posse em janeiro de 2019.

“O Salim disse-me hoje [terça-feira] o seguinte: ‘a privatização não está a andar, eu prefiro sair’. E o Uebel disse-me: ‘a reforma administrativa não está a ser enviada, eu prefiro sair’. Esse é o facto, não escondo. Houve uma debandada? Hoje houve uma debandada!”, afirmou à imprensa o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Guedes admitiu que o ritmo das privatizações que tinha delineado está lento, assim como a reforma administrativa está parada. O ministro da Economia indicou ainda que pretende privatizar as empresas Eletrobras, PPSA-Pré-Sal Petróleo S.A, Correios e Docas de Santos. Contudo, frisou que não há datas concretas para avançar nesse sentido.

“O que o Salim me disse é que é muito difícil privatizar, (…) que é tudo muito difícil, muito emperrado. O que eu sempre disse é que (…) para privatizar, cada um de nós tem de lutar. Não adianta ficar à espera da ajuda do papai do céu, temos de lutar”, afirmou Guedes, ao lado do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.

Em janeiro deste ano, a Secretaria Especial de Desestatização divulgou ter como meta reduzir a participação do Governo de 624 para 324 empresas controladas, subsidiárias, coligadas e de simples participação.

De acordo com o Ministério da Economia, o Governo brasileiro obteve, em 2019, 105,4 mil milhões de reais (16,6 mil milhões de euros) em processos de desestatização e desinvestimento, fruto da retirada de participação em 71 empresas.

“Foi um resultado bom para um primeiro ano de Governo e vamos aumentar o ritmo em 2020. 2019 foi um ano focado na reforma do sistema de pensões. Este ano, vamos ter uma meta ousada para atingir em termos de valor e empresas. (…) O nosso objetivo é reduzir ainda mais”, disse, na ocasião, Salim Mattar, que agora abandona o programa de privatizações de Paulo Guedes.

Após a reforma do sistema de pensões ter sido alcançada no ano passado, o Governo de Bolsonaro procurava aprovar em 2020 a reforma tributária, com a qual tencionava simplificar os impostos no país, e que esperava que fosse discutida no Congresso durante o primeiro semestre deste ano. Contudo, a proposta só será enviada no próximo ano.

“Com o secretário Paulo Uebel é a mesma coisa. A reforma administrativa está parada. Então ele reclama que a reforma administrativa parou”, disse Guedes, ao comentar o pedido de demissão do secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital.

“Eu, se pudesse, privatizava todas as estatais. Mas para privatizar todas, temos de privatizar primeiro duas ou três. E nós não conseguimos privatizar duas ou três. Isso é preocupante. O trabalho não está a andar nessa dimensão. É natural que o Governo esteja preocupado”, admitiu ainda o governante.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Barcelona: Cruyff afasta-se e perder com o Benfica seria "um drama"

Ronald Koeman até poderá sair mas não será Jordi Cruyff a substituir o seu compatriota. O Barcelona atravessa uma fase perturbada, já há algum tempo, mas o panorama financeiro piorou o cenário fora de campo e …

Casa Branca oferece "telefonema educativo" a Nicki Minaj para acalmar apreensões sobre a vacina

Depois de um tweet de Nicki Minaj se ter tornado viral por associar a vacina contra a covid-19 à impotência, a Casa Branca convidou a rapper para um telefonema com especialistas para esclarecerem as suas …

Baterias de lítio-enxofre melhores e mais baratas? O segredo é uma pitada de açúcar

Uma colher cheia de açúcar pode ser o suficiente para permitir que um veículo elétrico faça uma viagem de Melbourne a Sidney (878 km) com uma única carga. Atualmente, os automóveis elétricos e os telemóveis utilizam …

Parlamento aprova na generalidade mudança do TC para Coimbra. Oito socialistas votaram a favor

A proposta passou com votos contra do Chega e PAN, abstenção do PCP, BE, PEV e maioria da bancada do PS e votos favoráveis do PSD, CDS, IL e de oito deputados socialistas. O resultado já …

Escola da Amadora queria proibir minissaias, decotes e chinelos - mas já voltou atrás

Um Agrupamento na Amadora publicou um código de vestuário que acendeu um debate nas redes sociais devido às regras que controlavam mais as raparigas. Entretanto, a escola já voltou atrás na decisão. Segundo escreve o Jornal …

Governo francês vai dar 100 euros a famílias carenciadas para pagar energia

O Governo francês vai entregar um cheque de 100 euros a 5,8 milhões de famílias de menores recursos para ajudar a pagar a fatura energética. A medida anunciada pelo executivo vai ter um custo de 580 …

Incidência e R(t) recuam em dia com mais 1.023 infetados e sete mortes

Portugal registou, esta sexta-feira, 1.023 novos casos e sete mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

Apoiantes de Navalny acusam Google e Apple de "censura" política

Os apoiantes de Alexei Navalny acusaram hoje as empresas Google e Apple de terem suprimido o apelo ao voto "útil" proposto pelo oposicionista através das respetivas plataformas, denunciando "censura" num processo eleitoral em que a …

Presidente da República argentino cancela viagens para impedir que vice assuma Governo

Cristina Kirchner é parceira maioritária na coligação de Governo e exige, entre outras mudanças, a substituição de ários ministros, secretários e presidentes de organismos públicos. Recentemente, tem mostrado em público o seu descontentamento face à …

"Bazuca" europeia não resolve problema da falta de habitação

De acordo com vários especialistas, as 26 mil casas identificadas como prio­ritárias pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) não chegam para as necessidades do país, que podem chegar às 46 mil. A questão da aplicação …