A NASA quer construir uma base lunar até 2030 (e a impressão 3D pode mesmo ser o caminho)

As missões Artemis começam já no próximo ano. A NASA quer levar astronautas à Lua em 2024 e, na lista de objetivos, tem uma base lunar permanente até ao final da década. Aquele que seria o primeiro habitat construído numa superfície extraterrestre é um dos maiores desafios da agência espacial norte-americana.

Construir uma base lunar é uma das façanhas mais ambiciosas da NASA e tudo indica que poderá mesmo tornar-se realidade graças a uma parceria entre a agência espacial e a startup Icon, especializada em construções utilizando impressoras 3D. O principal obstáculo são os custos de transporte do material necessário para a obra.

A empresa, sediada no Texas, está a trabalhar com a NASA para desenvolver uma tecnologia capaz de transformar a poeira lunar num material muito semelhante ao betão, adiantou o CEO Jason Ballard, citado pela CNN.

Os astrónomos da Apollo descobriram que a poeira, além de abrasiva, é altamente pegajosa. Na superfície lunar há muito regolito, pelo que configura um grande abastecimento de matéria-prima se o projeto for bem-sucedido.

O Projeto Olympus – batizado em homenagem ao maior vulcão do Sistema Solar – é uma grande aposta da startup, a primeira a utilizar a impressão 3D para construir uma residência com autorização governamental para ser habitada.

“Pensamos em construções extraterrestres desde a fundação da Icon. Tenho a certeza de que aprender a construir noutros mundos nos trará os avanços necessários para resolver problemas habitacionais que encontramos neste mundo”, explicou Ballard.

A empresa constrói casas desde 2018, mas terá de lidar com uma realidade muito diferente: altos níveis de radiação, mudanças bruscas de temperatura e a queda frequente de micrometeoritos são três dos maiores entraves à construção de uma base lunar.

A Icon tem realizado várias experiências com pequenas quantidades de regolito lunar para se familiarizar com a poeira, de forma a alterar o seu estado usando micro-ondas, lasers e luz infravermelha.

Entre as ideias já colocadas em cima da mesa está o preenchimento das paredes dos quartos com membranas de água para proteger da radiação e um sistema de iluminação capaz de simular o ciclo de dia e noite, para ajudar no sono dos habitantes.

Ballard também está otimista quanto ao potencial da tecnologia para a Terra. O responsável acredita que as descobertas do Projeto Olympus podem ajudar a resolver a crise imobiliária global.

A startup está a trabalhar em conjunto com as empresas de arquitetura Blake Ingels Group (BIG) e Space Exploration Architecture (SEArch+) na elaboração deste projeto.

Liliana Malainho Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Estamos numa epoca que grandes potencias comecam cobicar os minerios dos proximos planetas e satelites…. Nao seria melhor criar um organismo mundial para regular todas essas cobicas…para que possamos ir mais alem sao necessarios cooperacao e muito engenho…deixar projetos por um ou outro pais isolado nao ‘e bom….acreditem ou nao mas existem muitos por ai com exelentes ideias melhores do que qq agencia….

    • Deixe lá isso. O ser humano nunca saiu nem nunca sairá da terra! Até esses “astronautas” não passam de passageiros de uma aeronave. É, pois é. A EEI circula à volta da terra a uns míseros 400 km. A atmosfera terrestre vai para além dos 2 mil! Ora para serem astronautas teriam que viajar fora da atmosfera terrestre! Coisa que nunca ninguém ainda conseguiu.

RESPONDER

Sporting 2-2 Belenenses SAD | Líder salva virgindade nos descontos

A Belenenses SAD esteve a segundos de cumprir a promessa de Petit, que na antevisão da partida apontava para a primeira derrota do Sporting. Os “azuis” estiveram a vencer por 2-0, graças a uma eficácia …

Quatro anos depois, Danny recuperou a sua prancha. Estava a 2700 quilómetros

Um surfista australiano recuperou a sua prancha quatro anos depois de a ter perdido. Estava a 2700 quilómetros do sítio onde a tinha visto pela última vez. Danny Griffiths, um surfista habituado a ondas grandes, perdeu …

Os astronautas precisam de um frigorífico. Engenheiros trabalham num que funciona de "cabeça para baixo"

Para que os astronautas façam longas missões à Lua ou a Marte, precisam de um frigorífico, mas estes eletrodomésticos não são projetados para funcionar em gravidade zero. Os astronautas precisam de frigoríficos para as missões prolongadas …

A maior "cidade-fantasma" da China voltou a florescer (graças à educação)

Kangbashi, na Mongólia Interior, é considerada há muitos anos a maior "cidade-fantasma" da China. Agora, tem muito a agradecer a uma jogada inesperada, mas muito eficaz: o setor da Educação. Há alguns anos que Kangbashi, uma …

Carro da Tesla ajuda o FBI a capturar homem suspeito de atear fogo em igreja

As câmaras de um Tesla ajudaram as autoridades a prender um homem suspeito de atear fogo numa igreja na cidade de Springfield, no estado de Massachusetts. A congregação foi atacada mais de uma vez em …

Destemida e aventureira. Com apenas 18 anos, Simone Segouin ajudou a França a derrotar os nazis

Quando tinha apenas 18 anos, Simone Segouin juntou-se à Resistência Francesa para capturar as tropas nazis, sabotar os planos alemães e lutar contra o fascismo no seu país. Apesar de ter abandonado a escola bastante cedo, …

Orgulho e ciúmes. Corrida armamentista entre Coreias coloca ambiente de paz em risco

A relação entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul é conhecida por ser bastante conturbada, sendo que nos últimos anos já ocorreram alguns incidentes entre os países. Agora, as duas nações peninsulares …

"Estória mal contada": a saída de João Marques do Famalicão

Perto do final do campeonato feminino de futebol, o treinador das candidatas ao título abandona o emblema minhoto. Provavelmente porque vai liderar outra equipa minhota. Adeptos não gostaram. A Liga BPI, a primeira divisão nacional feminina …

Livre cede lugares à IL e ao Volt. Vasco Lourenço fala em "chicana política"

O Livre cedeu, esta quarta-feira, quatro lugares da sua comitiva no desfile que assinala o 25 de Abril à Iniciativa Liberal e ao Volt Portugal, depois da comissão promotora os ter informado de que não …

Pena de morte diminuiu. Execuções globais atingem o número mais baixo numa década

Globalmente, foram executadas 483 pessoas em 2020, o número mais baixo registado pela Amnistia Internacional (AI) numa década, marcando uma redução de 26% em relação a 2019 e 70% comparativamente a 2015. Segundo um artigo da …