Banco de Portugal mandou travar crédito do Finibanco em 2010

Manuel de Almeida / Lusa

Vítor Constâncio na comissão parlamentar de inquérito à recapitalização e gestão da CGD

Apesar de Vítor Constâncio ter referido, a propósito do caso Berardo, que o supervisor não pode anular créditos concedidos, em 2010, o Banco de Portugal mandou travar um crédito do Finibanco à Domusvenda.

Em 2010, o Banco de Portugal ordenou que o Finibanco provisionasse a 100% os empréstimos concedidos à Domusvenda ou então que os revertesse — que foi o que acabou por acontecer. Na altura, o banco era liderado por Vítor Constâncio, que, a propósito do caso Berardo, disse que o supervisor não pode anular créditos concedidos.

Em causa, segundo a notícia avançada pelo jornal Público, estava um “contrato de cessão de créditos” registados por 146 milhões de euros e vendidos à Domusvenda por 17,704 milhões de euros. A operação foi financiada em 99% pelo Finibanco.

O Banco de Portugal analisou a atividade do Finibanco e foi aí que se deparou com uma operação de cessão de créditos abatidos ao ativo no valor de 145,688 milhões de euros. O BdP deu conta que o risco da operação estava todo do lado do credor.

Isto porque a Domusvenda, sociedade de recuperação de crédito malparado pagou 17,7 milhões de euros pelos ativos com baixa probabilidade de recuperação. Subjacente à cessão de crédito malparado, o Público explica que estavam 17,4 milhões de euros de financiamentos do Finibanco ao veículo criado pela Domusvenda para adquirir os ativos.

Sem uma análise de risco da operação por parte do Finibanco, o supervisor decidiu intervir e questionar o banco sobre a natureza da transação. O BdP chegou mesmo a reunir-se com o administrador do Finibanco, Armando Esteves, e o diretor de risco, Gabriel Torres.

Numa dessas reuniões, Armando Esteves perspetivou que a situação ficasse resolvida até setembro de 2010, sendo que a Domusvenda, em julho, “já havia amortizado a dívida em cerca de 16%”.

No entanto, o supervisor não parece ter ficado convencido e sentenciou que ou o banco constituía provisões correspondentes ao montante em dívida — que na altura era de 15,750 milhões de euros —, ou recomprava os créditos cedidos. A 12 de novembro desse ano, seria assinado um contrato que acordava a revogação da cessão de créditos, “por circunstâncias conhecidas de ambas as partes”.

Depois da venda do Finibanco ao Montepio Geral, em novembro de 2010, seria o Montepio a reverter as operações e a anular os empréstimos concedidos à Domusvenda. Contactado pelo Público, o administrador do Finibanco Armando Esteves diz não se lembrar de nada.

Segundo o Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras, o Banco de Portugal pode opor-se a operações de crédito que violem os princípios de prudência e boa gestão.

O caso Berardo

Apesar disso, o ex-governador do BdP, Vítor Constâncio reiterou ultimamente, a propósito do caso Berardo, que não é possível ao banco público obrigar os bancos a reverter empréstimos já concedidos.

Foi assim que Constâncio justificou a razão para não ter alertado a Caixa Geral de Depósitos para os riscos do empréstimo de 350 milhões de euros à Fundação José Berardo. O crédito concedido serviria para Berardo reforçar a sua parte no BCP até uma quota entre 5% a 10%.

Esta operação iria ser cofinanciada pela própria Fundação José Berardo, mas, em agosto de 2007, o Banco de Portugal foi notificado que a compra de posições do BCP iria ser um investimento totalmente financiado pela Caixa. Joe Berardo, que já devia 50 milhões de euros a esta instituição, acabou por se tornar num dos maiores devedores, com quase 900 milhões de euros em dívida.

“O Banco de Portugal não poderia de nenhuma forma alterar ou anular esse empréstimo. Não podia. Nem legalmente nem de qualquer outra forma, já que se o fizesse estaria a desrespeitar os direitos dos outros e a abusar da sua autoridade. Ir ‘além da lei’ significa violá-la e isso tem um nome no código penal – prevaricação”, escreveu José Sócrates, em resposta à comissão de inquérito à CGD, alinhando no discurso de Constâncio.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

EUA anunciam fim da isenção de sanções no programa nuclear civil iraniano

Os Estados Unidos (EUA) anunciaram na quarta-feira o fim das derrogações que autorizaram até agora projetos relacionados com o programa nuclear civil iraniano, acordo internacional de 2015 do qual Washington se retirou. "Hoje, anuncio o fim …

Violência doméstica, droga, bairros problemáticos. Agentes da PSP obrigados a usar coletes anti-bala

A Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP) decidiu tornar obrigatório o uso de coletes balísticos em oito tipos de situações. De acordo com o Jornal de Notícias, os agentes da PSP vão passar a …

Benfica e FC Porto estão entre os clubes europeus com maior valor comercial

O Benfica e o FC Porto estão em 24.º e 30.º, respetivamente, na lista dos 32 clubes de futebol europeus com maior valor comercial, que é liderada pelos espanhóis do Real Madrid. O Benfica (24.º) e …

Estados Unidos podem vir a acusar Cilia Flores, mulher de Maduro, por narcotráfico

Os Estados Unidos podem vir a acusar formalmente a mulher do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, por crimes de tráfico de droga e corrupção. A notícia foi avançada esta quarta-feira pela Reuters, que cita quatro fontes diferentes. …

PSD quer lay-off até final do ano e Estado menos "dorminhoco"

O PSD apresentou hoje um conjunto de 26 "ideias e sugestões" na área social, incluindo o prolongamento do 'lay-off' simplificado até ao final do ano, a reafetação de recursos na administração pública e um Estado …

Trump prepara ordem executiva contra redes sociais. Quer reduzir proteções legais das empresas

O Presidente norte-americano, Donald Trump, vai assinar esta quinta-feira uma ordem executiva sobre as redes sociais, anunciou a Casa Branca, dois dias depois de o Twitter ter assinalado mensagens de Donald Trump com alertas de …

Mais 13 mortes e 304 novos casos. Reabertura da economia em Lisboa questionada

Embora a região Norte continue a ser a mais afetada pela pandemia, a situação na região da Grande Lisboa tem piorado. O Governo está a estudar o adiamento de algumas medidas de reabertura da economia …

Queixas de consumidores sobre vendas online sobem 250%

A Associação de defesa de consumidores Deco recebeu 3.500 reclamações relativas a compras online entre janeiro e maio, um aumento de 250% face ao número registado em igual período do ano anterior. Paulo Fonseca, da Deco, …

Alto político russo demitido por Vladimir Putin recorre ao Supremo

Um alto responsável político russo, demitido pelo Presidente Vladimir Putin em janeiro devido a acusações de vários escândalos, contestou a decisão perante a mais alta instância judicial do país. É a primeira vez em vinte anos …

Moratória do Estado poderá ser alargada ao crédito pessoal e aos emigrantes

O Governo está a preparar uma revisão da moratória pública do crédito, que será estendida no tempo e incluirá outras categorias de financiamento, passando ainda a abranger as casas dos emigrantes e o crédito ao …