As bactérias no seu intestino podem predizer a morte natural

Um grupo de cientistas desenvolveu um método para determinar a idade biológica dos seres humanos a partir da flora intestinal. Estas informações podem ajudar a prevenir a morte prematura de um indivíduo.

Os milhões de bactérias no intestino dos seres humanos podem ajudar a regular tudo desde a habilidade de digerir comida até às funções do sistema imunológico. Mas os cientistas sabem pouco sobre como este sistema, conhecido como microbioma, muda com o tempo.

Agora, investigadores que estudam as bactérias intestinais de milhares de pessoas em todo o mundo chegaram a uma conclusão: o microbioma é um relógio biológico surpreendentemente preciso, capaz de prever a idade da maioria das pessoas.

O intestino humano, segundo o artigo publicado no bioRxiv, contém colónias de bactérias vivas que desempenham um papel importante na formação do sistema imunitário, produzem substâncias importantes para o sistema nervoso e também influenciam no processo de desenvolvimento.

Dado que a composição do microbioma intestinal muda durante o curso de vida, é difícil determinar as bactérias que estão associadas ao risco de desenvolver determinadas doenças e ao envelhecimento.

Para descobrir como o microbioma muda com o tempo, o especialista em longevidade Alex Zhavoronkov e colegas da InSilico Medicine, uma startup de inteligência artificial de Rockville, Maryland, examinaram mais de 3.600 amostras de bactérias intestinais de 1.165 indivíduos saudáveis ​​que vivem em todo o mundo.

Das amostras, cerca de um terço eram de pessoas de 20 a 39 anos, outro terço era de pessoas com idade entre 40 e 59 anos e o terço final era de pessoas entre 60 e 90 anos.

Os cientistas usaram a AI para analisar os dados. Primeiro, treinaram o programa em 95 espécies diferentes de bactérias de 90% das amostras, juntamente com as idades das pessoas de quem vieram. Depois, pediram ao algoritmo para prever as idades das pessoas que forneceram os 10% restantes.

O programa previu com precisão a idade de alguém dentro de quatro anos. Das 95 espécies de bactérias, 39 foram consideradas mais importantes na previsão da idade.

Zhavoronkov e os colegas descobriram que alguns micróbios tornaram-se mais abundantes à medida que as pessoas envelheciam, como o Eubacterium hallii, que é considerado importante para o metabolismo nos intestinos.

Outros diminuíram, como Bacteroides vulgatus, que tem sido associado à colite ulcerosa. Mudanças na dieta, hábitos de sono e atividade física provavelmente contribuem para estas mudanças nas espécies bacterianas, disse o co-autor Vadim Gladyshev, um biólogo da Universidade de Harvard que estuda o envelhecimento.

Segundo Zhavoronkov, este “relógio de envelhecimento do microbioma” pode ser usado como uma linha de base para testar a velocidade ou o ritmo do envelhecimento de uma pessoa e se álcool, antibióticos, probióticos ou dieta têm algum efeito sobre a longevidade. Também pode ser usado para comparar pessoas saudáveis ​​com pessoas que têm certas doenças, como Alzheimer, para ver se os microbiomas se desviam da norma.

Se a ideia for validada, juntar-se-ia a outros biomarcadores que os cientistas usam para prever a idade biológica, incluindo o comprimento dos telómeros – as pontas dos cromossomas envolvidas no envelhecimento – e mudanças na expressão do ADN ao longo da vida de uma pessoa.

Combinar o novo relógio de envelhecimento com estes outros poderia render uma imagem muito mais precisa da verdadeira idade biológica e da saúde. Poderia também ajudar os investigadores a testar melhor se certas intervenções – incluindo drogas e outros tratamentos – têm algum efeito no processo de envelhecimento. “Não é preciso esperar que as pessoas morram para realizar esperiências de longevidade”, refere Zhavoronkov.

A ideia de prever a idade de alguém com base no microbioma intestinal é “muito plausível” e de “tremendo interesse” para os cientistas que estudam o envelhecimento, de acordo com Robin Knight, diretor do Centro de Inovação microbiológica da Universidade da Califórnia. O seu grupo está a analisar 15 mil amostras do American Gut Project, um estudo mundial sobre microbiomas.

Mas um dos desafios de desenvolver tal relógio é que existem enormes diferenças em que as bactérias estão presentes nas entranhas das pessoas em redor do mundo. “É importante replicar estes tipos de estudos com populações marcadamente diferentes” para descobrir se há sinais distintos de envelhecimento em diferentes grupos de pessoas.

Além disso, o especialista não se sabe se as mudanças no microbioma levam as pessoas a envelhecer mais rapidamente ou se as mudanças são simplesmente um efeito colateral do envelhecimento.

A InSilico Medicine está a construir vários relógios baseados em IA que podem ser combinados com o microbioma. “A idade é um parâmetro importante em todos os tipos de doenças”, diz Zhavoronkov. “A cada segundo nós mudamos.

PARTILHAR

RESPONDER

Em Chernobyl, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram para trás"

Chernobyl é, atualmente, a maior atração internacional da Ucrânia e o novo presidente, Volodymyr Zelenski, já apresentou um projeto para trazer ainda mais turistas. No entanto, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram …

Huawei afirma que a tecnologia 6G vai estar disponível daqui a 10 anos

O CEO da Huawei, Ren Zhengfei, assinalou, durante uma entrevista à CNBC, que a sua empresa está a trabalhar em redes móveis 6G, que estarão completamente desenvolvidas daqui a 10 anos.   "Trabalhámos em 5G e 6G …

Nazismo e comunismo classificados em pé de igualdade pelo Parlamento Europeu

No passado dia 19 de setembro, a União Europeia colocou comunismo e nazismo em pé de igualdade, depois de aprovar no Parlamento Europeu uma resolução condenando ambos os regimes por terem cometido "genocídios e deportações …

Conselho da Europa teme que polícia de Malta tenha “recusado provas” no caso da jornalista assassinada

Daphne Galizia era jornalista, acompanhava casos de corrupção no país e foi assassinada há dois anos. Pieter Omtzigt, relator do Conselho da Europa responsável pelo caso, diz que a abordagem da polícia e dos …

Itália quer mudar sede da final da Liga dos Campeões

A Itália quer que a final da Liga dos Campeões deste ano, marcada para o Estádio Olímpico Atatürk Olympic, mude de sede. Os últimos dias não têm sido fáceis para a UEFA. Depois dos incidentes racistas …

CNN coloca broa portuguesa entre os 50 melhores pães do mundo

A propósito das celebrações do Dia Mundial do Pão, que se celebra esta quarta-feira, a CNN fez uma lista com os 50 melhores pães do mundo e um deles é a broa portuguesa. A broa conhecida …

CP lança nova campanha: Lisboa-Porto por cinco euros e mais descontos até 80%

Há 10.300 bilhetes a custos muito reduzidos, anunciou a CP – Comboios de Portugal esta terça-feira. A nova campanha garante viagens nos comboios de longo curso Alfa Pendular e Intercidades “com 80% de desconto”, abrangendo …

"Níveis recorde". Glaciares suíços perderam 10% do seu volume nos últimos cinco anos

Os glaciares suíços perderam 10% do volume nos últimos cinco anos, a maior redução em cem anos, alertou esta terça-feira a Academia Suíça das Ciências. A Academia baseia-se nas medições feitas pelos peritos do painel intergovernamental …

Caso BPN. Relação condena dois dos absolvidos e agrava penas a outros dois

O Tribunal da Relação de Lisboa condenou esta quarta-feira dois dos três arguidos absolvidos no processo principal da falência do BPN, Ricardo Oliveira e Filipe Nascimento, e agravou as penas a dois dos 12 arguidos …

Operação Éter. Hermínio Loureiro entre as dezenas de autarcas arguidos

Hermínio Loureiro, ex-presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis, está entre as dezenas de atuais e antigos autarcas que foram constituídos arguidos no âmbito da Operação Éter. Este processo levou à prisão preventiva do antigo presidente …