Quase todos os autores de tiroteios em massa dos últimos 50 anos têm estas 4 coisas em comum

Larry W. Smith / EPA

Um estudo encomendado pelo Governo norte-americano analisou todos os tiroteios em massa desde 1966 e chegou a algumas conclusões únicas.

Homem caucasiano com historial de perturbações mentais ou violência doméstica. É este o estereótipo que as pessoas normalmente têm de um autor de um tiroteio em massa. Um novo estudo encomendado e financiado pelo Governo norte-americano permitiu perceber que esta ideia preconcebida não é completamente descabida e descobriu algumas coisas em comum entre quase todos os autores destes crimes.

Graça a este estudo, os investigadores notaram que quase todos os atiradores passaram por traumas durante a infância, uma crise pessoal ou por um luto moroso, um “guião” ou exemplos que validam os seus sentimentos e, por último, acesso a uma arma de fogo.

Os investigadores esperam que os resultados possam permitir uma abordagem mais holística e baseada em provas. “Dados não são algo político. A nossa esperança é que isso leve os debates mais além”, disse a coautora do estudo, Jillian Peterson, citada pela VICE.

Este é o estudo mais completo alguma vez feito sobre o tema, incluindo mais de 100 variáveis na análise aos tiroteios em massa. Este é um problema particularmente preocupante nos Estados Unidos, com o número de casos a aumentar gradualmente ao longo dos anos.

Dos 167 incidentes nos últimos 53 anos, um em cada cinco ocorreram nos últimos cinco anos e metade deles desde o início do milénio. Ainda em agosto deste ano, registaram-se dois tiroteios em menos de 24 horas que terão causado 27 mortos.

Quase metade dos atiradores tiveram acesso às armas de fogo por vias legais, enquanto 13% deles roubaram ou pediram a arma emprestada. Além disso, as suas motivações também se estão a tornar cada vez mais raciais, religiosas e misóginas.

O estudo traçou ainda o perfil dos atirados para os diferentes tipos de tiroteios.

Escolas: Homens caucasianos, normalmente estudantes ou ex-alunos da escola com um historial de trauma. Grande parte deles são suicidas e planeiam com cuidado o seu crime.

Universidades: Homens não-caucasianos que são estudantes da universidade, suicidas e com um historial de violência ou trauma de infância.

Emprego: Homens na casa dos 40 sem uma raça específica, normalmente empregados na empresa com um sentimento de injustiça em relação ao local de trabalho.

Culto religioso: Homens caucasianos na casa dos 40, motivados por ódio ou violência doméstica e cujo tiroteio é, grande parte das vezes, pouco planeado.

Sítios de comércio: Homens caucasianos, na casa dos 30 anos, com historial de violência e registo criminal, maioritariamente sem qualquer ligação ao local e com problemas mentais ou psicológicos.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. 1ª coisa em comum: moram nos EUA;
    2ª coisa em comum: têm armas;
    3ª coisa em comum: são apoiantes do Trump;
    4ª coisa em comum: são atrasados mentais;

  2. em poucas palavras os EUA ,ja nao sao o el dorado ou paraiso civilizacional ,uma economia decadente ,claro que isso agrava e aumenta os actos de violencia ,o facil acesso a armas facilita ,mas nao constitui a causa ,pois a 50 anos o acesso ainda era mais facil

  3. e ainda dizem que o estudo é completo e sem politiquices, no entanto não mencionam o que realmente é comum, é este pessoal estar todo a tomar drogas legais, nomeadamente antidepressivos e afins.

RESPONDER

Porto lança cartão da cidade para munícipes. Vantagens incluem descontos na cultura

O cartão foi lançado no dia 5 de abril e permite que os utilizadores tenham acesso a descontos em museus, teatros, piscinas e utilização gratuita do elevador dos Guindais. Destina-se aos moradores da cidade e …

Afinal, o SEF ainda não foi extinto. Governo vai publicar decreto-lei

Afinal, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) ainda não foi extinto. Segundo o Ministério da Administração Interna, o Governo vai "aprovar por decreto-lei a orgânica do novo serviço público [SEA] e as novas competências …

Mais quatro mortes e 553 casos nas últimas 24 horas

De acordo com a Direção-Geral da Saúde, Portugal registou nas últimas 24 horas 553 novos casos de covid-19 e quatro mortes associadas à doença. Portugal regista hoje mais quatro mortes relacionadas com a covid-19, 553 novos …

Familiares das vítimas do voo MH-17 na Ucrânia vão pedir indemnizações

Uma das advogadas das vítimas do voo MH-17 da Malaysia Airlines anunciou que 290 familiares apresentaram pedido de indemnização contra os quatro suspeitos do acidente. Uma advogada das vítimas do derrube do voo da Malasya Airlines …

1.º de Maio. CGTP duplica lotação, UGT festeja online com ex-ministros socialistas

As centrais sindicais voltam a estar divididas quanto às comemorações do 1.º de Maio. A CGTP vai organizar dois desfiles e duplicar a concentração na Alameda Dom Afonso Henriques; a UGT cancelou qualquer iniciativa presencial …

"Vice" da bancada do PS contestado por pedir autocrítica do partido sobre Sócrates

Pedro Delgado Alves defendeu que o PS deveria refletir sobre a ação de José Sócrates. O deputado foi contestado por outros dirigentes do grupo parlamentar, nomeadamente Ana Catarina Mendes, que reagiu de forma dura à …

Japão responde à China e garante que derrame de Fukushima será seguro

O vice-primeiro-ministro japonês, Taro Aso, reafirmou esta sexta-feira, em resposta às críticas da China, que a descarga da central nuclear de Fukushima aprovada pelas autoridades japonesas estará dentro dos limites de segurança da água potável. "Estou …

Ninguém quer "a batata quente" do caso Sócrates. Ivo Rosa e Carlos Alexandre com nota máxima

Os juízes Ivo Rosa e Carlos Alexandre foram avaliados com a nota máxima de "Muito Bom" pelo Conselho Superior da Magistratura em inspecções realizadas entre 2013 e 2018, ou seja, abarcando o período da investigação …

João Leão afasta criação de imposto de solidariedade para pagar crise pandémica

O ministro das Finanças, João Leão, argumenta que a criação de um imposto de solidariedade para pagar a crise pandémica não ajudaria nem seria benéfica. Em entrevista ao semanário Expresso, o ministro das Finanças, João Leão, …

Isabel de Castela ficou conhecida por cheirar mal. Novos documentos põem fim aos mitos

A famosa rainha Isabel I de Castela, em Espanha, era conhecida por se lavar pouco e cheirar mal. Contudo, documentos recém-descobertos mostram que possuía uma quantidade enorme de perfumes de grande valor. Isabel I financiou a …