Ativistas ucranianos LGBTQ+ perseguidos na Internet e nas ruas

Ativistas atribuem a escalada de violência e ódio à “crescente visibilidade da comunidade lésbica, gay, bissexual e transgénero” no país. Apesar de os registos policiais comprovarem um aumento de casos de violência relacionados com a discriminação homofóbica e transfóbica, associações de direitos humanos acreditam que a verdadeira dimensão do problema não está presente nos documentos oficiais.

Os ativistas ucranianos pelos direitos LGBTQ+ têm enfrentado uma onda de ameaças e insultos, tanto em via pública como em contexto digital. Recentemente, a caixa de mensagens de Sofiia Lapina tem sido palco deste mesmo fenómeno, depois de, no mês passado, membros de um grupo de extrema-direita publicarem o seu número de telefone no Telegram, para além de terem localizado a sua morada.

Tiraram fotografias à minha varanda e à entrada do meu prédio, e têm estado a enviá-las para mim”, revelou Lapina à Reuters. “É difícil dormir sabendo que há pessoas que anunciaram que me estão a caçar.”

Apesar de a Ucrânia ter legalizado o sexo gay em 1991, alguns elementos conservadores de uma fação maioritariamente ortodoxa cristã têm-se oposto aos direitos LGBTQ+ e militantes da extrema-direita estabelecem como alvo grupos e eventos de apoio à comunidade. Como possível justificação para a onda de ódio, alguns ativistas sugerem a “crescente visibilidade da comunidade lésbica, gay, bissexual e transgénero” no país.

Os meios de comunicação locais noticiaram na passada sexta-feira confrontos entre a polícia e grupos de extrema-direita nas imediações do edifício presidencial, em Kiev, onde a organização UkrainePride, de Lapina, realizava uma manifestação para exigir igualdade LGBTQ+.

Lenny Emson, diretor do KyivPride, afirmou aos meios de comunicação que “o movimento LGBTQ+ está a tornar-se mais poderoso, mais produtivo e mais eficaz“. “Por outro lado, quanto mais fortes ficamos, maior é o efeito de ricochete”, afirmou. Um exemplo deste mesmo efeito pode ser o adiamento da marcha de apoio ao movimento, que se irá realizar em setembro e não em junho, como estava originalmente planeado.

A escalada de violência é confirmada pelos números do Centro de Direitos Humanos LGBT Nash Mir, responsável por assinalar episódios contra a comunidade LGBTQ+ na Ucrânia, que anotou 24 ataques a centros ou eventos no último ano, mais do dobro dos números registados em 2019. Os documentos policiais também confirmam a ocorrência de 14 crimes de ódio com base na orientação sexual e na identidade de género em 2019.

No entanto, as organizações de direitos humanos acreditam que a verdadeira proporção do fenómeno é maior e não está verdadeiramente documentada — por muitas vítimas terem receio de ir à polícia e se recusarem a apresentarem queixa. Paralelamente, quando as vítimas fazem efetivamente queixa de episódios homofóbicos ou transfóbicos, muitas são classificadas como atos de hooliganismo, o que também contribui para a desvalorização do problema.

O gabinete de Instituições Democráticas e Direitos Humanos da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) recebeu denúncias de mais de 140 incidentes, em 2019, ligadas a episódios de discriminação homofóbica e transfóbica.

Em maio, cerca de uma dezena de militantes de um grupo de extrema-direita invadiu o local onde estava a ser projetado um filme LGBTQ+, partiram os vidros e lançaram uma tocha e uma lata de gás lacrimogéneo, denunciou o KyivPride, responsável pelo evento, na sua página de Facebook.

A polícia afirmou, na sequência do acidente, que haviam sido iniciados procedimentos criminais à luz do artigo da lei referente ao hooliganismo. Dois dias depois, membros de outro grupo de extrema-direita invadiram eventos organizados pelo grupo de defesa dos direitos LGBTQ+ Insight, em Kiev e na cidade de Odessa. Os atacantes também assaltaram o escritório de Odessa de outra organização, a LGBT Association LIGA.

“Se a polícia tivesse detido os atacantes que tentaram perturbar o evento daquele dia do Insight, eles não teriam vindo até ao nosso escritório partir os vidros, criticou o presidente da LIGA, Oleg Alyokhin. Posteriormente, a polícia explicou que analisou os tumultos do evento do Insight em Kiev e que não foram encontrados dados que indicassem que tinha sido cometida qualquer infração criminal.

Os recentes episódios têm merecido a condenação de grupos internacionais e nacionais de direitos civis num país onde a discriminação em contexto laboral contra homossexuais só foi banida em 2015.

Em junho, a Amnistia Internacional descreveu a violência como parte de uma “campanha de grupos promotores de ódio direcionado para a intimidação de ativistas feministas e LGBTI”.

  ARM, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Cerca de metade dos recuperados apresentam sintomas de "covid longa"

Cerca de metade dos mais de 236 milhões de pessoas que foram infetadas em todo o mundo pelo coronavírus SARS-CoV-2 apresentarão sintomas persistentes pós-covid seis meses depois a infeção, sugere um estudo divulgado esta quarta-feira. Segundo …

Nasceu a PlakTak, uma pastilha elástica que combate a placa bacteriana - e a sua origem é curiosa

Criada inicialmente pelo exército norte-americano para garantir a saúde oral dos seus soldados, a PlakTak pode estar a caminho das prateleiras das lojas. Há muitos avanços tecnológicos que começam no exército e acabam por ser usados …

Futuro subaquático. Várias cidades em todo o mundo ficarão submersas

O aquecimento global está a provocar a subida do nível médio da água do mar. E já existem imagens que mostram o cenário vivido em várias cidades costeiras no futuro. Secas históricas, inundações mortíferas e degelo: …

Chama-se Robin, é um robô e visita hospitais para ajudar as crianças a sentirem-se melhores

Uma simples visita de um robô controlado por humanos encoraja uma perspetiva positiva e melhora as interações médicas das crianças hospitalizadas. Robin é um robô que se move, fala e brinca com as crianças enquanto é …

Pinturas destruídas de Gustav Klimt foram reconstruídas com recurso a Inteligência Artificial

O pintor austríaco Gustav Klimt criou algumas das suas obras mais conhecidas durante a chamada Fase Dourada - que se manteve viva durante a primeira década do século XX. Durante o seu período mais inspirador, o …

É turca, tem 24 anos e mede mais de dois metros. Rumeysa Gelgi é a mulher mais alta do mundo

Aos 24 anos, Rumeysa Gelgi foi confirmada como a mulher mais alta do mundo pelo Guinness World Records. A jovem turca mede cerca de 2,15 metros. A sua altura surpreendente deve-se a uma condição chamada síndrome …

Princesa Amalia, sucessora ao trono holandês, poderá ser rainha se casar com uma mulher

Nos Países Baixos, os casamentos reais precisam da aprovação do Parlamento, mas Mark Rutte já deixou claro que a união homossexual não é um entrave no acesso ao trono. Longe vão os tempos em que os …

Homem armado com arco e flecha mata e fere várias pessoas na Noruega

O homem foi detido pelas autoridades norueguesas. O incidente aconteceu na cidade de Kongsberg, no sudeste da Noruega. Um homem armado de arco e flecha matou hoje várias pessoas e feriu outras na cidade de Kongsberg, …

EUA preparam-se para vacinar crianças a partir dos cinco anos em novembro

A Casa Branca pediu aos governadores estaduais dos EUA para se prepararem para vacinar crianças com idades entre os 5 e os 11 anos contra a covid-19. O plano pode começar a ser executado já …

Governo prevê que em 2022 todas as pensões deverão aumentar

As pensões vão aumentar entre 0,15% e 0,9% no próximo ano, por via da atualização regular, abrangendo 2,6 milhões de pensionistas disse hoje a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. Esta atualização …