Associated Press acusada de ter colaborado com regime nazi

Um estudo realizado por uma historiadora alemã, divulgado esta quarta-feira pelo jornal britânico The Guardian, afirma que a agência de notícias americana Associated Press teria colaborado com o regime nazista durante os anos 1930.

A reportagem do The Guardian afirma que a AP foi a única agência de notícias ocidental autorizada a operar na Alemanha de Adolf Hitler, enquanto outros órgãos de imprensa estrangeiros foram banidos ou forçados a encerrar a actividade, depois de sofrerem ataques por empregarem jornalistas judeus.

A AP continuou em actividade na Alemanha até à entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial, em 1941.

Até esse momento, a agência foi o principal meio de informação sobre o Estado totalitário para os países do Ocidente, fornecendo notícias e fotografias exclusivas.

No estudo, publicado no portal alemão de estudos de história contemporânea Zeithistorische Forschungen, a historiadora Harriet Scharnberg, da Universidade Martin Luther, na cidade alemã de Halle, sustenta que a AP só conseguiu manter a actividade no país através de uma colaboração mútua com o regime nazi.

A agência ter-se-á submetido à chamada Schriftleitergesetz, a lei dos editores, que proibia a divulgação de matérias destinadas a “enfraquecer o poder do Reich no exterior ou no país” e obrigava os meios de informação a contratar repórteres que trabalhavam para a divisão de propaganda do regime nazi.

Um dos fotógrafos contratados pela AP, Franz Roth, terá sido indicado directamente por Hitler, que também seleccionava as suas fotos para serem distribuídas pela agência.

Segundo a historiadora, ao mesmo tempo que fornecia aos países do Ocidente a possibilidade de observar a sociedade nazi por dentro, a agência também permitia que o regime ocultasse alguns dos seus crimes.

Harriet Scharnberg afirma que a colaboração entre a Associated Press e os nazis permitia ao regime alemão “retratar uma guerra de extermínio como uma guerra convencional“.

AP rejeita acusações

Em comunicado, a Associated Press negou qualquer alegação de que tenha colaborado propositadamente com os nazis e afirmou que a investigação da historiadora se refere a uma agência de fotos alemã que era subsidiária da AP britânica.

Segundo o comunicado, depois de 1935, a subsidiária foi afectada pelo controle de imprensa nazi.

A AP reconhece que distribuiu imagens disponibilizadas pelo regime nazi, mas afirma que os créditos das fotografias deixavam isso claro e que a decisão sobre a publicação das fotos cabia aos editores dos jornais.

“Imagens daquela época na Alemanha tinham um valor jornalístico legítimo, pois os editores e o público precisavam de saber mais sobre os nazis”, afirmou a agência.

“A AP não se envolveu directamente na publicação e, até à divulgação da investigação da sra. Scharnberg, não tinha conhecimento de nenhuma acusação de que material nosso pudesse ter sido produzido e seleccionado por ministérios de propaganda nazis”, diz a agência.

“Se tal aconteceu, os créditos das fotos teriam deixado isso claro”, realça a Associated Press.

ZAP / DW

PARTILHAR

RESPONDER

Polícias voltam aos protestos por causa do subsídio de risco em dia de nova reunião com o Governo

Elementos da PSP e da GNR voltam esta quarta-feira aos protestos por causa do subsídio de risco, uma concentração que vai decorrer enquanto os sindicatos e associações socioprofissionais estão reunidos no Ministério da Administração Interna …

Vieira continua em domiciliária. MP vai pedir reforço de garantias de caução

O Ministério Público (MP) vai pedir reforço de garantias de caução por entender que o uso das ações da SAD do Benfica não é a forma apropriada. O Correio da Manhã avança, esta manhã, que o …

Investigadores suecos pagam 23 dólares a quem se vacinar contra a covid-19

Recompensa surge no âmbito de uma pesquisa que pretende avaliar o nível de eficácia de diferentes incentivos à vacinação contra a Covid-19. O estudo conta com a participação de 8.200 voluntários com menos de 60 …

Costa diz que Estado se curva "perante a memória" de Otelo. Mas BE condena ausência de luto nacional

O primeiro ministro, António Costa, e o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, decidiram não declarar luto nacional pela morte de Otelo Saraiva de Carvalho, Capitão de Abril. A líder do BE e o …

Catarina Martins volta a bater o pé e Jerónimo sublinha: "Ainda não há Orçamento"

Marcelo Rebelo de Sousa recebeu, esta terça-feira, o Bloco de Esquerda, o PCP e o CDS, em mais uma ronda de reuniões com os partidos com assento parlamentar. Se o objetivo do Presidente da República era …

Simone Biles, Jogos Olímpicos de Tóquio 2020

Simone Biles. O ouro olímpico não é sinónimo de paz, muito menos interior

Na sequência do escândalo Nassar, a opinião pública dos EUA concordou que não valia tudo no caminho até ao ouro olímpico — principalmente quando está em causa a dignidade humana. Com a sua principal estrela …

"Sinto que desci ao inferno". Polícias recordam ataque ao Capitólio

"É assim que vou morrer", "sinto que desci ao inferno" e "corri o risco de ser morto" são alguns dos relatos de polícias que presenciaram a invasão ao Capitólio. Começaram as audiências na comissão da Câmara …

Pandemia aumentou o preço dos carros usados. Venda de veículos novos caiu a pique

A procura por usados aumentou com a pandemia. Com menos carros novos a saírem dos concessionários, também por causa da crise dos chips, a oferta de usados é escassa, levando os preços a subirem. Um choque …

Jogos Olímpicos: três polémicas de arbitragem em 24 horas

Depois da pontuação controversa no surf, uma decisão que quase ninguém entendeu, no basquetebol, e uma revisão discutível no judo. A arbitragem não é, ou não é suposto ser, o foco de qualquer edição dos Jogos …

Rui Vitória quer levar Manafá para o Spartak Moscovo

O Spartak Moscovo, treinado por Rui Vitória, desistiu da contratação de Gabriel e apresentou agora uma proposta por Wilson Manafá. Desde que chegou a Moscovo para treinar o Spartak, Rui Vitória tem sondado alguns jogadores que …