/

“Ridícula” e “inaceitável”. Associação de Treinadores arrasa contratação de Silas

Miguel A. Lopes / Lusa

Jorge Fernandes (Silas) é apresentado como novo treinador do Sporting

O presidente da Associação Nacional de Treinadores de Futebol, José Pereira, criticou esta sexta-feira a decisão de Frederico Varandas, que escolheu Silas, ex-treinador do Belenenses, para assumir o comando técnico do Sporting.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Em entrevista à Rádio Renascença, José Pereira considerou que o novo treinador do leões não tem as habilitações mínimas para orientar uma equipa de Primeira Liga.

“Custa-me a acreditar que uma pessoa licenciada em Medicina admita para exercer funções quem não está devidamente habilitado“, disse, criticando o facto de o Sporting ter contratado um treinador que, segundo o responsável, não tem o IV Nível UEFA Pro exigido para orientar equipas da I Liga.

“São situações tão ridículas como inaceitáveis”, disse, recordando que a nova legislação determina que seja a própria ASAE [Autoridade de Segurança Alimentar e Económica] a fiscalizar este tipo de situações”.

“No Belenenses SAD, o Silas tinha de estar sentado no banco, podendo dar esporadicamente uma instrução, como pode um médico, um massagista, ou um fisioterapeuta. Se incumprir no Sporting está sujeito a multas pecuniárias e suspensões”, disse, deixando claro as punições previstas no regulamento.

“Na Liga Europa, a UEFA não lhe permitirá aceder às conferências de imprensa e à flash interview. Poderá ir como adjunto, como acontece em Portugal. Como principal terá de estar outra pessoa com o IV Nível UEFA Pro e só essa pessoa poderá usufruir da área técnica e dar instruções aos jogadores, de acordo com a regulamentação”, enumerou.

Em declarações à SIC Notícias, José Pereira voltou a falar da situação, acrescentando que o novo treinador do Sporting não deverá poder estar no banco do suplentes como treinador principal durante as partidas da Liga Europa.

“Esta é uma dúvida que se coloca neste momento (…) Para o banco pode ir, como vai em Portugal, como treinador-adjunto (…) O treinador principal será outra pessoa que, naturalmente, a UEFA Pro, o chamado 4.º grau nacional, e portanto só uma pessoa nestas condições pode usufruir da área técnica e dar instruções aos jogadores de acordo com o regulamentação”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.