Calças de ganga feitas por crianças? As pessoas tendem a “esquecer-se” disso

Um estudo recente demonstra que somos peritos em esquecer o “lado mau” no que diz respeito ao consumo. Isto é, temos tendência a esquecer seletivamente os detalhes desagradáveis dos produtos que compramos.

Investigadores da Universidade de Ohio, da Universidade do Texas e da Universidade de San Diego realizaram um conjunto de experiências com o objetivo de descobrir se nos esquecemos seletivamente dos detalhes desagradáveis dos produtos que compramos. O resultado foi publicado no Journal of Consumer Research.

Numa das experiências, os investigadores desafiaram mais de 200 participantes a memorizar descrições de seis tipos de mesas diferentes, como o preço, o nome da marca, a descrição, e o tipo de madeira – se madeira de florestas tropicais ameaçadas de extinção ou oriunda de uma exploração sustentável de árvores.

De seguida, os participantes tiveram de anotar os detalhes e 94% lembrava-se do tipo de madeira. Foi então que os investigadores os distraíram para que executassem exatamente o mesmo teste de memória 20 minutos depois.

Após as distrações, notaram que os participantes eram menos propensos a mencionar o tipo de madeira usado no fabrico das diferentes mesas do que a mencionar outros detalhes.

Segundo o Gizmodo, Daniel Zane, um dos autores do estudo, admite que os participantes “têm tendência a esquecerem-se do padrão sistemático”. Lembram-se dos atributos de qualidade e preço das mesas mas são os “atributos étnicos que fazem com que as pessoas sejam intencionalmente ignorantes“.

Em experiências posteriores, o mesmo padrão manteve-se. Desta vez, os indivíduos recrutados online através do Mechanical Turk da Amazon, eram menos propensos a lembrarem-se se um determinado par de calças de ganga tinha sido fabricado graças a trabalho infantil ou não.

Estes “esquecimentos” não são intencionais, mas sim um mecanismo de reação. “As pessoas evitam sentir-se desconfortáveis quando confrontadas com a ética por trás dos produtos que compram. Contudo, sentem também que deveriam fazer o que é certo”, explica Zane.

Assim, acabam por tomar a terceira opção e esquecem-se completamente das informações que as inquieta.

No entanto, esta estratégia não parece aplicar-se às opções de compra. Um estudo de 2016, referenciado pelos autores, sustenta a ideia de que as pessoas tendem a esquecer-se mais frequentemente de ações anti-éticas tomadas no passado do que as do presente.

O nosso “esquecimento seletivo” pode também ajudar-nos a ser menos julgados. Um outro estudo provou que as pessoas julgavam moralmente menos alguém que parecia esquecer-se de informações negativas sobre um produto do que alguém que sabia, mas simplesmente ignorou.

O conselho que os autores do estudo deixam às pessoas que querem ter uma “memória menos egoísta” é que não se deixem levar pelo esquecimento. “Por exemplo, se acredita que um produto foi feito de forma eticamente questionável, não o deixe no seu carrinho de compras nem diga a você mesmo que pensará no assunto mais tarde”, adverte Zane.

Conforme explica o investigador, haverá a possibilidade de se esquecer. “Não confie na memória se quiser ter certeza de que está a fazer compras consistentes com os seus valores – tome o tempo necessário no local da compra para se certificar de que o produto é tão ético quanto pensa.”

Os investigadores ressalvam também que esta é uma estratégia que as “empresas éticas” devem adotar. “Lembrar os consumidores no local de compra que o produto é ético é uma forma de evitar que os clientes confiem na memória”, acrescenta Zane.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Aqui a alguns anos atrás houve entre outras uma campanha feita pelos países ocidentais contra uma conhecidíssima marca creio que de vestuário que trabalhava e deve trabalhar ainda num país asiático se não estou em erro penso ser a Indonésia por esta empregar mão de obra infantil, mais tarde os mesmos países decidiram entrar no tal acordo chamado globalização e repare-se que de um momento para o outro não houve mais ataques a mão de obra infantil ou em condições degradantes embora parte das empresas se tenham deslocado para esses países ao abrigo da famigerada globalização que no entanto tanto veio a prejudicar a economia ocidental, portanto isto só demonstra a cobardia dos nossos políticos na defesa dos nossos interesses e dos mais desprotegidos noutras áreas do globo.

    • Bem dito.
      E depois quando o Trumpa quer as grandes marcas americanas de volta a produzir nos EUA, em vez de na China ou no México, chamam-lhe maluquinho e racista.

RESPONDER

Costa não tinha dúvidas. O parecer da PGR sobre familiares é “absolutamente inequívoco”

O secretário-geral do PS, António Costa, defendeu hoje que o parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre as incompatibilidades entre governantes e negócios com empresas de familiares é “absolutamente inequívoco”. “O parecer é absolutamente inequívoco sobre …

Jovens do mundo inteiro ocupam a ONU em inédita Cimeira do Clima

Mais de 500 jovens, representantes de mais de 140 países, ocuparam este sábado o espaço habitualmente destinado aos diplomatas da ONU. A United Nations Youth Climate Summit, primeira cimeira da juventude sobre o clima, em Nova …

Esta zebra nasceu com bolas em vez de riscas

No Quénia, foi avistada uma cria de zebra com uma particularidade: em vez de riscas, esta tinha bolinhas brancas. Habitualmente, as zebras com condições semelhantes acabam por não viver durante muito tempo. Um rara cria de …

Há rochas "saltitantes" e colapsos de penhascos no cometa da Rosetta

  Cientistas que analisam o tesouro de imagens obtidas pela missão da Rosetta da ESA descobriram mais evidências de curiosas rochas "saltitantes" e quedas dramáticas de penhascos. A Rosetta operou no Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko entre agosto de 2014 …

PS e BE afastados "porque dá jeito" (e os riscos de andar para trás)

O líder do PSD alertou este domingo para o distanciamento do PS em relação ao BE, porque “dá jeito para as eleições”, notando ser uma tentativa de “limpar” a proximidade dos últimos quatro anos e …

A KLM vai passar a "voar" de comboio

A KLM, que já tinha sugerido que se voasse menos e se viajasse mais de comboio, confirmou que vai retirar um dos voos Bruxelas-Amesterdão, passando os passageiros a efetuar a rota sobre carris, num comboio …

Cientistas fazem reconstrução facial de um guerreiro escocês do séc XV

Cientistas reconstruiram digitalmente o rosto daquele que terá sido um membro poderoso de um clã do século XV da Escócia, que terá morrido num violento conflito com um clã vizinho. Corria o ano de 1957 quando …

Estudo mostra que os golfinhos também já são resistentes aos antibióticos

Um novo estudo realizado nos Estados Unidos mostra que os golfinhos Tursiops truncatus também já mostram resistência aos antibióticos. Não é segredo que os seres humanos usam demasiados antibióticos, tanto que estamos a desenvolver uma resistência …

Indígenas famosos pela sua saúde cardíaca começaram a usar óleo de cozinha (e a engordar)

O povo Tsimane, que vive na Bolívia, tem permanecido relativamente afastado do mundo exterior durante várias gerações, prosperando da terra e praticando formas tradicionais de caça, pesca, agricultura e recolha de alimentos. Durante vários anos, sabe-se …

Mais de 150 detidos em protestos violentos em Paris. Desta vez, sem coletes amarelos

As autoridades francesas detiveram este sábado mais de 150 pessoas numa nova jornada de protestos em Paris, onde coincidiram uma manifestação dos coletes "amarelos" com outras dois em defesa do clima e contra a reforma …