Calças de ganga feitas por crianças? As pessoas tendem a “esquecer-se” disso

Um estudo recente demonstra que somos peritos em esquecer o “lado mau” no que diz respeito ao consumo. Isto é, temos tendência a esquecer seletivamente os detalhes desagradáveis dos produtos que compramos.

Investigadores da Universidade de Ohio, da Universidade do Texas e da Universidade de San Diego realizaram um conjunto de experiências com o objetivo de descobrir se nos esquecemos seletivamente dos detalhes desagradáveis dos produtos que compramos. O resultado foi publicado no Journal of Consumer Research.

Numa das experiências, os investigadores desafiaram mais de 200 participantes a memorizar descrições de seis tipos de mesas diferentes, como o preço, o nome da marca, a descrição, e o tipo de madeira – se madeira de florestas tropicais ameaçadas de extinção ou oriunda de uma exploração sustentável de árvores.

De seguida, os participantes tiveram de anotar os detalhes e 94% lembrava-se do tipo de madeira. Foi então que os investigadores os distraíram para que executassem exatamente o mesmo teste de memória 20 minutos depois.

Após as distrações, notaram que os participantes eram menos propensos a mencionar o tipo de madeira usado no fabrico das diferentes mesas do que a mencionar outros detalhes.

Segundo o Gizmodo, Daniel Zane, um dos autores do estudo, admite que os participantes “têm tendência a esquecerem-se do padrão sistemático”. Lembram-se dos atributos de qualidade e preço das mesas mas são os “atributos étnicos que fazem com que as pessoas sejam intencionalmente ignorantes“.

Em experiências posteriores, o mesmo padrão manteve-se. Desta vez, os indivíduos recrutados online através do Mechanical Turk da Amazon, eram menos propensos a lembrarem-se se um determinado par de calças de ganga tinha sido fabricado graças a trabalho infantil ou não.

Estes “esquecimentos” não são intencionais, mas sim um mecanismo de reação. “As pessoas evitam sentir-se desconfortáveis quando confrontadas com a ética por trás dos produtos que compram. Contudo, sentem também que deveriam fazer o que é certo”, explica Zane.

Assim, acabam por tomar a terceira opção e esquecem-se completamente das informações que as inquieta.

No entanto, esta estratégia não parece aplicar-se às opções de compra. Um estudo de 2016, referenciado pelos autores, sustenta a ideia de que as pessoas tendem a esquecer-se mais frequentemente de ações anti-éticas tomadas no passado do que as do presente.

O nosso “esquecimento seletivo” pode também ajudar-nos a ser menos julgados. Um outro estudo provou que as pessoas julgavam moralmente menos alguém que parecia esquecer-se de informações negativas sobre um produto do que alguém que sabia, mas simplesmente ignorou.

O conselho que os autores do estudo deixam às pessoas que querem ter uma “memória menos egoísta” é que não se deixem levar pelo esquecimento. “Por exemplo, se acredita que um produto foi feito de forma eticamente questionável, não o deixe no seu carrinho de compras nem diga a você mesmo que pensará no assunto mais tarde”, adverte Zane.

Conforme explica o investigador, haverá a possibilidade de se esquecer. “Não confie na memória se quiser ter certeza de que está a fazer compras consistentes com os seus valores – tome o tempo necessário no local da compra para se certificar de que o produto é tão ético quanto pensa.”

Os investigadores ressalvam também que esta é uma estratégia que as “empresas éticas” devem adotar. “Lembrar os consumidores no local de compra que o produto é ético é uma forma de evitar que os clientes confiem na memória”, acrescenta Zane.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Aqui a alguns anos atrás houve entre outras uma campanha feita pelos países ocidentais contra uma conhecidíssima marca creio que de vestuário que trabalhava e deve trabalhar ainda num país asiático se não estou em erro penso ser a Indonésia por esta empregar mão de obra infantil, mais tarde os mesmos países decidiram entrar no tal acordo chamado globalização e repare-se que de um momento para o outro não houve mais ataques a mão de obra infantil ou em condições degradantes embora parte das empresas se tenham deslocado para esses países ao abrigo da famigerada globalização que no entanto tanto veio a prejudicar a economia ocidental, portanto isto só demonstra a cobardia dos nossos políticos na defesa dos nossos interesses e dos mais desprotegidos noutras áreas do globo.

    • Bem dito.
      E depois quando o Trumpa quer as grandes marcas americanas de volta a produzir nos EUA, em vez de na China ou no México, chamam-lhe maluquinho e racista.

RESPONDER

Ensino Superior com mais concursos para professores em 2019

As instituições de Ensino Superior abriram, em 2019, mais 948 concursos para a carreira docente do que em 2018, anunciou, esta quinta-feira, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. De acordo com uma nota do …

Paulo Gonçalves. Seguradoras atrasam autópsia e trasladação do corpo para Portugal

Paulo Gonçalves faleceu no domingo, aos 40 anos, na sequência de uma queda sofrida ao quilómetro 273 da sétima de 12 etapas do Rali Dakar. Exigências das seguradoras quanto a despistes toxicológicos ao corpo de Paulo …

Estivadores vão fazer greve em Setúbal e ameaçam fazer o mesmo em Lisboa

O Sindicato dos Estivadores e Atividade Logística (SEAL) revelou esta sexta-feira que vai entregar já na segunda-feira um pré-aviso de greve no Porto de Setúbal e ameaça fazer o mesmo no Porto de Lisboa. “Os trabalhadores …

Segundo maior diamante transforma-se em joias Louis Vuitton

Depois de cortado e polido, o segundo maior diamante da história será transformado numa coleção de joias da Louis Vuitton. A Lucara Diamond encontrou o diamante Sewelo, de 1.758 quilates, na sua mina do Botswana, no …

Filho do presidente da Câmara de Pedrógão Grande "sem memória" no caso da reconstrução de casas

O adjunto do presidente da Câmara de Pedrógão Grande, Telmo Alves, que também é filho do autarca, disse em Tribunal que desconhece o processo de reconstrução das casas ardidas no incêndio no concelho, em 2017, …

Joacine não está inscrita no congresso do Livre

De acordo com o semanário Expresso, a deputada única do Livre não se inscreveu na reunião magna do partido, que se realiza este fim de semana, em Lisboa. A deputada do Livre, Joacine Katar Moreira, e …

"Há condições para avançar" com o alargamento da ADSE

"Há condições para avançar" com o alargamento da ADSE aos contratos individuais do Estado e aos precários regularizados no PREVPAP, disse Alexandra Leitão, esta sexta-feira, no Parlamento. A ministra da Modernização do Estado e da Administração …

Países "lutam" por fundos europeus para neutralizar emissões de carbono

Um novo fundo de 100 mil milhões destinado a neutralizar as emissões de dióxido de carbono na Europa até 2050 está em disputa por vários países. A Comissão Europeia quer implementar um fundo de 100 mil …

Tribunal japonês suspende atividade de reator nuclear que tinha recebido luz verde

Um tribunal no Japão ordenou esta sexta-feira que o reator nuclear da central de Ikata (oeste do país) pare por razões de segurança, numa decisão que revoga uma anterior que deu luz verde ao seu …

Panamá. Sete corpos encontrados em vala comum em área indígena controlada por seita religiosa

Os corpos de sete pessoas foram encontrados na quinta-feira numa vala comum numa área indígena do Panamá controlada por uma seita religiosa, entre eles o de uma grávida e cinco dos seus filhos. Outras 15 …