As girafas são tão altas que podem funcionar como um pára-raios fatal

A ideia de que a girafa pode funcionar como um pára-raios não é nova e já se sabe que estes animais já foram mortos por relâmpagos. Porém, agora, cientistas descreveram as circunstâncias em detalhe pela primeira vez.

A cientistas conservacionista Ciska Scheijen, que tem estudado girafas na Conservação Rockwood, na África do Sul, no último ano, descreveu dois casos do que parece ser morte por um raio.

Em 29 de fevereiro deste ano, Rockwood foi atingido por uma forte tempestade, mas breve, com raios e chuvas fortes. No dia anterior, a manada de oito girafas do parque foi visto junta. O dia da tempestade impediu observações, mas nem 1 de março apenas seis foram vistas, algo que Scheijen diz ser incomum para este rebanho.

No dia seguinte, encontraram dois membros da manada – uma fêmea de 5 anos e uma mais jovem – mortos a poucos metros de distância. Como foram encontrados não muito longe de onde foram observadas na véspera da tempestade, era provável que tivessem morrido durante a tempestade.

Porém, numa inspeção mais próxima, encontraram uma grande fratura no crânio da girafa mais velha, onde o ossicone direito – as protuberâncias em forma de chifre no topo da cabeça das girafas – encontrava o crânio. Esta fratura sugeria que tinha sido atingida por um raio.

Por outro lado, as girafas não tinham marcas de queimaduras nas carcaças, sinal visto noutros animais que foram atingidos por relâmpagos.

Existem quatro formas pelas quais relâmpagos podem matar um animal: ser atingido diretamente, estar perto de um objeto que é atingido por um raio (flash lateral), uma descarga de luz no solo (tensão de passo) e quando parte do corpo entra em contacto com um objeto atingido enquanto ainda está a tocar no solo.

Scheijen suspeita que, como as girafas não estavam perto de nenhuma árvore alta, os ossicones da girafa mais velha – e, portanto, a mais alta com mais de 2 metros de altura –  era o ponto mais alto de contacto para relâmpagos e foi atingida diretamente. A mais jovem a sete metros de distância foi vítima de flash lateral ou tensão de passo.

“Eu não diria que os ossicones agem como um pára-raios, mas a altura imponente das girafas sim”, disse Scheijen, em declarações à IFLScience. “Se forem o ponto mais alto na área, as hipóteses podem ser altas de que são os que correm o maior risco de serem atingidos por um raio.”

Embora a altura das girafas as torne particularmente vulneráveis ​​à eletrocussão por raios, não é claro se se adaptaram para evitar isso. O facto de as girafas não serem encontradas mortas com mais frequência por relâmpagos pode significar que sabem abrigar-se sob árvores maiores, mas ainda não há evidências claras disso.

Embora Scheijen indique que estas são apenas observações porque estava no lugar certo na hora certa, a investigadora espera que into inspire mais investigações sobre os efeitos dos raios na morte de girafas.

Este estudo foi publicado em agosto na revista científica African Journal of Ecology.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Ir à escola, viajar e assistir a espetáculos. As exceções à proibição de circulação entre concelhos

No final do último Conselho de Ministros, na semana passada, o Governo anunciou a proibição de circulação entre concelhos entre as 0h de 30 de outubro e as 6h de 3 de novembro, englobando o …

País Basco em confinamento, Bélgica quer transferir doentes para os Países Baixos e França "perdeu o controlo"

Numa altura em que a Europa volta a ser epicentro da pandemia de covid-19, o País Basco decretou o confinamento da população e França considera impor a mesma medida. Com falta de camas, Bélgica pediu …

"Dia histórico". Senado confirma nomeação de Amy Coney Barrett para o Supremo Tribunal dos EUA

O Senado norte-americano confirmou segunda-feira à noite a juíza Amy Coney Barrett para o Supremo Tribunal dos Estados Unidos, o que representa uma vitória política para o Presidente Donald Trump a poucos dias das eleições …

Os olhos das corujas podem ter uma "lente" que melhora a visão noturna

As corujas capturam as suas presas durante a noite. Uma nova investigação sugere que há algo de especial na forma como as moléculas de ADN nos olhos das corujas estão acondicionadas, uma característica que lhes …

Os extraterrestres podem estar a observar-nos à distância (em mais de 1.000 estrelas diferentes)

Da mesma forma que nós, da Terra, já detetámos vários milhares de planetas ao redor de outras estrelas, uma hipotética civilização alienígena poderia ter detetado a nossa presença. Mas de que posições no Espaço isso seria …

Afinal, o buraco negro mais próximo da Terra pode não ser um buraco negro

Um objeto identificado no início deste ano como o buraco negro mais próximo da Terra pode, afinal, não o ser. Depois de reanalisar os dados, diferentes equipas de cientistas concluíram que o sistema HR 6819 …

Rara cobra de duas cabeças e dois cérebros independentes encontrada na Florida

Uma rara cobra com duas cabeças e dois cérebros independentes foi resgatada no estado norte-americano da Florida por uma equipa de especialistas do organização Florida Fish and Wildlife Conservation Commission. Na rede social Facebook, a organização, …

Benfica 2-0 Belenenses SAD | Darwinismo rende arranque histórico

O Benfica cumpriu e venceu o Belenenses SAD por 2-0, no Estádio da Luz, na partida que encerrou a quinta jornada da Liga NOS. Foi o quinto triunfo benfiquista no campeonato em cinco partidas, o …

Uma tarefa doméstica está a poluir sorrateiramente o ambiente

O que vestimos e como lavamos as nossas roupas influencia o número de microfibras sintéticas que libertamos no meio ambiente. Há uma tarefa doméstica a poluir sorrateiramente o ambiente. Um novo artigo científico, publicado na PLOS …

A companhia aérea que faliu devido à covid-19 está de volta

A pandemia de covid-19 foi traiçoeira para muitas empresas. A Flybe, uma das primeiras vítimas, está agora a ressuscitar - e pode voltar a rasgar os céus já no próximo ano. A economia mundial foi muito …