As erupções vulcânicas podem acabar com o verão

rodolfoaraiza.com / Flickr

Erupções vulcânicas de grandes proporções num futuro próximo podem prejudicar as temperaturas a nível mundial. Se o clima continuar a mudar a este ritmo, as gerações futuras poderão ter de enfrentar “anos sem verão”.

Ao estudar o impacto que as grandes erupções vulcânicas poderiam provocar na Terra, uma equipa de cientistas do Centro Nacional de Investigação Atmosférica (NCAR) concluiu que os oceanos não serão capazes de nos proteger dos efeitos do enxofre em erupção e do perigo dos aerossóis como era habitual.

Os autores do novo estudo, publicado esta semana na Nature Communications, analisaram o impacto que a erupção do Monte Tambora teve no clima da Terra em abril de 1815. O estudo provou que esta erupção desencadeou o chamado “ano sem verão” de 1816.

Segundo o LME, Last Millennium Ensemble, projeto que simula o clima da Terra com base no histórico de erupções vulcânicas de 850 a 2006, a erupção do Monte de Tamborra, na Indonésia, causou um arrefecimento global significativo e a formação de mais neve e gelo na Europa.

Este arrefecimento fez com que as temperaturas no verão de 1816 fossem muito baixas, tendo causado a perda de colheitas, doenças e a morte de cerca de 100 mil pessoas em todo o mundo.

Através de simulações, os cientistas descobriram que se uma erupção semelhante acontecer em 2085, as temperaturas poderão diminuir ainda mais drasticamente do que em 1815. Alertam ainda que essa diminuição não será suficiente para compensar o aquecimento futuro associado às mudanças climáticas.

Para além disso, os autores do estudo admitem que o arrefecimento resultante da possível erupção poderá diminuir significativamente a quantidade de precipitação no mundo inteiro.

Por sua vez, com temperaturas mais altas – como as que se têm verificado – os oceanos serão cada vez menos capazes de moderar os impactos climáticos causados por erupções vulcânicas.

À medida que o nosso clima aquece, as temperaturas da superfície do mar também aumentam, fazendo com que a água mais quente não seja capaz de se misturar com a água mais fria e mais densa do fundo do mar.

Depois de uma tal erupção vulcânica, a água fica presa na superfície, em vez de se misturar no oceano, reduzindo a quantidade de calor libertada para a atmosfera. É por isso que os cientistas preveem a chegada dos “anos sem verão”.

No entanto, os resultados são apresentados de forma cautelosa, dado que os efeitos exatos são difíceis de prever. “A resposta do sistema climático à erupção de 1815 no Monte de Tambora dá-nos uma perspetiva sobre o futuro, mas o nosso sistema climático pode responder de forma muito diferente“, explicou o autor Otto-Bliesner.

ZAP // alphr

PARTILHAR

RESPONDER

Aeronave autónoma é uma alternativa acessível aos satélites (e já fez o seu primeiro voo)

A empresa Swift Engineering, em parceria com o Ames Research Center, da NASA, desenvolveu uma alternativa acessível aos satélites: uma aeronave autónoma de alta altitude e longa resistência. Já nasceu a alternativa acessível aos satélites: chama-se …

Reservas naturais chinesas salvaram os pandas da extinção (mas "esqueceram-se" dos leopardos)

Uma nova investigação revela que os esforços da China para salvar os pandas gigantes foram bem sucedidos, mas os mesmos falharam na proteção de outros animais que partilham o mesmo habitat, como é o caso …

Comunidade científica critica Trump por dizer que NASA estava "morta"

Na quarta-feira, o Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, afirmou no Twitter que "a NASA estava fechada e morta" até que o próprio fez com que voltasse a funcionar, afirmação que gerou consternação na …

É "bastante provável" que chegue à Europa uma Cybertruck de menores dimensões

É "bastante provável" que uma Cybertruck de menores dimensões venha a ser produzida e chegue depois ao mercado europeu, revelou Elon Musk, CEO da Tesla, empresa que produz estas pickups elétricas. Questionado na rede social …

Mais seis mortos e 131 novos casos em Portugal nas últimas 24 horas

Portugal regista hoje mais seis mortos e 131 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sábado, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. O número de pessoas internadas é de 366, mais nove …

"Erro" do Instagram favoreceu conteúdo de Trump face ao de Biden

Um "erro" da rede social Instagram favoreceu durante dois meses o conteúdo gerado pela campanha de reeleição do atual Presidente norte-americano, Donald Trump, quando comparado com as publicações de Joe Biden, candidato democrata que está …

Fotografia partilhada nas redes sociais levou à suspensão de alunos nos Estados Unidos

Pelo menos dois alunos da North Paulding High School, no estado da Georgia, dizem ter sido suspensos depois de terem partilhado nas redes sociais uma fotografia na qual é possível ver um corredor da escola repleto …

Estado de Nova Iorque com mais mortes por Covid-19 do que França ou Espanha

Os Estados Unidos registaram 1.252 mortos e 63.913 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins. Os últimos números de casos e óbitos registados devido a Covid-19 …

Turistas voltam a viajar, mas optam pelo low-cost

Mesmo num contexto de pandemia mundial o desejo de ir de férias continua vivo. Os turistas voltaram a procurar voos, contudo as opções recaem em percursos de curta distância e mais económicos. Ao longo dos últimos …

Ventura anuncia recandidatura ao Chega e só sai do parlamento quando “metade daquela esquerda" sair

André Ventura anunciou esta noite a recandidatura à liderança do Chega, numa cerimónia em Leiria em que disse que só vai sair do parlamento “quando metade daquela esquerda sair”. “Estamos a fazer uma revolução democrática e …