Arqueólogos descobrem enorme metrópole maia na Guatemala

(dr) Blue Media / National Geographic

Metrópole Maia descoberta usando um LIDAR

Uma equipa internacional de investigadores encontrou, sob as densas florestas da Guatemala, dezenas de milhares de construções, que sugerem que a civilização maia tinha milhões de habitantes a mais do que se pensava.

Usando uma tecnologia de mapeamento aéreo, uma equipa internacional de investigadores descobriu, debaixo das densas florestas da Guatemala, pelo menos 60 mil casas, prédios, pirâmides e outras construções da civilização maia até agora desconhecidas.

Anunciada esta quinta-feira, a descoberta está a ser considerada um marco na arqueologia maia. O achado inclui campos de agricultura de tamanho industrial e canais de irrigação, e sugere que ali viviam milhões de pessoas a mais do que se pensava.

A descoberta foi feita na região de El Peten, que faz fronteira com o México. Por trás do trabalho arqueológico, que se estendeu por dois anos, estiveram cientistas americanos, europeus e guatemaltecos.

É uma revolução na arqueologia maia“, disse Macello Canuto, um dos arqueólogos que lidera a equipa. Segundo Canuto, o achado significa que os maias tinham uma população de 10 milhões de pessoas. “Isso é duas ou três vezes mais habitantes do que se pensava até agora.”

Os arqueólogos usaram uma técnica chamada “Lidar”, Light Detection and Ranging, uma espécie de scanner que, instalado numa aeronave, mapeou uma aérea superior a 2 mil quilómetros quadrados.

Com o LIDAR, não é necessário cortar a mata para ver o que há por baixo“, explicou Canuto. De acordo com o investigador da Universidade de Tulane, a tecnologia permite descobrir em tempo relativamente curto o que demoraria décadas através das técnicas tradicionalmente usadas pelos arqueólogos.

Uma das revelações do estudo foi a descoberta de uma nova pirâmide de 30 metros, que antes tinha sido identificada como um morro natural, em Tikal, o principal sítio arqueológico guatemalteco. Também foi encontrado no local um sistema de fosso e muralha com 14 quilómetros.

As imagens revelam, sobretudo, que os maias alteraram a paisagem local de forma muito mais ampla do que se pensava até agora. Em algumas regiões, 95% da área era de terras cultiváveis.

A agricultura era muito mais intensa e sustentável do que pensávamos, eles cultivavam cada canto de terra que tivessem”, diz Francisco Estrada-Belli, outro membro da equipa de arqueólogos. “Eles modificaram a paisagem de forma inimaginável.”

Segundo o investigador, os maias chegaram a drenar áreas pantanosas para usar na agricultura. O extenso sistema de muros, fortificações e canais de irrigação sugerem, além disso, uma força de trabalho altamente organizada.

A civilização maia teve o seu esplendor entre os anos 1.000 a.C. e 900 d.C., continuando a desenvolver-se durante até a chegada dos conquistadores espanhóis. Foi uma das mais avançadas da Mesoamérica devido à sua matemática e engenharia sofisticadas, que lhe permitiram espalhar-se na América Central e México.

A sua rica cultura, que incluía uma língua escrita, arquitetura, artes e astrononomia, expandiu-se pelos territórios que atualmente abrangem a Guatemala, o México, El Salvador e Honduras. Os sus descendentes vivem na região até hoje.

As revelações do estudo, apoiado pela Fundação Património Cultural e Natural Maia, serão apresentadas num documentário será exibido nos EUA a 11 de fevereiro pelo canal de TV da National Geographic.

PARTILHAR

RESPONDER

Boris compara Reino Unido a super-herói. "Quanto mais enfurecem o Hulk, mais forte ele fica"

O primeiro-ministro britânico comparou o Reino Unido ao super-herói da Marvel, que nunca se deixa prender, deixando subentendido o aviso de que pode ignorar a decisão do Parlamento que quer impedir uma saída sem …

Dente de rinoceronte deu aos cientistas a mais antiga informação genética já registada

Cientistas conseguiram extrair de um dente com 1,7 milhões de anos (de um rinoceronte já extinto) aquela que é a informação genética mais antiga alguma vez registada. Entre o período de há 2,5 milhões e 700 mil …

SNS "é âncora para os portugueses e sabe resistir às pressões"

A ministra da Saúde elogiou o Sistema Nacional de Saúde no dia em este cumpre 40 anos. A data só não está a ser assinalada com mais vigor devido à proximidade das eleições, explicou …

Um terço dos diplomados no curso de Aeroespacial vai trabalhar para o estrangeiro

A nota mínima de entrada no curso de Engenharia Aeroespacial do Técnico bateu um novo recorde. As oportunidades e os salários levam os diplomados para o estrangeiro. O único curso de Engenharia Aeroespacial no ensino superior …

Morreu o cantor Roberto Leal

Morreu o cantor Roberto Leal, confirmou o antigo secretário de Estado das Comunidades e da Administração Local. Tinha 67 anos e lutava contra um cancro. A notícia foi avançada pelo antigo secretário de Estado das Comunidades …

Estudo mostra que o canguru gigante tinha uma parecença com os pandas

O já extinto canguru gigante tinha uma característica muito semelhante com o panda-gigante dos dias modernos: grandes mandíbulas que lhe permitiam comer alimentos que outros animais não conseguiam. Há mais de 40 mil anos, o sudoeste …

Assunção Cristas contra o "ditador" verde e André Silva contra a "despesista" demagoga

O debate deste sábado, transmitido pela RTP3, sentou frente-a-frente os líderes do CDS e do PAN. Assunção Cristas contou quantas vezes o programa do adversário usa a palavra "proibir" e André Silva acusou os centristas …

Poluição no rio Lis arrasta-se há mais de 20 anos

A poluição na bacia hidrográfica do rio Lis arrasta-se há mais de duas décadas, com o contributo das descargas ilegais das suiniculturas, mas a construção da estação de tratamento de efluentes suinícolas tem sido adiada …

No Quénia, há meninas a faltar às aulas por não terem acesso a tampões

No Quénia, há adolescentes que não têm dinheiro para comprar pensos higiénicos ou tampões. Por isso, faltam às aulas. O Expresso conta a história de uma menina queniana, de 14 anos, que não aguentou ser humilhada …

As sestas podem ser boas amigas do coração

Fazer uma sesta uma ou duas vezes por semana pode reduzir o risco de ataque cardíaco ou AVC. No entanto, se fizer mais sestas do que o recomendado, os benefícios desaparecem. Uma equipa de cientistas decidiu …