Arqueólogo descobre para onde fugiram os Romanos durante a erupção do Vesúvio

(pd)

Os moldes de gesso de romanos mortos quando o Vesúvio entrou em erupção em 79 a.C. são famosos, mas os estudiosos sabem há muito tempo que muitas pessoas conseguiram escapar da destruição da Baía de Nápoles.

Novas evidências de inscrições fornecem pistas para onde estes refugiados se estabeleceram depois de escapar da erupção do Vesúvio.

O arqueólogo e historiador Steven Tuck, da Universidade de Miami, explica como a criação de um banco de dados de apelidos romanos o levou a combinar registos de Pompeia e Herculano com registos das partes da Itália não afetadas pelo poder destrutivo do Vesúvio.

O objetivo de Tuck em fazer este trabalho não era apenas identificar refugiados, mas também “tirar conclusões sobre quem sobreviveu à erupção, para onde se mudaram, porque foram para certas comunidades, e o que este padrão nos diz sobre como o antigo mundo romano funcionava social, economica e politicamente”.

A fim de encontrar refugiados, Tuck precisava de investigar inscrições em prédios públicos e lápides, porque os registos históricos enfatizavam apenas os danos físicos dos desastres. Na época romana apenas algumas narrativas reflete o custo humano desses antigos desastres naturais.

Tuck criou um método para identificar refugiados com base em várias linhas de evidência, incluindo: apelidos que eram comuns em cidades próximas ao Vesúvio e que aparecem em outros lugares depois de 79 a.C; inscrições específicas que listam a origem de uma pessoa em Pompeia ou indicam que nasceram noutro lugar; artefactos ou objetos de culto característicos de Pompeia ou Herculano, encontrados noutros lugares; e a infraestrutura pública que pode ter sido construída para acomodar uma comunidade de refugiados.

Por exemplo, há seis pessoas da família Caninia conhecidas a partir de inscrições do século II em Neapolis (Nápoles moderna). Este último nome aparece mais cedo em Herculano, mas essencialmente em nenhum outro lugar, sugerindo que a família se mudou por causa do Vesúvio.

Tuck faz uma conexão ainda mais forte, no entanto, num membro em particular dessa família: Marcus Caninius Botrio, cujo nome está registado no Álbum de Herculano. É provável que Botrio “seja a melhor evidência sobrevivente de um indivíduo específico de Herculano que se reestabeleceu em Neapolis como refugiado, e depois morreu lá como atestado pela sua inscrição no túmulo”, observa Tuck.

Outro exemplo que o Tuck apresenta vem da Roman Dacia, uma área do Império que agora é a Roménia e a Sérvia. Numa lápide datada de 87 a.C., uma inscrição lista um Cornelius Fuscus, que era cidadão em Pompeia, morava em Neapolis e estava em Dacia como responsável que liderou cinco legiões na guerra de Domiciano. Fuscus “parece ter-se reestabelecido de Pompeia para Nápoles depois da erupção”, conclui Tuck.

A combinação de história e arqueologia de Tuck produziu fortes evidências de que é possível rastrear os refugiados vesuvianos. Ele descobriu que muitos refugiados estabeleceram-se no lado norte da baía de Nápoles e que as famílias tinham tendência a unir-se e depois casar-se dentro da sua comunidade de refugiados.

Estas pessoas provavelmente “representam aqueles que fugiram ao primeiro sinal da erupção”, refere Tuck, “ou aqueles que estavam longe das cidades quando a erupção ocorreu”. Mas enquanto este método parece funcionar para identificar cidadãos razoavelmente ricos, Tuck sabe que é limitado porque não pode ajudá-lo a descobrir não-romanos, escravos ou migrantes que escaparam do Vesúvio.

Tuck acha importante notar a reação do governo romano ao Vesúvio. Enquanto que nos países contemporâneos, os responsáveis declaram imediatamente um estado de emergência e trabalham para ajudar as pessoas afetadas, o governo romano não reagiu até que as pessoas se reestabelecessem.

Depois de os refugiados se mudarem, o imperador destinou dinheiro para construir novas infraestruturas em Nápoles e Pozzuoli para acomodar o fluxo de pessoas.

O trabalho de Tuck, combinado com evidências bioarqueológicas dos esqueletos de pessoas, e com evidências bioquímicas na forma de isótopos e antigas análises de ADN, abre caminho para uma compreensão mais completa deste desastre natural catastrófico e as suas ramificações no povo romano.

ZAP // Forbes

PARTILHAR

RESPONDER

13% dos casos de covid-19 em Portugal são profissionais de saúde. Há 10 médicos nos cuidados intensivos

Um em cada oito infetados com o novo coronavírus em Portugal é profissional de saúde. O número de médicos, enfermeiros, auxiliares e outros trabalhadores de hospitais e centros de saúde que estão contagiados não pára …

Curva em Itália parece estar a aplanar. Confirmado primeiro caso num campo de refugiados grego

A Itália registou mais 4.053 casos positivos e mais 837 mortes em 24 horas, valores semelhantes aos de segunda-feira e que sugerem que a curva da covid-19 parede estar a estabilizar. De acordo com o Observador, …

Há mais de 8 mil infetados e 187 mortes por covid-19 em Portugal

Há mais 27 mortes em relação a terça-feira, aumentando o número total de óbitos para 87. O número de casos confirmados em Portugal já ascende as 8 mil pessoas. O boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da …

Há falhas no sistema que regista casos de covid-19. A "esmagadora maioria" não vai ser contabilizada

O sistema que regista os casos de covid-19 em Portugal é "um pesadelo burocrático", denunciam os infecciologistas. A "esmagadora maioria" dos casos vai acabar por não ser notificada, acrescentam. O problema tornou-se público quando a Direção-Geral …

Mais de 3600 empresas já pediram acesso ao lay-off simplificado

O Governo já recebeu 3600 pedidos de empresas para aderirem ao regime lay-off lançado na semana passada, disse, esta terça-feira, a ministra do Trabalho e da Segurança Social. Ana Mendes Godinho, que falava aos jornalistas no …

Em tempos de crise, os emprestados podem ser a solução do Benfica

Bruno Varela, Cristián Lema, Filip Krovinovic, Gedson Fernandes e Diogo Gonçalves são hipóteses que Bruno Lage tem a seu dispor para regressar dos empréstimos. A suspensão das competições desportivas deixa muitos clubes entre a espada e …

Trump muda de discurso. Próximas duas semanas serão "dolorosas" e podem morrer 100 mil pessoas

Esta terça-feira, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, falou ao país com um discurso mudado, mais pessimista e alarmista. Com o número de doentes infetados com covid-19 nos Estados Unidos a superar os 187 mil …

Autódromo do Algarve já pode receber corridas de Fórmula 1

Pista de Portimão deverá receber ainda este ano testes privados de uma das equipas do pelotão da Fórmula 1 e pretende candidatar-se a receber os testes de inverno a partir de 2021. O Autódromo Internacional do …

Medidas de contenção já salvaram 120 mil pessoas na Europa

As medidas de contenção adotadas por vários países europeus salvaram a vida de cerca de 120 mil pessoas na Europa, revela um novo relatório de investigadores britânicos. Um estudo do Imperial College London revela que as …

Ronaldo pode regressar a Manchester. PSG também está na corrida

O Manchester United pondera trazer Cristiano Ronaldo de volta ao clube. O internacional português também está a ser seguido atentamente pelo Paris Saint-Germain. Com a Juventus a enfrentar problemas financeiros devido à pandemia de covid-19, o …