O aquecimento global pode ser muito pior do que o previsto

B. Bannon / UNHCR

As alterações climáticas provocam seca em África e deslocalização das populações

Segundo uma equipa internacional de investigadores de 17 países, o aumento da temperatura como resultado do aquecimento global pode ser o dobro do que foi inicialmente projetado pelos modelos climáticos.

Os resultados do estudo, publicado na semana passada na revista Nature, mostram que o nível do mar pode subir seis metros ou mais, causando a submersão de grandes centros urbanos.

Além disso, este aumento no nível das águas pode também causar impactos profundos no nosso ecossistema, mesmo se atingirmos a meta do aumento máximo da temperatura em 2 graus Celsius, com foi estabelecido pelo Acordo Climático de Paris.

As descobertas foram baseadas em provas de três períodos quentes nos últimos 3,5 milhões de anos da Terra, nos quais as temperaturas globais estavam 0,5 a 2 graus Celsius acima das temperaturas pré-industriais do século XIX.

Em todos os períodos estudados, o planeta aqueceu a uma taxa muito mais baixa do que está a aquecer na atualidade, resultado do aumento das emissões de gases de efeito de estufa resultantes da atividade humana.

Ou seja, o Acordo Climático – que visa limitar o aquecimento global a 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais – pode não ser suficiente para evitar uma catástrofe.

Os investigadores alertam que a taxa de aquecimento global também é considerável. “As mudanças que vemos hoje são muito mais rápidas do que qualquer coisa encontrada na história da Terra”, explicou uma das autoras do estudo, Katrin Meissner, da Universidade de New South Wales, na Austrália.

Os investigadores descobriram que o aquecimento sustentado de 1 a 2 graus Celsius vem sendo acompanhado por reduções substanciais das camadas de gelo da Gronelândia e da Antártida e aumentos no nível do mar de pelo menos em 6 metros – vários metros acima das previsões dos modelos climáticos atuais para 2100.

A pesquisa também revelou que o aquecimento global podia fazer colapsar grandes áreas de calotas polares. Com isto, iriam sentir-se mudanças significativas nos ecossistemas que poderiam fazer com que o deserto do Saara, na África, se tornasse verde e as bordas das florestas tropicais se transformassem em savanas dominadas por incêndios.

Meissner disse que “a equipa não pode comentar em que ponto no futuro é que estas mudanças vão ocorrer”.

Segundo a cientista, “os modelos climáticos parecem ser confiáveis para pequenas mudanças, como para cenários de baixas emissões em curtos períodos, digamos nas próximas décadas até 2100. Mas, à medida que a mudança se torna maior ou mais persistente, parece que os modelos subestimam a mudança climática”.

“As observações dos períodos anteriores sugerem que vários mecanismos amplificadores – que estão mal representados nos modelos climáticos – aumentam o aquecimento a longo prazo para além das projeções do modelo climático”, concluiu Hubertus Fischer, da Universidade de Berna, na Suíça, um dos principais autores do estudo.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Em contrapartida o aumento da densidade populacional não pára de aumentar e o planeta não se compadece de tanta ignorância humana!.

RESPONDER

Ninguém consegue decifrar inscrições misteriosas encontradas em folhas de palmeira

Uma inscrição antiga, numa Língua que ninguém consegue identificar, está entre os mais de 70 mil manuscritos recolhidos de diferentes lugares na Índia e que fazem parte do acervo da Biblioteca de Manuscritos Orientais do …

Quantidade de açúcar nos pacotes volta a diminuir em 2020

Os pacotes individuais de açúcar vendidos nas prateleiras e nos espaços de restauração dos supermercados vão ter menos quantidade a partir de 2020, dois anos depois de ter passado das 8 para as 5/6 gramas.  …

Ryanair prevê cancelamento de 600 voos na Europa, 100 só em Portugal

A companhia aérea Ryanair indicou na quarta-feira que prevê cancelar até 300 voos diários dos dias 25 e 26 deste mês, devido a perturbações provocadas pela greve de tripulantes de cabine em Portugal, Espanha e …

Há um enorme tesouro de diamantes escondido nas profundezas da Terra

Há toneladas de diamantes escondidos no interior da Terra, enterrados a mais de 160.000 metros abaixo da superfície, apurou um estudo científico realizado pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), em parceria com várias Universidades dos …

Produtos sem glúten têm mais gordura, açúcar e aditivos

A revista francesa “60 Milhões de Consumidores“ lançou recentemente um alerta sobre os produtos que não contêm glúten e chamou a atenção dos franceses que adotaram uma alimentação sem esta proteína. Ao contrário do que se …

Fio magnético pode vir a ser usado para detetar cancro

Investigadores da Escola de Medicina da Universidade de Stanford, nos EUA, desenvolveram um fio magnético que poderá vir a ser utilizado para detetar células cancerígenas. A ideia é que este fio magnético seja inserido na veia …

Desvendado mistério do papiro de Basileia

Durante séculos, ninguém o conseguiu ler. Agora, o mistério do papiro de Basileia foi finalmente desvendado, graças à ajuda da luz ultravioleta. Um equipa de cientistas da Universidade de Basel, na Suíça, descobriu que o papiro …

Primeiro não flutuava. Agora o novo submarino espanhol não cabe nas docas

Primeiro não flutuava, por excesso de peso, e agora, não cabe nas docas. O novo submarino da Marinha Espanhola é um embaraço para a Defesa do país vizinho e um caso flagrante de derrapagem, com …

Quase um milhão de refeições escolares desperdiçadas

Quase um milhão de refeições escolares que tinham sido encomendadas foram desperdiçadas porque os alunos faltaram, revela o relatório anual do ministério da Educação sobre cantinas concessionadas a privados. Entre setembro do ano passado e 31 …

Arrojada no céu: Aston Martin apresenta carro voador de luxo

A Aston Martin apresentou recentemente o Volante Vision Concept, uma aeronave arrojada e futurista destinada a transportar passageiros em voos de médias e longas distâncias. A Aston Martin pôs em cima da mesa as suas soluções …