/

Aprender grego antigo pode ajudar a combater a dislexia

Aprender a linguagem escrita e o alfabeto do grego antigo pode estimular mudanças no desenvolvimento do cérebro que ajudam a evitar o aparecimento da dislexia.

A dislexia é uma perturbação de aprendizagem de origem neurodesenvolvimental. As crianças com dislexia apresentam significativas dificuldades na leitura e escrita, que se caracterizam por fragilidades na descodificação e no reconhecimento preciso de palavras, na precisão leitora e ortográfica, na fluência/velocidade da leitura, entre outros sintomas.

A dislexia pode continuar a causar complicações na vida adulta, caso não seja gerida, mas não é tratável.

No entanto, alguns estudos descobriram que aprender a linguagem escrita e o alfabeto dos gregos antigos pode estimular mudanças no desenvolvimento do cérebro que ajudam a evitar o aparecimento da dislexia, escreve o portal Ancient-Origins.

E mais: se a pessoa já tiver sintomas de dislexia, aprender o alfabeto dos gregos antigos pode reduzir a sua intensidade ou até mesmo dissipar os sintomas.

“Os benefícios que resultam da formação e do uso adequado do cérebro humano há muito são reconhecidos por professores e investigadores de todo o mundo, que sugeriram o ensino sistemático da língua grega antiga como tratamento para crianças disléxicas”, escrevem Charles Lumsden e Derrick De Kerckhove, autores de um estudo recente.

“Pessoas disléxicas podem ter dificuldades na oralidade, orientação espacial e temporal ou distinção direita-esquerda”, prosseguem os investigadores.

“É claro que essas dificuldades, qualitativa e quantitativamente, variam de pessoa para pessoa, e os sintomas variam de acordo com a idade. Quando as pessoas são capazes de ativar mais partes do cérebro graças ao uso de uma linguagem, é provável que lutem contra alguns dos sintomas da dislexia”.

Um estudo realizado na Grécia, com 25 crianças com idades compreendidas entre os oito e os 12 anos, mostrou que, com apenas duas horas de aprendizagem do grego antigo por semana, as crianças mostraram um progresso mensurável e acelerado nas áreas de inteligência verbal e pensamento dedutivo.

Nenhuma das crianças deste estudo era disléxica. Ainda assim, os resultados mostram que aprender a linguagem escrita dos gregos antigos pode ajudar a preparar a mente para a aprendizagem.

  Daniel Costa, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.