Tal como os nazis depois da guerra, “anti-vaxxers” alemães estão a fugir para o Paraguai

4

Paraíso Verde / Instagram

Paraíso Verde, em Nueva Germania, Paraguai.

Alemães “anti-vaxxers” que fogem das restrições à covid-19 na Europa estão refugiados numa pequena comunidade agrícola no Paraguai.

Em Nueva Germania — ou Neugermanien — fica um complexo fechado, com os seus portões a serem protegidos por guardas armados. Poucas pessoas além dos seus 300 moradores e trabalhadores locais entram ou saem.

Paraíso Verde não é um resort de férias ou uma clínica de reabilitação, mas sim uma comunidade isolada de “anti-vaxxers” em grande parte alemães que fogem das restrições europeias da covid-19.

Anti-vaxxers são pessoas que se opõem ao uso de vacinas ou regulamentação que obrigue à vacinação. O termo já tem alguns anos, mas ganhou relevo com a recente pandemia de covid-19.

“Muitas pessoas estão a vir aqui para o Paraguai com a intenção de ter mais liberdade, menos pressão das autoridades ao fazer os seus negócios e principalmente no setor da saúde”, disse Gerhild Wichmann, que mora em Paraíso Verde desde agosto de 2020.

“Muitas famílias agora estão a vir porque querem proteger os seus filhos das restrições [do coronavírus] na Europa”, acrescentou, em declarações à VICE.

O Paraíso Verde foi fundado em 2016 por Erwin e Sylvia Annau. O casal germânico vê a sua comunidade como um paraíso de liberdade, onde as pessoas podem escapar às restrições ocidentais.

Todavia, vídeos de Erwin Annau a protestar contra os muçulmanos e contra a imigração na Europa têm gerado polémica ao longo dos anos.

No próprio site do Paraíso Verde é explicado que a comunidade não é um refúgio para nazis: “A palavra é abusada hoje de maneira vil e repreensível para ‘empurrar’ aqueles que pensam politicamente de maneira diferente para um canto”.

“A palavra nazi é instrumentalizada para forçar a opinião a alinhar-se com ideologias multi-culturais de extrema esquerda”, lê-se ainda no portal.

O Paraguai não exige certificado de vacinação à entrada, uma das razões que levou centenas de alemães a escolherem o país sul-americano a mais de 10.000 quilómetros de casa.

No entanto, haveria uma panóplia de outras escolhas possíveis, mas o Paraguai tem já uma ligação histórica com a Alemanha.

Nueva Germania é um distrito do Paraguai, fundado em 1887 pelo antissemita Dr. Bernhard Förster, que estava casado com Elisabeth Förster-Nietzsche, irmã do filósofo alemão Friedrich Nietzsche. A sua ideia era criar uma comunidade modelo no Novo Mundo para mostrar a “superioridade da raça alemã”.

O plano original não deu certo, uma vez que conseguiu atrair poucas famílias, enquanto os Estados Unidos atraíram muito mais imigrantes alemães.

Ainda assim, abriu o precedente para os nazis que fugiram da Alemanha depois da II Guerra Mundial. Entre eles, o mais emblemático que escapou para o Paraguai foi Josef Mengele, médico nazi que fez experiências com prisioneiros em Auschwitz-Birkenau durante a Segunda Guerra Mundial.

Conhecido como o “Anjo da Morte”, Mengele fez várias experiências científicas, principalmente com gémeos, sendo que estas não tinham qualquer respeito pela saúde ou segurança das vítimas.

Hoje, existem oficialmente cerca de 7.730 expatriados alemães a viver no Paraguai, mas o cônsul alemão realça que o número real pode chegar aos 30.000 se incluirmos aqueles sem documentação.

  Daniel Costa, ZAP //

4 Comments

  1. Parece que o motivo real de fuga dos alemães ao Paraguai não é apenas anti-vacina, mas sim, a paranóia de que os muçulmanos estão a dominar a cultura alemã, que eles temem um dia serem submetidos a Sharia (lei inslâmica que reprime as mulheres). Poderia ser uma paranóia [patologia esquizofrênia], mas também poderia ser uma realidade, visto o elevado número de muçulmano na Alemanha e a resistência deles à adotar os valores da cultura ocidental. Mas a reporgem não conta que os próprios alemães ‘invasores’ do Paraguai discriminam os paraguaios como ‘inferiores’, e, talvez no fundo alimentam a estratégia de crescerem no país [Paraguai] a tal ponto de um dia ser um país de brancos, arianos, nazis ou nacionalistas da suposta raça pura. Alemães no Paraguai e outros países do América do Sul NÃO interagem com os nativos. Então, recado aos omentários “contentinhos” de “democracia”: é novamente o uso da democracia para impor uma ditadura pró-nacionalista, pró-extremista de direita. Lembrar que o estado brasileiro de Sta.Catarina tem o maior número de organizações nazistas do Brasil. Outro estado vizinho, Paraná, é o 2.lugar de organizações nazi-fascistas, alegres com o atual governo Bolsopata.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE