Descobertas anomalias misteriosas em ossadas humanas do Plistoceno

Erik Trinkaus / National Academy of Sciences

Um antropólogo da Universidade de Washington descobriu “uma abundância de anomalias de desenvolvimentos” em ossadas humanas do Pleistoceno.

No estudo publicado a 5 de novembro na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, Erik Trinkaus, investigador que liderou o projeto, descreveu as suas conclusões acerca dos fósseis encontrados em várias localizações do Médio Oriente e da Euroásia.

O Plistoceno abrange o período entre 2,588 milhões e 11,7 mil anos atrás. Segundo estudos anteriores, trata-se do período em que seres humanos anatomicamente modernos surgiram em África e partiram do continente para dominar novos territórios.

De acordo com o antropólogo, o Plistoceno destaca-se ainda pelo aparecimento de uma ampla variedade de deformações físicas em espécies Homo, entre as quais a nossa — Homo sapiens.

Trinkaus examinou 66 fósseis de até 200 mil anos atrás e identificou uma grande quantidade de alterações anatómicas, tais como distorções de braços e pernas e deformações no crânio e maxilares.

Foram reveladas 75 anomalias, podendo dois terços delas ser encontrados em 1% dos humanos modernos. O investigador defende que as anormalidades surgiram devido a doenças diversas – tais como distúrbios sanguíneos ou hidrocefalia. Para Trinkaus, o número de deformações é demasiado alto para um grupo tão pequeno de fósseis.

O antropólogo sugeriu ainda que o cruzamento sanguíneo ou acasalamento de indivíduos geneticamente semelhantes são as razões prováveis para o desenvolvimento destas deformações.

As ossadas analisadas foram encontradas extremamente bem preservadas, o que pode ser resultado de um cuidado especial no funeral das pessoas deformadas.

ZAP // Sputnik / Phys

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns, os textos estão num português exemplar, cada vez melhores e cada vez mais cuidados. Continuem que vão bem. Não há uma notícia que esteja isenta de erros. É esse o caminho.

    • Caro Vasco,
      Obrigado pelo seu apoio e pelo privilégio da sua visita.
      Estaremos ao seu dispor sempre que puder apontar-nos os erros concretos que cometermos, os quais teremos todo o gosto em corrigir se assim for o caso.

  2. Se a conversa pretende ser português de Portugal, nem uma forma nem a outra estão certas. Essa terminologia é brasileira. Só que os nossos jornalistas, quando traduzem uma notícia, adoptam aquilo que lhes é fornecido pelos Googles e afins: traduções para português do Brasil.
    Em Portugal o termo correto que qualquer entidade científica ou outra utilizam (LNEG, LNEC – na área da Geotecnia -, faculdades e institutos de ciências, empresas de prospecção ou de mineração, enfim sítios onde existam geólogos, engenheiros geólogos, geógrafos – geografia física-, engenheiros de minas, etc… é: Pleistocénico (alguns escrevem Plistocénico). Assim, e ao contrário do que lemos e ouvimos em diversos escritos de imprensa e (em todos os) programas de televisão, temos também: Miocénico (e não Mioceno), Pliocénico, Paleogénico, Holocénico, Neogénico, etc.
    Não estou a discutir se está mais certo ou mais errado. Quanto a isso, sempre se pode argumentar que nós somos 10 milhões (e a baixar) e eles 200 (e a subir)… Mas os termos científicos correctos em Portugal são os terminados em “énico” e não em “eno”.

    • Caro Pedro Lamas,
      O ZAP não usa o Google Tradutor. Quando temos dúvidas acerca da forma como se redige uma expressão em pt_PT correcto, usamos o Dicionário Priberam, que reputamos de bom.
      Sem prejuízo de que a forma mais correcta, ou mais comum no meio académico, possa ser “plistocénico”, o Priberam aponta a forma “plistoceno” como sinónimo de “plistocénico“.
      Curiosamente, não aponta nenhuma grafia pt_BR para a forma “plistoceno”, mas especifica que a forma “plistocénico” tem em pt_BR a grafia “plistocênico”.
      Não fosse o facto de o Pedro ter caído, errada e gratuitamente, na moda de atribuir ao “adoptam aquilo que os Googles dão em brasileiro” a causa de uma imprecisão no nosso texto, não teríamos estado a perder tempo a discutir o que é ou não correcto e em que língua, e que modas seguem os jornalistas, poderíamos ter usado esse tempo para conversar sobre a forma mais correcta de escrever em pt_PT.
      Tendo gasto esse tempo no primeiro assunto e sobrando-nos pouco para o segundo, acabámos por fazer uma pesquisa rápida de “plistoceno” e “plistocénico” filtradas no domínio up.pt.
      O resultado é 17 vs 460 ocorrências.
      A mesma pesquisa filtrada no domínio ul.pt dá 5 vs 259., e no domínio uc.pt dá 9 vs 398.
      Há claramente uma predominância do uso de “plistocénico” no meio académico português (de Portugal).
      Há alguns cientistas portugueses que, tal como alguns jornalistas, usam a forma “plistoceno”.
      Obrigado pelo seu reparo.

RESPONDER

Investir em peças de Lego é mais rentável que comprar ações

Hoje em dia qualquer coisa pode ser construída com Legos. Segundo um estudo de uma professora da Escola Superior de Economia da Rússia, há empresários que preferem investir nas famosas peças da Lego do que …

Sporting vs Moreirense | Bom arranque vale triunfo ao leão

O Sporting não quis deixar fugir os seus adversários directos na luta pelo título e também venceu nesta primeira jornada da segunda volta. Os “leões” receberam e bateram o Moreirense por 2-1, num jogo em …

Alemã tricotou o "cachecol dos atrasos do comboio" e agora vendeu-o por sete mil euros no eBay

A passageira alemã Claudia Weber vendeu no eBay o cachecol que tricotou durante um ano e que representa o longo tempo de espera pelo comboio que a levava ao trabalho, todos os dias. A peça é …

Duas irmãs fingiram ser homens para salvar a barbearia da família

Jyoti e Neha, irmãs de 18 e 16 anos, respetivamente, fingiram ser homens para salvar a barbearia da família, localizada no estado de Uttar Pradesh, Índia, depois de o pai adoecer em 2014 "Eu estava a …

Tesla anuncia novos despedimentos (e são mais de três mil)

O presidente executivo da Tesla afirmou que a empresa vai suprimir cerca de três mil empregos e alertou para o "caminho muito difícil que tem pela frente" para produzir carros elétricos do Modelo 3 acessíveis …

InSight da NASA prepara-se para ouvir a "pulsação" de Marte

A NASA publicou esta semana imagens do sismómetro da sonda espacial InSight, que se prepara para ouvir a "pulsação" do solo marciano.  A agência espacial norte-americana descreve regularmente através da sua conta no Twitter como …

"Africa", dos Toto, vai tocar para sempre no deserto da Namíbia

"Africa", a canção dos "Toto", hit desde que foi lançada, em 1982, está a tocar para sempre no meio de um deserto na Namíbia, no continente que lhe dá nome. A instalação artística, da autoria de …

Liv deixou a escola por causa do bullying. Hoje, aos 20 anos, tem um negócio milionário

A empresária Liv Conlon abandonou os estudos aos 16 anos porque sofria bullying, montou um negócio imobiliário e agora a sua empresa fatura mais de um milhão de libras por ano. Hoje, ajovem de Bothwell, na …

Há um avião abandonado no aeroporto de Madrid (e ninguém sabe quem é o dono)

O avião, um Mc Donnell Douglas MD87, é o único naquelas condições em Barajas. Procura-se o dono da aeronave que está em “evidente estado de abandono”, de acordo com o aeroporto. Há um avião esquecido no …

Trump cancela viagens de democrata Nancy Pelosi. "Apanhe um voo comercial"

Donald Trump obrigou a presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi, a desmarcar as viagens que tinha agendadas a Bruxelas e ao Afeganistão. Donald Trump usou o argumento do shutdown, a paralisação dos gastos …