Descobertas anomalias misteriosas em ossadas humanas do Plistoceno

Erik Trinkaus / National Academy of Sciences

Um antropólogo da Universidade de Washington descobriu “uma abundância de anomalias de desenvolvimentos” em ossadas humanas do Pleistoceno.

No estudo publicado a 5 de novembro na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, Erik Trinkaus, investigador que liderou o projeto, descreveu as suas conclusões acerca dos fósseis encontrados em várias localizações do Médio Oriente e da Euroásia.

O Plistoceno abrange o período entre 2,588 milhões e 11,7 mil anos atrás. Segundo estudos anteriores, trata-se do período em que seres humanos anatomicamente modernos surgiram em África e partiram do continente para dominar novos territórios.

De acordo com o antropólogo, o Plistoceno destaca-se ainda pelo aparecimento de uma ampla variedade de deformações físicas em espécies Homo, entre as quais a nossa — Homo sapiens.

Trinkaus examinou 66 fósseis de até 200 mil anos atrás e identificou uma grande quantidade de alterações anatómicas, tais como distorções de braços e pernas e deformações no crânio e maxilares.

Foram reveladas 75 anomalias, podendo dois terços delas ser encontrados em 1% dos humanos modernos. O investigador defende que as anormalidades surgiram devido a doenças diversas – tais como distúrbios sanguíneos ou hidrocefalia. Para Trinkaus, o número de deformações é demasiado alto para um grupo tão pequeno de fósseis.

O antropólogo sugeriu ainda que o cruzamento sanguíneo ou acasalamento de indivíduos geneticamente semelhantes são as razões prováveis para o desenvolvimento destas deformações.

As ossadas analisadas foram encontradas extremamente bem preservadas, o que pode ser resultado de um cuidado especial no funeral das pessoas deformadas.

ZAP // Sputnik / Phys

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns, os textos estão num português exemplar, cada vez melhores e cada vez mais cuidados. Continuem que vão bem. Não há uma notícia que esteja isenta de erros. É esse o caminho.

    • Caro Vasco,
      Obrigado pelo seu apoio e pelo privilégio da sua visita.
      Estaremos ao seu dispor sempre que puder apontar-nos os erros concretos que cometermos, os quais teremos todo o gosto em corrigir se assim for o caso.

  2. Se a conversa pretende ser português de Portugal, nem uma forma nem a outra estão certas. Essa terminologia é brasileira. Só que os nossos jornalistas, quando traduzem uma notícia, adoptam aquilo que lhes é fornecido pelos Googles e afins: traduções para português do Brasil.
    Em Portugal o termo correto que qualquer entidade científica ou outra utilizam (LNEG, LNEC – na área da Geotecnia -, faculdades e institutos de ciências, empresas de prospecção ou de mineração, enfim sítios onde existam geólogos, engenheiros geólogos, geógrafos – geografia física-, engenheiros de minas, etc… é: Pleistocénico (alguns escrevem Plistocénico). Assim, e ao contrário do que lemos e ouvimos em diversos escritos de imprensa e (em todos os) programas de televisão, temos também: Miocénico (e não Mioceno), Pliocénico, Paleogénico, Holocénico, Neogénico, etc.
    Não estou a discutir se está mais certo ou mais errado. Quanto a isso, sempre se pode argumentar que nós somos 10 milhões (e a baixar) e eles 200 (e a subir)… Mas os termos científicos correctos em Portugal são os terminados em “énico” e não em “eno”.

    • Caro Pedro Lamas,
      O ZAP não usa o Google Tradutor. Quando temos dúvidas acerca da forma como se redige uma expressão em pt_PT correcto, usamos o Dicionário Priberam, que reputamos de bom.
      Sem prejuízo de que a forma mais correcta, ou mais comum no meio académico, possa ser “plistocénico”, o Priberam aponta a forma “plistoceno” como sinónimo de “plistocénico“.
      Curiosamente, não aponta nenhuma grafia pt_BR para a forma “plistoceno”, mas especifica que a forma “plistocénico” tem em pt_BR a grafia “plistocênico”.
      Não fosse o facto de o Pedro ter caído, errada e gratuitamente, na moda de atribuir ao “adoptam aquilo que os Googles dão em brasileiro” a causa de uma imprecisão no nosso texto, não teríamos estado a perder tempo a discutir o que é ou não correcto e em que língua, e que modas seguem os jornalistas, poderíamos ter usado esse tempo para conversar sobre a forma mais correcta de escrever em pt_PT.
      Tendo gasto esse tempo no primeiro assunto e sobrando-nos pouco para o segundo, acabámos por fazer uma pesquisa rápida de “plistoceno” e “plistocénico” filtradas no domínio up.pt.
      O resultado é 17 vs 460 ocorrências.
      A mesma pesquisa filtrada no domínio ul.pt dá 5 vs 259., e no domínio uc.pt dá 9 vs 398.
      Há claramente uma predominância do uso de “plistocénico” no meio académico português (de Portugal).
      Há alguns cientistas portugueses que, tal como alguns jornalistas, usam a forma “plistoceno”.
      Obrigado pelo seu reparo.

RESPONDER

A Ciência descobriu quando nasceu Deus

A ideia de um deus todo-poderoso que vigia os humanos a partir do Céu e pune os que se desviam da norma surgiu depois que estes trocaram a tribo pela sociedade. Essa é a principal conclusão …

Famílias numerosas queixam-se de disparidades no preço da água consumida

A Associação Portuguesa das Famílias Numerosas queixou-se da diferença no preço da água consumida consoante o município onde se vive e o número de pessoas do agregado familiar. Na quarta edição do estudo sobre a água …

Costa condiciona extensão do Brexit para além de 23 de maio à aprovação do acordo

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta quinta-feira que uma extensão do Brexit para além de 23 de maio implica a ratificação do Acordo de Saída pelo Parlamento britânico ou a realização de eleições europeias no …

Ter avós, tios ou primos com Alzheimer influencia risco de desenvolver a doença

Ter avós, tios ou primos com Alzheimer aumenta a probabilidade de desenvolver a doença, concluiu um estudo recente que avaliou a história familiar de mais de 280 mil pessoas. Na última década, vários estudos indicaram a …

Marcelo Rebelo de Sousa promulgou a nova lei da paridade (mas com alguns parêntesis)

O Presidente da República promulgou a nova Lei da Paridade. A lei estabelece que as listas para a Assembleia da República, para o Parlamento Europeu e para as autarquias locais têm de assegurar a representação …

Cientistas descobrem o que provocou três eras glaciais na Terra

Cientistas estadunidenses calcularam que um evento geológico repetido deu origem às três últimas eras glaciais no nosso planeta, a última das quais ainda mantém o seu gelo nas regiões polares. Segundo a revista Science, a responsável …

A Terra pode guardar um Oumuamua no seu interior

Uma parte da terra que pisamos poderia vir, literalmente, de outras regiões da galáxia - áreas muito distantes do local onde o planeta está localizado e que para chegar até aqui teriam que viajar anos-luz …

Há um planeta mais próximo da Terra do que Vénus

A partir do Sol, a ordem dos primeiros planetas começa com Mercúrio, depois Vénus e depois a Terra. Então, Vénus é o planeta mais próximo do nosso? A resposta é: depende. Uma equipa de cientistas acaba …

O fim das consolas está à vista. Google lança serviço de videojogos na "nuvem"

A Google apresentou o seu novo serviço de jogos na "nuvem", Stadia, na Game Developers Conference (GDC), em São Francisco. O serviço não precisa de nenhuma consola e pode ser jogado em qualquer plataforma. O CEO …

Câmaras escondidas em hotéis filmavam hóspedes sem consentimento

O escândalo foi revelado na Coreia do Sul, onde dois homens foram presos por esconder câmaras em hotéis, que transmitiam as imagens em direto para um site, onde havia quem pagasse dinheiro para ver as …