Há um ano e meio em campos de deslocados na Síria, mulheres e crianças começam a ser registadas

Começou em junho uma operação para identificar e registar os deslocados de mais de 60 países mantidos no campo al-Hol, no nordeste da Síria, onde mulheres e crianças que fugiram do califado vivem há mais de um ano e meio.

Segundo uma reportagem do Washington Post, divulgada no domingo, esta operação, que iniciou a 10 de junho sem aviso prévio, tem como finalidade registar os cerca de 14 mil estrangeiros detidos em campos como o al-Hol devido as suspeitas de envolvimento com o Estado Islâmico.

Nessa data, a Administração Autónoma do Norte e Leste da Síria, apoiada pelos Estados Unidos (EUA), informou que havia começado a registar os deslocados, naquele que intitulam como “o campo mais perigoso do mundo”.

Não é certo o que acontecerá às dezenas de milhares de deslocados que permanecem nos campos, abandonados pelos seus governos. No al-Hol, aproximadamente de 30 mil iraquianos vivem numa seção separada do campo. Dentro desse anexo, algumas mulheres ainda estendem a bandeira do Estado Islâmico e impõem as suas medidas disciplinares, revelou o Washington Post.

O futuro destas pessoas foi inicialmente visto como um teste, no qual seria analisado o papel dos seus países de origem para equilibrar as responsabilidades de direitos humanos com preocupações de segurança. Com o passar dos meses, porém, estes casos escaparam da agenda política global.

Para os analistas, a operação de junho parece ser uma tentativa de otimizar a administração do campo, criando uma contabilidade abrangente sobre os moradores. Também pode ser usada para aumentar a pressão sobre os países de origem.

A autoridade liderada pelos curdos no norte da Síria disse que não pode gerir a tarefa sozinha e apelou repetidamente à ação de governos estrangeiros, apontando para uma vaga crescente de ataques das células adormecidas do Estado Islâmico em toda a região, avançou o Washington Post.

Embora alguns países tenham iniciado o processo de repatriamento, como é o caso dos EUA, grande parte da Europa Ocidental ainda não o fez, com as autoridades a apontar como obstáculos as preocupações com a segurança ou as políticas domésticas.

Dentro de al-Hol, as tendas das mulheres são montadas na terra, que se transforma em lama quando chove. As latrinas transbordam, o esgoto vaza para as tendas e cães rondam constantemente o perímetro em busca de comida.

De acordo com os deslocados, dezenas desapareceram do campo. Algumas partiram com contrabandistas, que chegam a cobrar até dezenas de milhares de dólares para levá-las. Outras acabaram em centros de detenção improvisados.

A pesquisadora Vera Mironova, da Universidade de Harvard, mantém contato com dezenas de mulheres dentro do campo. “Muitas pessoas escapam e, quando escapam, não temos nenhum vestígio delas”, contou. “Enquanto os governos não recolherem os seus cidadãos, ou realmente os rastreiam ou essas mulheres podem desaparecer”, acrescentou.

Na manhã de 10 de junho, os grupos de ajuda humanitária que operam no anexo foram informados de que não poderiam entrar por um período de duas semanas, enquanto decorriam os registos. Os grupos disseram que também foram informados de que as famílias receberiam apenas pão e água durante esse período.

A. Rummery / UNHCR

De acordo com as fontes ouvidas pelo Washington Post, os australianos e os canadianos foram registados com recurso a sistemas biométricos fornecidos pela coligação liderada pelos EUA. O mesmo aconteceu com alguns que falavam russo. A coligação indicou que foram feitos 2.900 testes biométricos e recolhidas 8.000 amostras de ADN.

“Algumas dessas mulheres ainda são membros ativos do ISIS [Estado Islâmico], que precisam ser identificadas e removidas do cenário civil”, disse o coronel do exército norte-americano Myles B. Caggins III, porta-voz da coligação. As informações recolhidas, continuou, deveriam ser adicionadas a um banco de dados eletrónico, que podussem ser utilizados pelas autoridades internacionais.

Para os familiares e para os grupos de direitos humanos, questões sobre o papel dessas mulheres no Estado Islâmico deveriam ser determinadas em tribunal, e não presumidas. As mesmas fontes referiram que milhares de crianças agora em campos como o al-Hol ficaram traumatizadas devido à guerra, com pouco acesso à educação. Muitas perderam os pais.

“Os países precisam assumir a responsabilidade pelos seus nacionais presentes nessas instalações de detenção na Síria”, disse Dareen Khalifa, analista sénior do International Crisis Group. “Devem repatriar urgentemente as crianças vulneráveis ​​e investigar a possibilidade de retornar unidades familiares inteiras”.

“Não importa os crimes que os seus pais possam ter cometido”, frisou. “As crianças que estão em campos improvisados ​​no nordeste da Síria são vítimas inocentes do conflito”.

Em entrevistas anteriores ao Washington Post, dezenas de mulheres descreveram que o al-Hol procurava replicar as regra do califado. As suas histórias são complexas. Algumas disseram que viajaram para o califado na crença de que seria um Estado islâmico perfeito, mas ficaram desiludidas com brutalidade e não conseguiram escapar. Outras referiram que ingressaram no grupo na adolescência e não foram capazes de entender a gravidade da sua decisão. Outras ainda que foram coagidas pelos seus parceiros a se juntar ao ISIS.

“Não há vida aqui”, referiu uma holandesa que se identificou como Bint Fatma, indicando que explicou ao filho de cinco anos que provavelmente seriam separados pelas autoridades quando retornassem à Holanda. “Eu preciso prepará-lo”, sublinhou.

O Comité Internacional da Cruz Vermelha pediu na sexta-feira aos países que priorizem o retorno dos seus nacionais. A França anunciou na semana passada o retorno de 10 cidadãos nacionais, entregues às autoridades e agora sob os serviços sociais.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Papa Francisco defende pela primeira vez uniões de facto para casais homossexuais

O Papa Francisco defendeu a regulação do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, afirmando que os homossexuais têm direito a constituir família. "Homossexuais têm o direito de constituir família. São filhos de Deus", defendeu o …

“Uma desgraça completa”. Ex-ministro do PSD arrasa atuação do Ministério da Saúde no combate à pandemia

O antigo governante do PSD Fernando Leal da Costa acusou esta quarta-feira o Ministério da Saúde de “falta de liderança” na gestão da pandemia de covid-19, e falou até de “uma desgraça completa” do ponto …

Ministro defende que investimento nas Forças Armadas “é tão relevante” como na saúde

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, destacou o papel das Forças Armadas no combate à pandemia de covid-19 e defendeu que o investimento público nesta área “é tão relevante” quanto na saúde ou …

Giro. João "Rosa" Almeida segura liderança da geral

O português João Almeida (Deceuninck-QuickStep) manteve esta quarta-feira a liderança da Volta a Itália em bicicleta, numa 17.ª etapa ganha pelo australiano Ben O'Connor (NTT). O'Connor, de 24 anos, cumpriu os 203 quilómetros entre Bassano del …

Investimento público atinge máximo de uma década em 2021

Dados do relatório do Orçamento do Estado mostram que o Governo conta terminar 2020 com um investimento público de 4.884 milhões de euros (75 milhões de euros a menos do que a previsão do Orçamento …

Audições urgentes pedidas pelo PS sobre StayAway Covid são por escrito ou em dezembro

O Parlamento aprovou, esta terça-feira, a audição de entidades e personalidades sobre a obrigatoriedade da aplicação Stayaway Covid, proposta pelo PS, "com caráter de urgência", por escrito ou em dezembro, após o debate do Orçamento …

Taxa de nascimentos de linces no Vale do Guadiana é a mais alta da Península Ibérica

A taxa de nascimentos na população de linces ibéricos no Vale do Guadiana é a mais elevada da Península Ibérica, segundo os resultados dos censos 2019 divulgados hoje pelo Instituto da Conservação da Natureza e …

Pai de aluna teria ligações ao assassino do professor decapitado em França

Os investigadores encontraram uma possível ligação entre o assassino do professor francês Samuel Paty, decapitado em Paris, e o pai de uma aluna. Em declarações à AFP, citadas pelo Diário de Notícias, uma fonte próxima do …

Nove anos de prisão efetiva para a mãe que abandonou bebé no contentor do lixo

A mulher que abandonou o filho recém-nascido num caixote do lixo na zona de Santa Apolónia, em Lisboa, em novembro de 2019, foi esta quarta-feira condenada a nove anos de prisão efetiva, por tentativa de …

Mais 16 mortes e 2.535 novos casos. País vive "momento grande preocupação"

Portugal contabiliza esta quarta-feira mais 16 mortos relacionados com a covid-19 e 2.535 casos confirmados de infeção com o novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o boletim hoje …