Animais estão a ficar notívagos (e nós somos os culpados)

kohlmann.sascha / Flickr

Os mamíferos que vivem em zonas onde a presença humana é maior estão a mudar drasticamente os seus hábitos. Esta é a conclusão de um estudo publicado na revista Science, esta quinta-feira.

Os animais selvagens têm medo dos seres humanos e alteram os seus comportamentos de modo a evitar encontros. No entanto, essas mudanças têm efeitos na demografia, fisiologia e cadeias alimentares de que fazem parte.

Os ecossistemas de 75% do planeta foram alterados pelos humanos e os maiores afetados são as espécies selvagens que perdem terreno, ao ponto de algumas já terem desaparecido, avança o Diário de Notícias.

De acordo com um estudo publicado recentemente na Science, os mamíferos estão a tornar-se mais notívagos sempre que há humanos por perto. Esta é uma tendência que se está a verificar em todos os continentes, mas as consequências para os animais são ainda uma incógnita.

A equipa, liderada por Kaitlyn Gaynor, da Universidade de Berkeley, nos Estados Unidos, mostra que um total de 62 espécies de mamíferos está a mudar os seus padrões de forma significativa, adotando os períodos da noite para as suas atividade de alimentação, por exemplo, em ambientes onde a proximidade dos seres humanos é maior.

Os investigadores analisaram 76 estudos relativos a estas 62 espécies, que tinham monitorizado os padrões de geolocalização e câmaras fotográficas ativadas pelo movimento dos animais.

Posteriormente, avaliaram os comportamentos dos animais em zonas com e sem a presença dos humanos. Assim, descobriram que nos locais onde a presença humana é maior, os animais levam uma vida notívaga significativamente maior do que os seus companheiros de espécie que vivem em zonas com pouca influência humana.

A explicação, dizem os cientistas, é o medo. “Em sítios onde ambos coexistem como nos arredores das cidades, os animais selvagens podem minimizar o risco de se cruzarem com humanos fazendo uma separação temporal, como esta, em vez de espacial”, escrevem os autores do artigo científico.

Isto significa que os animais ficam mais ativos no período da noite, para evitarem encontros com humanos, sustenta o jornal.

As consequências da transformação dos hábitos destas espécies são ainda desconhecidas. No entanto, este é apenas o mote para estudos futuros, que nos darão pistas para novas estratégias de conservação destes mamíferos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Tusk aceitou pedido de adiamento do Brexit (mas com uma condição)

O presidente do Conselho Europeu condicionou uma "curta extensão" do 'Brexit' a uma "votação positiva" do Acordo de Saída, mas reconheceu que a esperança de um desfecho bem-sucedido parece cada vez mais ilusória. “À luz das …

ADN num cachimbo com 200 anos revela detalhes da vida de uma escrava

Um grupo de arqueólogos e geneticistas dos Estados Unidos mostrou que um fragmento partido de um cachimbo encontrado numa plantação de tabaco pode ser um testemunho substancial da história e da antropologia do século XIX. O …

Professora que revelou o que ia sair no exame de Português vai ser demitida

A professora, que foi presidente da Associação de Professores de Português, que em 2017 divulgou o conteúdo do exame de Português foi demitida pelo Ministério da Educação. Edviges Ferreira foi considerada culpada por ter partilhado o …

Asteróide passa esta sexta-feira entre a Terra e a Lua

Um asteróide de grandes dimensões, recentemente descoberto, voará esta semana a uma distância relativamente próxima da Terra, avança o o Centro de Estudos de Objetos Próximo da Terra da agência espacial norte-americana. O asteróide, designado como …

A Física diz que nunca tocamos realmente num objeto

Se está, neste momento, com o telemóvel na mão ou a tocar no seu computador para conseguir ler esta notícia, desengane-se: segundo a Física, não está a tocar em nada. Tudo o que conseguimos ver, tocar …

Se os buracos negros o confundem, prepare-se para os buracos brancos

Os buracos negros podem ser o mistério mais atraente do Universo, mas não são o único tipo de "buraco" no Espaço. Os buracos negros atraem a atenção de muitos amantes de astronomia por serem tão misteriosos. …

MySpace perdeu 12 anos de músicas, fotografias e vídeos

A rede social MySpace anunciou que perdeu todas as músicas, fotografias e vídeos com mais de três anos. A perda de conteúdo deveu-se a uma falha na migração de servidor. O MySpace, outrora uma das maiores …

Pela primeira vez uma mulher vence o prémio Abel, o "Nobel" da matemática

A matemática pioneira Karen Uhlenbeck, antiga professora da Universidade do Texas, em Austin (Estados Unidos), recebeu o Prémio Abel de 2019, tornando-se a primeira mulher a receber a distinção, uma das mais ilustres na área. A …

Após 65 anos, diário revela romance entre rei belga e a madrasta

O rei Balduíno da Bélgica terá mantido uma relação secreta com a madrasta, a princesa Lilian, segunda esposa do seu pai, Leopoldo III. A revelação foi feita 65 anos depois, através dos diários do ex-primeiro-ministro …

Estudo revela que consumo diário de canábis aumenta risco de psicose

O consumo diário de canábis, sobretudo de elevada potência, está fortemente ligado ao risco de desenvolver uma psicose, conclui um estudo, que analisou pessoas em 11 locais da Europa e um no Brasil. Vários estudos observacionais …