Anéis de Saturno podem ser bem mais jovens do que se imaginava

NASA/JPL/SSI

Imagem dos anéis de Saturno, pela sonda Cassini

Os anéis de Saturno podem ser mais jovens do que se imaginava, pelo menos em termos astronómicos, segundo dados enviados pela Sonda Cassini, da Agência Espacial Norte Americana.

Dados enviados pela sonda Cassini sugerem que os círculos que rodeiam o sexto planeta do Sistema Solar podem ter sido formados há “apenas” 100 milhões de anos. “Apenas”, porque Saturno formou-se há 4,6 mil milhões de anos, com uma idade semelhante à da Terra.

A sonda Cassini vai ainda fazer outros dois voos mais próximos do planeta antes de um mergulho “suicida” na atmosfera de Saturno, a acontecer no dia 15.

A sonda está quase sem combustível e será destruída antes que o comando da missão perca o controle sobre ela – o objetivo é evitar que a sonda choque contra alguma das luas de Saturno e cause contaminações em ambientes capazes de abrigar formas microbiais de vida.

As aproximações “rasantes” da Cassini eram impensáveis quando a sonda chegou a Saturno, há 13 anos, mas o fim da missão principal agora permite que a sonda desbrave a região entre a atmosfera de Saturno e as centenas de anéis.

A sonda está a enviar informações preciosas, como um mapa do campo gravitacional do planeta e a analisar a massa dos anéis, que pode revelar novidades sobre a sua formação.

Quanto maior for a massa, mais velhos tendem a ser os anéis. Alguns cientistas acreditam que os anéis podem ter sido formados ao mesmo tempo que o planeta. Precisariam de muita massa para resistir à erosão de forças como colisões com meteoritos.

Mas parece que não é bem assim: a massa dos anéis aparenta ser menor do que o estimado anteriormente. E, se isso se confirmar, os anéis podem ser resquícios de algum corpo celeste que se desmanchou em volta do planeta num passado recente.

“No caso de anéis mais jovens, seria necessário um cometa ou mesmo uma lua a chegar muito perto de Saturno e quebar-se pela gravidade do planeta. Os detritos, então, formariam os anéis”, explica à BBC Linda Spilker, cientista da Missão Cassini.

“Talvez isso tenha acontecido mais do que uma vez e as diferenças que vemos nos anéis venham de diferentes objetos partidos. Mas se os anéis tiveram menos massa, não teriam sobrevivido ao bombardeio de micro-meteoros que estimamos ter ocorrido desde a formação de Saturno”.

Spilker, no entanto, alerta para o facto de que a análise dos dados está apenas na fase inicial. A Cassini fará as últimas imagens de Saturno no dia 14, incluindo fotos das luas Titã e Enceladus, a misteriosa nuvem hexagonal no polo norte do planeta, e a pequena lua Peggy, no meio dos anéis.

A partir daí, a sonda será reconfigurada para o mergulho na atmosfera do planeta, incluindo a calibração de instrumentos que podem captar as últimas informações antes do corpo derreter e se despedaçar enquanto viaja a 120 mil quilómetros por hora. O comando da missão saberá que a Cassini foi destruída quando houver a perda de contacto por rádio – prevista para as 12:54 (hora de Lisboa).

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas descobriram o ponto fraco dos tardígrados

Os tardígrados, também chamados ursos de água, são conhecidos pela sua resistência. Mas um novo estudo revela agora que estes pequenos organismos também têm um ponto fraco: exposição de longo prazo a altas temperaturas. Em 2018, …

Detetadas "partículas fantasmagóricas" que o Modelo Padrão não pode explicar

O observatório IceCube, localizado no Pólo Sul, revelou que a Antena Antena Antártida de Impulso Transitivo (ANITA) detetou alguns "sinais muito estranhos" que "não pode ser explicados" pelo Modelo Padrão da Física. O projeto ANITA, …

Descoberto primeiro asteróide que se move apenas dentro da órbita de Vénus

Uma rede de telescópios robóticos operados à distância observou um asteróide que, além de ser o asteróide mais próximo do Sol, é também o primeiro asteróide descoberto que se move completamente dentro da órbita de …

Mark Zuckerberg tem medo do TikTok (e já se sabe porquê)

Mark Zuckerberg já deixou claro, mais do que uma vez, que não gosta do TikTok. No entanto, agora sabemos o que está por trás desta hostilidade pelo rival: a aplicação está a crescer muito, mesmo …

A empresa mãe da Google já vale um bilião de dólares

Esta quinta-feira, a Alphabet, empresa mãe da Google, conseguiu uma cotação na bolsa de 1 bilião de dólares, cerca de 900 mil milhões de euros. A Alphabet tornou-se, esta quinta-feira, a quarta empresa norte-americana a conseguir …

Cientistas criam "cimento vivo" capaz de se "curar"

Uma equipa de cientistas dos Estados Unidos criou um "cimento vivo" juntando areia e bactérias num material de construção capaz de se auto-reproduzir, de absorver dióxido de carbono e manter a resistência. "Já usamos materiais biológicos …

Sporting 0-2 Benfica | Águia vence dérbi e foge na frente

O Benfica foi o grande vencedor do dérbi lisboeta. Na visita ao Sporting, os “encarnados” marcaram dois golos sem resposta, ambos na segunda parte, por Rafa Silva, entrado no decorrer da segunda parte, após ter …

Um em cada seis homens é vítima de abuso sexual antes dos 18 anos

Um em cada seis homens é vítima de abuso sexual antes dos 18 anos e podem levam décadas até pedir ajuda, por nem sempre aceitarem e entenderem que sofreram violência sexual. Na maior parte dos …

"Messiah", da Netflix, reacende controvérsia sobre os limites da liberdade de expressão

A série Messiah, disponível na plataforma de streaming Netflix, acende a controvérsia em torno dos limites da liberdade de expressão e da criatividade no mundo das artes e do entretenimento. Messiah, uma série produzida por Michael …

Quadro encontrado por jardineiro era mesmo a obra desaparecida de Klimt

Em 1997, Retrato de uma Senhora desapareceu da Galeria de Arte Moderna Ricci Oddi, em Piacenza. Em dezembro, o quadro foi descoberto. Estava escondido numa parede da instituição. O quadro encontrado em dezembro, escondido na reentrância …