O Andar Pateta dos Monty Python é exatamente 6,7 vezes mais pateta do que o andar normal

Há 50 anos foi emitido pela primeira vez, na BBC One, “O Ministério do Andar Pateta”, um dos mais famosos sketches dos Monty Python. A sátira televisiva ridicularizava a ineficiência da burocracia governamental.

A sátira começava com um ministro, interpretado por John Cleese, a caminhar de uma forma bastante incomum para o trabalho, o Ministério do Andar Pateta, onde o Sr. Pudey (Michael Palin) estava à sua espera. Pudey pretendia pedir um subsídio do governo para desenvolver o seu próprio andar pateta.

O andar pateta de Cleese e Palin tornou-se uma das mais icónicas imagens dos Monty Python, talvez atrás apenas de um certo papagaio norueguês azul que tinha deixado de o ser.

50 anos depois, no espírito do humor dos Monty Python e para questionar o atual sistema de publicação de artigos científicos, uma equipa de investigadores do Dartmouth College fez agora uma análise científica do famoso Silly Walk, e concluiu que o andar pateta do ministro é 6,7 vezes mais variável do que uma caminhada normal.

Os resultados foram publicados em fevereiro na revista científica Gait & Posture.

Embora a caminhada do Sr. Pudey tenha sido considerada apenas 3,3 vezes mais variável do que o andar normal, a equipa de cientistas concordou com a decisão do ministro de que, na sátira, tinha um andar pateta tão promissor que merecia a bolsa que tanto queria.

A equipa aproveitou este estudo para comparar a ineficiência burocrática satirizada pelo grupo Monty Python com o processo de revisão pelos pares associado à investigação académica nas ciências da saúde, principalmente quando quando está em causa um pedido de financiamento.

A inscrição para um subsídio federal consome muito tempo e pode demorar meses de preparação. Uma inscrição pode exigir uma proposta de 150 páginas seguida de uma revisão por um painel de investigadores.

Os protocolos de revisão pelos pares exigem que os participantes do painel cheguem a um consenso de, pelo menos, 75% para aprovar uma proposta.

Por outro lado, a equipa de Dartmouth referiu também, em comunicado, a forma como o Conselho Nacional de Pesquisa Médica em Saúde da Austrália foi pioneiro num processo simplificado de solicitação de subsídios em 2013, que resultou numa poupança estimada de 2,1 a 4,9 milhões por ano em 2015.

“O processo de pesquisa de revisão pelo pares tornou-se bastante pesado”, explica Nathaniel J. Dominy, professor de Antropologia Charles Hansen, co-autor do estudo com Erin E. Butler. “Se o processo fosse simplificado e as doações fossem concedidas mais rapidamente, os cientistas poderiam começar o seu trabalho mais cedo, acelerando o cronograma da pesquisa”.

“Da mesma forma, os administradores de doações recuperariam tempo e dinheiro, o que potencialmente poderia libertar mais dinheiro para o financiamento da investigação”, conclui o cientista.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Marinha dos EUA está a desenvolver drones para matar ovos em ninhos de pássaros selvagens

A Marinha norte-americana e a empresa Hitron Technologies uniram esforços para desenvolver um drone autónomo projetado especificamente para procurar e destruir o maior inimigo da Marinha: os pássaros. Os drones, que estão já a ser testados …

Cientistas criam hologramas que se movem pelo ar

Uma equipa de cientistas da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, conseguiu desenvolver um holograma que projeta imagens em movimento. Se é fã de Star Treck, ficará impressionado com a mais recente inovação. Um grupo de …

Gangue detido por falsificar a especiaria mais cara do mundo

As autoridades espanholas detiveram um gangue que fazia milhões de euros por ano a falsificar a especiaria mais cara do mundo: o açafrão. Os 17 membros da quadrilha foram detidos na região de Castela-Mancha. Os criminosos …

Santuário medieval recebe escultura em pedra que usa máscara contra a covid-19

Uma catedral histórica do Reino Unido renovou um santuário do século XIV, acrescentando um detalhe que coloca em evidência o momento pandémico que o mundo vive. Agora, a nova escultura está a usar uma máscara …

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …