Amnistia acusa regime sírio e Rússia de “crimes de guerra”

FreedomHouse / Flickr

Bombardeamento em Aleppo, na Síria

A Amnistia Internacional acusou esta segunda-feira o regime sírio e o aliado russo de “crimes de guerra” depois de documentar 18 ataques no ano passado contra escolas e centros médicos no noroeste da Síria.

Esta região onde está localizada a província de Idlib, o último grande bastião jihadista e rebelde do país em guerra, beneficia de um cessar-fogo desde o início de março, após vários meses de uma ofensiva mortal do regime apoiada pela aviação de Moscovo, como lembrou a agência Lusa.

A operação relançada em dezembro, acompanhada por ataques aéreos quase diários, causou quase um milhão de deslocados, mas também quase 500 mortes entre civis, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, uma organização não-governamental (ONG) sediada em Londres, que denuncia as ações do regime sírio de Bashar al-Assad.

Entre 05 de maio de 2019 e 25 de fevereiro de 2020, a Amnistia Internacional alega ter documentado 18 ataques a instalações médicas e escolas, realizados por Bashar al-Assad ou pelas forças russas.

“As provas mostram que, como um todo, os ataques documentados pelas forças do Governo sírio e russo envolvem uma miríade de violações sérias do direito internacional humanitário”, denunciou a Amnistia. “Essas violações são equivalentes a crimes de guerra”, acrescentou a organização, também ela sediada em Londres.

A ONG acusou o regime e as forças russas de “direcionarem intencionalmente ataques contra civis e infraestrutura civil, como hospitais e escolas”.

A maioria dos ataques, contra Idlib, mas também em territórios nas províncias vizinhas de Aleppo ou Hama, ocorreu em janeiro e fevereiro de 2020, informou a Amnistia.

A ONG refere-se a bombardeios aéreos russos perto de um hospital na cidade de Ariha, a 29 de janeiro, que destruíram pelo menos dois prédios residenciais e mataram 11 civis.

A Amnistia acusou o regime de atacar uma escola na cidade de Idlib a 25 de fevereiro com munições proibidas pelo direito internacional, que resultaram na morte de três pessoas.

“A última ofensiva perpetuou um padrão hediondo de ataques generalizados e sistemáticos, cujo objetivo é aterrorizar a população civil”, salientou a diretora regional da Amnistia Heba Morayef, citado no comunicado.

“A Rússia continuou a fornecer inestimável apoio militar [ao regime] – nomeadamente através de ataques aéreos ilegais”, apoio que “facilita” os “crimes de guerra e crimes contra a humanidade cometidos pelas forças armadas sírias”, acrescentou.

Na região de Idlib vivem três milhões de pessoas, metade das quais já tinham fugido de outras regiões entretanto recuperadas pelo regime sírio. A guerra na Síria, que começou em 2011 com a repressão dos protestos pró-democracia, causou mais de 380 mil mortos e milhões de deslocados.

  Lusa //

PARTILHAR

RESPONDER

Pessoas a explorar o mapa 3D mais detalhado do Universo com realidade virtual

Google Earth do Espaço. Já é possível navegar pelo mapa mais detalhado do Universo

Investigadores da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, lançaram este mês um software de código aberto que permite visitas virtuais ao Espaço. O Virtual Reality Universe Project (VIRUP) utiliza o maior conjunto de dados do …

Otamendi e Vertonghen disputam a bola com Lewandowski

Benfica 0-4 Bayern | Primeiro a ilusão, depois o rolo bávaro

A ilusão durou 70 minutos. Ao longo de toda a partida, o Bayern foi melhor, criou inúmeros lances de golo, viu dois anulados, acertou no ferro, Vlachodimos fez defesas importantes, mas o Benfica deu luta, …

China quer punir pais de crianças mal-educadas

O regime chinês está a analisar um projeto de lei que prevê que os pais possam ser punidos se os seus filhos exibirem um mau comportamento ou cometerem crimes. De acordo com a agência Reuters, o …

Rui Moreira com Francisco Rodrigues dos Santos e Carlos Moedas

Rui Moreira promete manter a "identidade do Porto" e concluir os projetos que a pandemia atrasou

O presidente da Câmara Municipal do Porto tomou posse, esta quarta-feira, e comprometeu-se a "tudo fazer" para manter a identidade do Porto e a concluir os projetos que a pandemia atrasou. "Quero concluir os projetos que …

Já há um medicamento para tratar a covid-19 em casa (e vários países assinaram acordos de compra)

Países asiáticos já estão na luta pelo novo comprimido antiviral, cujo uso ainda nem sequer foi autorizado, contra a covid-19. Países da região asiática estão já a fazer encomendas da mais recente arma contra a covid-19: …

A Facebook vai implementar uma nova estratégia e o nome vai ser das primeiras coisas a mudar

As últimas semanas têm sido tumultuosas para a empresa de Mark Zuckerberg, que se viu confrontada com os testemunhos de antigos trabalhadores no Senado norte-americano. As notícias da última semana que resultaram do testemunho, no Senado …

Cadetes da Escola Naval investigados por alegados comportamentos abusivos

A Marinha está a investigar uma denúncia sobre alegados comportamentos abusivos entre cadetes da Escola Naval. "A Marinha informa que hoje, 19 de outubro, teve conhecimento de uma denúncia sobre alegados comportamentos abusivos praticados entre cadetes …

Índia. "Montanha de lixo" que garante sobrevivência de pobres será substituída por estação de tratamento

As "montanhas de lixo" das cidades da Índia em breve serão substituídas por estações de tratamento de detritos. A maior de todas — equivalente a um prédio de 18 andares — garante a sobrevivência de …

Candidatura de Nuno Melo acusa direção de não facultar cadernos eleitorais e de sanear senadores

A candidatura de Nuno Melo à liderança do CDS-PP acusou, esta quarta-feira, os opositores de não facultarem os cadernos eleitorais nem possibilitarem a fiscalização da eleição de delegados ao congresso, apontando também a substituição de …

Bolsonaro acusado de nove crimes pela comissão de inquérito sobre gestão da pandemia

O relatório apresentado, esta quarta-feira, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado brasileiro pede o indiciamento do Presidente por nove crimes durante a pandemia de covid-19. No texto, com mais de 1200 páginas, pede-se que …