As amêndoas eram mortais. Mas mudaram (e já se sabe porquê)

Uma equipa de investigadores de Espanha, Suíça, Dinamarca e Itália encontrou a diferença genética entre as amêndoas silvestres amargas e as doces domesticadas.

No seu artigo publicado na revista Science, o grupo descreve como sequenciaram o genoma da amêndoa e compararam secções em variedades amargas e doces até encontrarem a sequência que era diferente.

As amêndoas ocupam um lugar na dieta humana há milhares de anos, antes mesmo de serem cultivadas e adoçadas. Passagens na Bíblia, por exemplo, observam o amargura da amêndoa.

A maioria das amêndoas produzidas hoje é naturalmente saborosa e segura para se comer. Naquela época, porém, muitas eram amargos e venenosos. Mesmo hoje, consumir 50 – ou menos – amêndoas amargas e selvagens pode matar um adulto e apenas um punhado contém cianeto suficiente para ser letal para uma criança.

Eventualmente, porém, a menção foi feita nos primeiros escritos de criadores gregos inserindo pedaços de pinheiro nos troncos de amendoeiras, resultando em frutas mais doces.  Acredita-se agora que isto stressou as árvores, impedindo-as de produzir amigdalina – a toxina responsável pelo sabor amargo. Nesse novo esforço, os cientistas procuraram descobrir as diferenças genéticas entre amêndoas amargas e doces.

O trabalho da equipa envolveu o sequenciamento do genoma da amêndoa e o estudo das diferenças entre as variedades para determinar que parte do genoma era responsável pela produção da amigdalina. Os investigadores acabaram por estudar e comparar as diferentes variedades ao longo de dois anos.

Eventualmente, encontraram o que estavam à procura: uma proteína chamada bHLH2. Descobriram que, em amendoeiras silvestres, o bHLH2 liga-se a dois genes, instigando a produção de amigdalina. Em variedades domésticas doces, existe uma mutação da bHLH2 que não consegue ligar-se aos genes, por isso, a produção de amigdalina não ocorre.

“Amêndoas silvestres são amargas e letais, mesmo em pequenas quantidades, por cause dessa amigdalina “, disse o co-autor do estudo, Stefano Pavan, professor de genética agrícola e melhoramento de plantas na Universidade de Bari, ao NPR.

Hoje, muitas pessoas nunca ouviram falar de amêndoas venenosas, muito menos de encontrar uma em estado selvagem – embora algumas pessoas ainda comam amêndoas amargas em pequenas doses. Na Tunísia, por exemplo, as pessoas ainda fazem xarope de orgeat com amêndoas amargas.

Produzir e vender amêndoas é um grande negócio. Estatísticas recentes mostram que apenas a Califórnia exportou aproximadamente 1.06 mil milhões de quilogramas no ano passado. Os cientistas acreditam que as suas descobertas ajudarão os produtores de amêndoas a tornarem-se mais eficientes.

Atualmente, a natureza às vezes interfere nos esforços de cultivo humano, permitindo que algumas amendoeiras cresçam com a versão selvagem de bHLH2 – mas os agricultores não são capazes de identificá-las até que produzam frutos. Agora, podem testá-las assim que surgirem para identificar aquelas que eventualmente produzirão amêndoas amargas.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A linguagem de Benoit está a morrer. O senegalês quer salvá-la através da música

O senegalês Benoit Fader Keita está a usar o poder da música para salvar a sua linguagem, ménik, que tem apenas 3 mil falantes e está em risco de extinção. Benoit Fader Keita nasceu no Senegal …

Doença cerebral misteriosa intriga médicos no Canadá

 A doença misteriosa foi identificada, pela primeira vez, em 2015, num doente considerado um "caso isolado e atípico". Há quase dois anos, Roger Ellis desmaiou depois de ter tido uma convulsão durante o 40.º aniversário de …

Estudo sugere que há quatro tipos de Alzheimer

Uma equipa de investigadores sugere que há quatro tipos da doença de Alzheimer, que atacam diferentes zonas do cérebro e têm sintomas distintos. Um novo estudo sugere que o Alzheimer é uma doença bem mais complexa …

Jovens tentam salvar vidas na Índia através do Youtube. Plataforma elimina vídeos por serem "perigosos"

A Índia continua a debater-se com a grave crise sanitária desencadeada pela covid-19. Jovens indianos publicaram no Youtube vídeos a produzir oxigénio em casa, usando processos químicos ensinados nas escolas. A plataforma eliminou-os. De acordo com …

Shuvuuia era um dinossauro do tamanho de uma galinha, que caçava às escuras

Os investigadores descobriram que Shuvuuia, um pequeno dinossauro do tamanho de uma galinha, tinha uma excelente audição e visão noturna, que lhe permitiam caçar de noite. São poucas as aves que têm aquilo que é preciso …

Na China, é ilegal pedir comida em excesso nos restaurantes

A China aprovou uma lei anti-desperdício de alimentos que proíbe clientes de restaurantes de pedirem mais do que precisam, uma legislação abrangente pode prejudicar a experiência de comer fora de casa. A lei, que entrou em …

Sindicato de pilotos denuncia pedidos da TAP para voos em folga

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) denunciou pedidos da Transportadora Aérea Portuguesa (TAP) para que alguns trabalhadores efetuem voos em dias de folga, ao mesmo tempo que afirma ter pilotos em excesso. Num email …

Bayern Munique 'festeja' nono título consecutivo com goleada

O Bayern Munique coroou este sábado o seu nono título consecutivo na Liga alemã de futebol com uma goleada no triunfo diante do Borussia Moenchengladbach (6-0), num jogo com um hat-trick de Lewandowski. Antes de pisar …

A piscina infinita mais alta do mundo fica no Dubai

Haverá poucas coisas tão libertadoras como dar um mergulho numa piscina infinita com vista para o oceano. Agora, quem visitar o Dubai poderá fazê-lo numa piscina a quase 300 metros acima do nível do mar. Segundo …

"Polskie Babcie", as avós que lutam pela democracia na Polónia

Um grupo de idosas polacas organiza protestos, todas as semanas, para lutar pela democracia no país, governado pelo partido de direita nacional-conservador e democrata-cristão Lei e Justiça (PiS). É hora de ponta em Varsóvia, capital da …