A Amazónia era um verdadeiro “supermercado pré-histórico” há 2 mil anos

São mais de 500 grandes figuras geométricas e as primeiras foram descobertas na Amazónia há 40 anos. Mas se os chamados geóglifos continuam a ser um grande enigma para os cientistas, o novelo do mistério começa a desenrolar-se e pode reescrever a história da Amazónia.

Estes geóglifos, como são conhecidos, ficaram escondidos durante séculos, debaixo da densa floresta tropical. Mas, graças à desflorestação que afecta Estados como o Acre, o Amazonas e a Rondónia, foi possível descobri-los a partir do ar.

As primeiras amostras foram detectadas em 1977 por um professor brasileiro. Mais recentemente, e graças ao uso de drones, foi possível concluir que existem em grande número, nomeadamente no Acre, onde a investigadora britânica Jennifer Watling identificou mais de 400.

Estamos a falar de trincheiras ou buracos escavados na terra, em forma circular ou quadrada, que terão sido desenhados há cerca de 2 mil anos e que teriam um propósito ritual ainda não totalmente esclarecido.

Muito antes de os europeus  chegarem…

O enigma em torno destes geóglifos persistiu durante muitos anos, mas finalmente, a ciência começa a desenrolar o novelo do mistério, como atesta um novo estudo publicado no jornal Proceedings of the National Academy of Sciences.

Esta pesquisa contraria a ideia de que as florestas amazónicas foram “ecossistemas intocados”, até portugueses e espanhóis terem chegado à região no Século XVI, diz Jennifer Watling, citada pelo Phys.org.

A investigadora nota que os povos indígenas que viviam na zona, há mais de 2 mil de anos, e que terão construído os misteriosos geóglifos, já interferiam na floresta, fazendo uma gestão sustentável da mesma.

Recorrendo às tecnologias mais inovadoras da actualidade, nomeadamente à análise de isótopos estáveis de carbono em componentes químicos, os investigadores conseguiram reconstruir 6 mil anos de história da vegetação, bem como o historial dos incêndios, em torno de dois locais onde se descobriram geóglifos.

Assim, concluíram que “florestas de bambu dominaram a região durante mais de 6 mil anos e que apenas pequenas clareiras temporárias eram feitas para construir os geóglifos”, “dentro de uma floresta antropogénica que vinha sendo gerida activamente, ao longo de milénios”, apontam os autores no artigo científico.

“Supermercado pré-histórico” de produtos florestais

Estes povos indígenas terão alterado de forma significativa a paisagem, mas sem proceder à “desflorestação alargada”, apostando antes na “exploração de produtos florestais”, acrescentam os investigadores.

“Em vez de queimarem grandes extractos de floresta – seja para a construção de geóglifos, seja para práticas agrícolas -, as pessoas transformavam o seu ambiente concentrando-se em espécies de árvores economicamente valiosas, tais como palmeiras, criando um tipo de “supermercado pré-histórico” de produtos florestais úteis“.

Mas esta ideia de que “as florestas amazónicas foram geridas pelos povos indígenas, muito antes do contacto com europeus, não deve ser citada como justificação para o uso insustentável e destrutivo da terra” como se pratica hoje em dia, diz Jennifer Watling.

Pelo contrário, estas provas devem servir para sublinhar “a importância do conhecimento indígena para encontrar alternativas mais sustentáveis para o uso da terra”, diz a investigadora.

Este conhecimento do passado da Amazónia e da forma como a intervenção humana modificou a sua paisagem é importante para a sua conservação futura, realçam os investigadores de Universidades brasileiras e britânicas envolvidos neste estudo.

E “se as florestas da região foram limpas intensivamente para a construção de geóglifos e para uso, isto pode implicar que as florestas de terra firme são mais resistentes aos impactos humanos do que previamente se pensava”, concluem os cientistas.

SV, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. ZAP…
    Desculpem… mas deve haver um erro aqui: “… povos indígenas que viviam na zona, há mais de 2 milhões de anos…”… em vez de milhões deve ser milhares… pois a nossa espécie não tem nem 1 milhão de anos de existência neste planeta… e teria que ter ainda muito menos por essas partes do mundo…

    • Caro PauloSR,
      Tem toda a razão, a humanidade (ou o que tal se possa chamar) existe há apenas 8 mil anos.
      A referencia a 2 mil anos no título está correcta, os 2 milhões do texto estão obviamente errados. Está corrigido, obrigado pelo seu reparo.

      • ZAP:
        Caro ZAP, “a humanidade (ou o que tal se possa chamar) existe há apenas 8 mil anos”?!
        Apenas posso supor que estava com sono quando fez essa afirmação…

RESPONDER

Morreu Rogério "Pipi", histórico jogador do Benfica

O ex-futebolista internacional português, que se evidenciou ao serviço do Benfica nas décadas de 40 e 50 do século passado, morreu este domingo, um dia depois de completar 97 anos. "Foi com profunda tristeza e pesar …

Milhares de manifestantes voltam às ruas de Hong Kong

A polícia de Hong Kong deteve, este domingo, onze pessoas e apreendeu várias armas, incluindo uma pistola, pouco antes do início de uma manifestação convocada para a cidade, para a qual se espera uma forte …

Irão e Estados Unidos trocam prisioneiros

Irão e Estados Unidos realizaram, este sábado, uma troca de prisioneiros que envolveu a troca de um investigador sino-americano por um cientista iraniano detido pelos EUA, num avanço diplomático que surge após meses de tensão …

Coreia do Norte anuncia "teste muito importante" em local de lançamento de mísseis

A Coreia do Norte anunciou ter realizado um "teste muito importante" no local de lançamento de mísseis de longo alcance, defendendo que terá um efeito fundamental na futura posição estratégica do país. A Agência Central de …

Balas que assassinaram John F. Kennedy preservadas em modelo 3D

A partir do próximo ano, os Arquivos Nacionais dos Estados Unidos vão disponibilizar, no seu catálogo online, imagens 3D das balas que assassinaram o antigo presidente norte-americano John F. Kennedy. Para criar os modelos das …

Pela primeira vez, neurónios artificiais foram criados para curar doenças crónicas

Uma equipa de investigadores conseguiu recriar as propriedades biológicas dos neurónios em chips, que podem ser úteis ajudar na cura de doenças neurológicas crónicas. Naquele considerado um feito única na ciência, investigadores da Universidade de Bath …

Cientistas encontram uma relação negativa "muito forte" entre inteligência e religiosidade

Uma equipa de investigadores sugere que pessoas religiosas tendem a ser menos inteligentes do que pessoas sem crenças religiosas. O estudo tem gerado uma grande controvérsia. A religião é um tema forte, capaz de juntar ou …

Descoberta nova espécie de tubarão pré-histórico que podia chegar aos sete metros

Uma nova espécie de tubarão pré-histórico foi descoberta no Kansas, nos Estados Unidos. Este predador podia crescer até quase sete metros de comprimento. De acordo com a revista Newsweek, Kenshu Shimada, da Universidade DePaul, e Michael …

Conhecido medicamento para diabetes pode conter um carcinógeno

A Food and Drug Administration, agência federal e reguladora do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, está a testar amostras de metformina, um medicamento para diabetes que pode conter o carcinógeno N-Nitrosodimetilamina …

Nobel da Física diz que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra

Didier Queloz disse, este sábado, estar convencido de que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra, razão pela qual está "zangado" com alguns argumentos do cofundador da Tesla, Elon Musk. Os suíços …