A Amazónia era um verdadeiro “supermercado pré-histórico” há 2 mil anos

São mais de 500 grandes figuras geométricas e as primeiras foram descobertas na Amazónia há 40 anos. Mas se os chamados geóglifos continuam a ser um grande enigma para os cientistas, o novelo do mistério começa a desenrolar-se e pode reescrever a história da Amazónia.

Estes geóglifos, como são conhecidos, ficaram escondidos durante séculos, debaixo da densa floresta tropical. Mas, graças à desflorestação que afecta Estados como o Acre, o Amazonas e a Rondónia, foi possível descobri-los a partir do ar.

As primeiras amostras foram detectadas em 1977 por um professor brasileiro. Mais recentemente, e graças ao uso de drones, foi possível concluir que existem em grande número, nomeadamente no Acre, onde a investigadora britânica Jennifer Watling identificou mais de 400.

Estamos a falar de trincheiras ou buracos escavados na terra, em forma circular ou quadrada, que terão sido desenhados há cerca de 2 mil anos e que teriam um propósito ritual ainda não totalmente esclarecido.

Muito antes de os europeus  chegarem…

O enigma em torno destes geóglifos persistiu durante muitos anos, mas finalmente, a ciência começa a desenrolar o novelo do mistério, como atesta um novo estudo publicado no jornal Proceedings of the National Academy of Sciences.

Esta pesquisa contraria a ideia de que as florestas amazónicas foram “ecossistemas intocados”, até portugueses e espanhóis terem chegado à região no Século XVI, diz Jennifer Watling, citada pelo Phys.org.

A investigadora nota que os povos indígenas que viviam na zona, há mais de 2 mil de anos, e que terão construído os misteriosos geóglifos, já interferiam na floresta, fazendo uma gestão sustentável da mesma.

Recorrendo às tecnologias mais inovadoras da actualidade, nomeadamente à análise de isótopos estáveis de carbono em componentes químicos, os investigadores conseguiram reconstruir 6 mil anos de história da vegetação, bem como o historial dos incêndios, em torno de dois locais onde se descobriram geóglifos.

Assim, concluíram que “florestas de bambu dominaram a região durante mais de 6 mil anos e que apenas pequenas clareiras temporárias eram feitas para construir os geóglifos”, “dentro de uma floresta antropogénica que vinha sendo gerida activamente, ao longo de milénios”, apontam os autores no artigo científico.

“Supermercado pré-histórico” de produtos florestais

Estes povos indígenas terão alterado de forma significativa a paisagem, mas sem proceder à “desflorestação alargada”, apostando antes na “exploração de produtos florestais”, acrescentam os investigadores.

“Em vez de queimarem grandes extractos de floresta – seja para a construção de geóglifos, seja para práticas agrícolas -, as pessoas transformavam o seu ambiente concentrando-se em espécies de árvores economicamente valiosas, tais como palmeiras, criando um tipo de “supermercado pré-histórico” de produtos florestais úteis“.

Mas esta ideia de que “as florestas amazónicas foram geridas pelos povos indígenas, muito antes do contacto com europeus, não deve ser citada como justificação para o uso insustentável e destrutivo da terra” como se pratica hoje em dia, diz Jennifer Watling.

Pelo contrário, estas provas devem servir para sublinhar “a importância do conhecimento indígena para encontrar alternativas mais sustentáveis para o uso da terra”, diz a investigadora.

Este conhecimento do passado da Amazónia e da forma como a intervenção humana modificou a sua paisagem é importante para a sua conservação futura, realçam os investigadores de Universidades brasileiras e britânicas envolvidos neste estudo.

E “se as florestas da região foram limpas intensivamente para a construção de geóglifos e para uso, isto pode implicar que as florestas de terra firme são mais resistentes aos impactos humanos do que previamente se pensava”, concluem os cientistas.

SV, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. ZAP…
    Desculpem… mas deve haver um erro aqui: “… povos indígenas que viviam na zona, há mais de 2 milhões de anos…”… em vez de milhões deve ser milhares… pois a nossa espécie não tem nem 1 milhão de anos de existência neste planeta… e teria que ter ainda muito menos por essas partes do mundo…

    • Caro PauloSR,
      Tem toda a razão, a humanidade (ou o que tal se possa chamar) existe há apenas 8 mil anos.
      A referencia a 2 mil anos no título está correcta, os 2 milhões do texto estão obviamente errados. Está corrigido, obrigado pelo seu reparo.

      • ZAP:
        Caro ZAP, “a humanidade (ou o que tal se possa chamar) existe há apenas 8 mil anos”?!
        Apenas posso supor que estava com sono quando fez essa afirmação…

RESPONDER

Nuno Espírito Santo admite que "muita coisa correu mal", mas não escapa às críticas

O Tottenham saiu derrotado por 3-0 do embate com o Chelsea. Nuno Espírito Santo reconheceu os problemas na equipa, que foi duramente criticada por Roy Keane. O Chelsea manteve-se no comboio dos líderes da Liga inglesa, …

Críticas às novas tabelas da ADSE em várias áreas da Saúde

A nova tabela da ADSE, que entrou em vigor a 01 de setembro, tem enfrentado críticas de vários setores da Saúde, desde dentistas a nutricionistas, principalmente pelos valores atribuídos a alguns atos, exclusões e restrições. A …

Cuba é o primeiro país a vacinar crianças a partir dos dois anos

Depois de um drástico aumento de casos e mortes em crianças, a estratégia de vacinação em Cuba mudou. Com o objetivo de ter mais de 90% dos 11 milhões de habitantes imunizados até Dezembro, as autoridades …

Penálti que deu vitória ao Sporting devia ter sido repetido

Um penálti convertido por Pedro Porro deu a vitória, este domingo, ao Sporting. Especialistas entendem que a grande penalidade devia ter sido repetida. O Sporting CP conquistou uma vitória sofrida, este domingo, após derrotar o Estoril …

Marques Mendes: Governo vai abrir discotecas e acabar com limite à lotação no comércio e restaurantes

Marques Mendes considera também que a task force para a vacinação deve ser extinta em Outubro e que em Dezembro deve ser decidida uma terceira dose para os cidadãos acima de 65 anos. No seu habitual …

OE2022: Governo negocia englobamento obrigatório de rendimentos no IRS

O englobamento obrigatório de rendimentos no IRS é uma medida que está incluída no programa do Governo e é um dos temas de grande interesse no núcleo comunista. O assunto está a ser negociado no …

Falcao marcou mas o protagonista foi o árbitro: "Já nem sei quem viu amarelo"

Falhas na comunicação com os outros árbitros e confusão numa suposta expulsão, após 13 cartões amarelos: um jogo que Cordero Vega não vai esquecer. Radamel Falcao estreou-se neste sábado pelo Rayo Vallecano e já terá reunido …

Descoberta de ossos com mais de 120 mil anos pode revelar a primeira evidência de uma fábrica de roupa

Uma equipa de arqueólogos encontrou aquela que pode ser a primeira evidência de uma fábrica de roupa. A descoberta foi feita numa caverna em Marrocos e foi datada de há cerca de 120 mil anos. Emily …

Câmaras de videovigilância nas ruas portuguesas disparam em oito anos

Desde que foram autorizadas pela primeira vez em território nacional, os sistemas de videovigilância com recurso a câmaras nos espaços públicos tem sido cada vez mais requisitado pelas forças de segurança. Em 2009 foi autorizada pelo …

João Félix: o "louco" e o "calvário"

Avançado do Atlético de Madrid só esteve em campo durante 18 minutos, contra o Atlético Bilbau. Simeone defendeu o português. João Félix foi o nome mais comentado após o empate entre Atlético de Madrid e Atlético …