Aldeia da Lousã constrói abrigo para 150 pessoas em caso de incêndio

Paulo Novais / Lusa

Abrigo contra incêndios de Vale de Nogueira

Mais de 150 pessoas podem refugiar-se em caso de incêndio ou tempestade num abrigo de betão construído por moradores de Vale de Nogueira, na Serra da Lousã.

Pouco mais de 30 aldeões, maioritariamente idosos, vivem neste lugar do concelho da Lousã, que já teve perto de 200 habitantes no início do século XX, muitos dos quais partiram em busca de melhores condições de vida, sobretudo em Lisboa.

O grande incêndio que começou neste município do distrito de Coimbra, a 15 de outubro de 2017, e que se alastrou a outros concelhos, causando 50 mortos na região Centro, levou a Comissão de Melhoramentos de Vale de Nogueira a pensar em novas medidas de defesa da população.

“A gente pode aguentar aqui muito tempo”, afirmou Osvaldo Serra, dirigente da comissão fundada em 1997. Devido à desertificação, abandono das áreas florestais e antigos campos de cultivo, a que acrescem as alterações climáticas, cria-se “aqui um barril de pólvora”.

No espaço onde se realiza a festa anual da Senhora dos Remédios, a comissão implantou um bunker com água e energia elétrica que pode albergar entre 150 a 200 pessoas.

Parcialmente enterrado na encosta, o abrigo tem uma área de 200 metros quadrados e dispõe de uma sala ampla, bar, cozinha e sanitários. A Câmara da Lousã doou alguns dos equipamentos disponíveis.

“Se houver um incêndio como o do ano passado, temos condições para aguentar aqui um dia ou dois, livres de perigo”, refere Osvaldo Serra, de 71 anos. As famílias de Vale de Nogueira “já sabem que é para aqui que têm de fugir”, acrescenta.

Ele e quase todos os vizinhos, além de moradores de outros lugares próximos, trabalharam durante décadas como estivadores no porto de Lisboa. Já reformado, Osvaldo regressou à terra e dinamizou o processo de constituição da Comissão de Melhoramentos, no qual também participaram Ulisses Serra, seu tio, e Orlando Rodrigues, entre outros.

Paulo Novais / Lusa

Interior do abrigo contra incêndios de Vale de Nogueira

Na construção do abrigo e da Casa do Povo, recuperação da antiga escola primária, abertura e estradas, reflorestação dos terrenos comunitários e demais melhoramentos, a associação já investiu cerca de 90 mil euros.

Pela utilização do terreno onde está situada uma antena, junto à escola, uma empresa de telecomunicações paga 1500 euros por ano à Câmara, que depois entrega esta verba aos moradores da aldeia.

O dinheiro aplicado nos benefícios tem origem especialmente na venda de árvores do baldio de Vale de Nogueira, onde a Comissão de Melhoramentos plantou 900 castanheiros enxertados, que também deverão ajudar a travar eventuais fogos.

Trata-se de dois soutos, cercados com rede de dois metros de altura para impedir que os veados destruam as árvores ainda jovens. “Tivemos a preocupação de deixar um espaço de 30 metros fora da vedação, precisamente por causa do fogo”, salienta Osvaldo Serra.

Todos os anos, a Comissão realiza “pelo menos uma assembleia e as pessoas são alertadas” sobre os procedimentos em caso de incêndio, o que vale também para os furacões.

Orlando Rodrigues, de 82 anos, é um dos vizinhos a quem a chave do abrigo foi distribuída. O bunker “é muito útil” para proteger a população, confirma o antigo trabalhador portuário. Para Ulisses Serra, de 84 anos, o equipamento comunitário “tem todas as condições” para receber pelo menos 150 pessoas.

Ulisses aponta para as inúmeras árvores dos quintais ou que puderam crescer nas leiras outrora cultivadas, mas lamenta que essa vegetação tape agora as vistas sobre a vila e todo o vale da Lousã. O sobrinho Osvaldo, por sua vez, valoriza o papel das folhosas contra o avanço das chamas. “Toda esta orla de castanheiros nasceu em terras que davam milho e feijão”, explica.

Em Vale de Nogueira, nasceram alguns dos audazes carvoeiros da Serra da Lousã, que arrancavam a urze à força de braços e dominavam a arte do fogo. Hoje, se o lume traiçoeiro chegar, os habitantes encontram segurança num abrigo comunitário que também pode ser palco de casamentos e outras festas.

PARTILHAR

RESPONDER

Governo do Brasil aponta início da vacinação entre janeiro e fevereiro

O ministro da Saúde do Brasil, Eduardo Pazuello, disse que o país vai começar a receber 15 milhões de doses de vacinas para a covid-19 entre janeiro e fevereiro de 2021, com mais cem milhões …

Solução para Novo Banco pode não passar por um OE retificativo, diz João Leão

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, disse que a alternativa à anulação da transferência de 476 milhões de euros para o Novo Banco não tem "necessariamente que passar" por um orçamento retificativo …

Plano de vacinação arranca em janeiro com três fases. 950 mil pessoas no primeiro grupo prioritário

Pessoas com mais de 50 anos com uma patologia frequente nos casos graves de covid-19, residentes e/ou internados em lares e profissionais de saúde integram o primeiro grupo prioritário para a administração da vacina de …

Segunda vaga de moratórias autorizada pela Autoridade Bancária Europeia

A Autoridade Bancária Europeia (EBA) autorizou a reabertura de moratórias de crédito, com efeitos a partir de 01 de outubro até 31 de março de 2021, dois meses após ter suspendido novas adesões. Num comunicado publicado …

Turquia alvo de críticas duras em reunião da NATO e em risco de sanções

A Turquia esteve esta quarta-feira sob um fogo de críticas na reunião virtual dos Ministros dos Negócios Estrangeiros (MNE) da NATO e, com a deceção manifestada pelos Estados Unidos, deve preparar-se para sanções económicas americanas …

O que Neymar mais quer é voltar a jogar com Messi. Só se vier a custo zero, diz o Barça

O internacional brasileiro Neymar, que alinha pelo PSG, confessou esta quarta-feira que o mais deseja é voltar a jogar com o astro argentino Lionel Messi, com quem partilhou balneário entre 2013 e 2017 no Barcelona. …

Ministro da Administração Interna e procuradora-geral da República vão ser ouvidos no Parlamento

Eduardo Cabrita será ouvido sobre o caso do cidadão ucraniano assassinado nas instalações do SEF e Lucília Gago sobre a "recente diretiva sobre os poderes hierárquicos" na magistratura do Ministério Público. A comissão de Assuntos Constitucionais …

Portugal regista mais 79 mortos e 3.772 novos casos de covid-19

Portugal contabiliza esta quinta-feira mais 79 mortos relacionados com o novo coronavírus, que provoca a covid-19, e 3.772 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). Desde o início da …

França investiga 76 mesquitas por suspeita de radicalização islâmica

A França vai investigar nos próximos dias 76 mesquitas por suspeitas de radicalização islâmica, anunciou esta quarta-feira o ministro do Interior do país, Gerald Darmanin. Trata-se de 16 templos na região de Paris e 60 no …

Medidas estão a dar resultados. Novas regras apresentadas sábado vão vigorar até 7 de janeiro

O primeiro-ministro afirmou que as medidas adotadas estão a produzir resultados, havendo uma trajetória descendente de novos casos de covid-19, mas advertiu que janeiro é mês de risco e as restrições não podem ser aliviadas. Esta …