No Afeganistão, há mulheres a arriscar a vida por um golo

As jogadores da seleção de futebol feminino do Afeganistão não treinam no seu país por razões de segurança. Muitas sofreram abusos sexuais e correm risco de vida para poderem jogar futebol.

Pelo menos alguma vez na vida, qualquer adepto de futebol já sonhou ser jogador de futebol. Para tal, é preciso sacrifício e esforço, mas nunca passaria na cabeça de ninguém ter de arriscar a própria vida para poder jogar. Este é o caso de algumas mulheres no Afeganistão, que chutam a “redondinha” para quebrar as barreiras do preconceito.

Apesar de ter nascido nos Estados Unidos, Kelly Lindsey é selecionadora feminina do Afeganistão. As voltas que a vida dá levaram-na a seguir este estranho caminho, levando-a a conhecer uma realidade totalmente diferente daquela que se encontra no mundo ocidental.

“As minhas primeiras perguntas à equipa foram: ‘Porque estamos aqui? O que significa para vocês representar o vosso país?’ A primeira resposta foi que jogavam por todas as mulheres afegãs que não tinham voz. Naquela altura, não percebi exatamente o que significava. Tinha uma ideia, sim, mas não conhecia a realidade. Demorei anos a entender”, confidenciou.

Enquanto que para muitos jogar futebol é pelo amor ao jogo, no caso destas mulheres afegãs é muito mais do que isso. É uma batalha pelos direitos humanos e de género.

Em conversa com o jornal espanhol El País, Lindsey falou da luta das suas jogadoras contra os abusos sexuais sistemáticos. A americana denunciou “uma cultura” de chantagem, intimidação e de perseguição sexual das jogadoras pelos dirigentes da federação afegã. Até mesmo do próprio presidente, Keramuudin Karim, que viria a ser suspenso, acusado de abusos sexuais a pelo menos cinco atletas.

Estas mulheres, que representam o seu país, nunca jogam no seu próprio país. Índia, Jordânia ou China são os destinos escolhidos. Lindsey explica que é “por motivos de segurança”. As suas jogadoras são maioritariamente afegãs exiladas. Há, porém, algumas atletas que vêm do Afeganistão e que são escolhidas por técnicos com os quais Lindsey comunica através da internet.

“Com sorte, uma vez por ano, juntam-se quatro ou cinco equipas de raparigas em Kabul para disputar um torneio. Isso não aconteceu mais de quatro vezes em toda a história, pelo que me dizem as minhas jogadoras. E não acontece desde 2014”, disse, citada pelo Tribuna Expresso.

Ainda este mês, “Sahar”, uma mulher iraniana de 30 anos, morreu após se ter imolado à frente do tribunal ao saber que poderia enfrentar uma pena de prisão de seis meses por tentar entrar num estádio de futebol. O caso levou a FIFA a bater o pé e aumentar os esforços — que se diga, de passagem, serem parcos — para assegurar o acesso das mulheres aos jogos de futebol.

No Afeganistão, as mulheres podem ir ver jogos de futebol entre homens, mas com uma condição: são remetidas para um canto específico do recinto.

“Sem dúvida, sinto-me em perigo”

Viver no Hong Kong não é suficiente para Lindsey, que admite que mesmo assim se sente ameaçada. “Sem dúvida, sinto-me em perigo”, confessou ao El País. “Gostaria de ir ao Afeganistão”, mas reconhece que o extremismo do país e a relutância em aceitar que as mulheres pratiquem desporto, limita em muito a sua vontade.

“Precisamos de trabalhar no terreno para ajudar os clubes a desenvolver o projeto. É lá que podes marcar a diferença. Estou convencida de que, ao viajar para lá, arrisco a vida, mas tento não pensar muito nisso porque não tenho o direito, uma vez que as jogadoras correm mais riscos do que eu. A nossa relação não é justa. Elas arriscam a vida todos os dias apenas para jogar futebol“, atirou.

Lindsey não tem dúvidas: “Estas são as mulheres mais fortes que conheci”. Apesar de reconhecer que inicialmente pareciam frágeis, foi uma surpresa descobrir que era, precisamente o contrário. Não se pode julgar um livro pela capa e as suas jogadores são provas vivas disso.

“Só a ida de casa ao treino é como atravessar um campo de batalha. Estão dispostas a arriscar a vida para estar num campo de futebol”, explicou a mulher natural do Nebraska. “Elas acreditam que o futebol pode mudar a cultura no seu país. Para elas, o futebol é a vida“.

Já em 2011, a NATO tinha denunciado o problema das futebolistas afegãs. A capitã de equipa de então, Zarhra Mahmodi, falou da preocupação dos familiares em ela praticar futebol, nomeadamente devido à falta de segurança. “Às vezes dizem-me que tenho de parar de jogar”, contou.

Nesta altura, as mulheres treinavam nos limites de um estádio, no Afeganistão. Apesar de terem um relvado ao lado, apenas eram autorizadas a usar o campo de basquetebol abandonado, com o piso em betão. Só as guarda-redes podiam recorrer ao relvado para treinar.

“Se queres promover um desporto, precisas de um orçamento. Se não tens orçamento, como é que podes desenvolver a tua equipa?“, atirou o então selecionador nacional Wahidullah Wahidi.

DC, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Bloco apoia travão ao desconfinamento na região de Lisboa

O Bloco de Esquerda apoiou o adiamento do levantamento de restrições impostas pela pandemia na região de Lisboa e Vale do Tejo, destacando que é importante aumentar a vigilância nas empresas de construção e trabalho …

Descoberto "cemitério" de mamutes nos arredores da Cidade do México

Investigadores descobriram um "cemitério" com cerca de 60 mamutes nos arredores da Cidade do México, avança o Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) do país. De acordo com o site Live Science, a descoberta aconteceu, …

David Luiz confirma rumores. Regresso "vai acontecer se o presidente permitir e os adeptos quiserem"

David Luiz confirmou este sábado os rumores que davam conta que o Benfica e o jogador estavam a negociar um eventual regresso do brasileiro à Luz. Em entrevista ao desportivo Record, David Luiz confirmou a …

Cães treinados para proteger animais selvagens salvam 45 rinocerontes

Há inúmeras razões que explicam o motivo pelo qual os cães são conhecidos como o melhor amigo do Homem. Além de leais e inteligentes, dão sempre o corpo às balas, mesmo nos piores momentos. Quarenta e …

Fez-se história. Foguetão da SpaceX lançado com sucesso rumo à EEI

O primeiro foguetão concebido e construído por uma empresa privada, a SpaceX, de Elon Musk, levando a bordo dois astronautas foi lançado este sábado na presença do Presidente do Estados Unidos, Donald Trump. O lançamento decorreu …

"A Rússia não permitirá a privatização da Lua", avisa Roscosmos

A Rússia não permitirá a privatização da Lua, independentemente de quem avance a iniciativa, avisou o chefe da agência espacial russa (Roscosmos), Dmitri Rogozin, em entrevista ao jornal Komsomólskaya Pravda. "Não permitiremos que ninguém privatize a …

Plataforma flutuante extrai energia das ondas, do vento e do Sol

A empresa alemã Sinn Power criou uma plataforma marítima flutuante capaz de gerar energia renovável a partir de ondas, vento e energia solar. A plataforma híbrida combina turbinas eólicas, painéis solares e coletores de energia das …

Balneários proibidos e 3 metros de distância. As regras da DGS para a prática de exercício físico

A Direção-Geral da Saúde (DGS) recomenda uma distância mínima de três metros entre pessoas que pratiquem exercício físico, no âmbito das medidas de prevenção da pandemia de covid-19. A orientação, intitulada “Procedimentos de Prevenção e Controlo …

Astronautas da NASA já se preparam para voo histórico a bordo do foguetão da Space X

Dois astronautas da NASA já estão a equipar-se para o lançamento histórico de um foguetão concebido e construído pela empresa SpaceX, de Elon Musk, apesar de as previsões meteorológicas indicarem mais tempestades. Com o voo já …

Há dez anos, Portugal adotou a lei que permitiu o casamento entre pessoas do mesmo sexo

Portugal adotou há 10 anos a lei que permitiu o casamento entre pessoas do mesmo sexo, após um debate fraturante que remeteu para mais tarde a adoção de crianças por estes casais, possível apenas desde …