No Afeganistão, há mulheres a arriscar a vida por um golo

As jogadores da seleção de futebol feminino do Afeganistão não treinam no seu país por razões de segurança. Muitas sofreram abusos sexuais e correm risco de vida para poderem jogar futebol.

Pelo menos alguma vez na vida, qualquer adepto de futebol já sonhou ser jogador de futebol. Para tal, é preciso sacrifício e esforço, mas nunca passaria na cabeça de ninguém ter de arriscar a própria vida para poder jogar. Este é o caso de algumas mulheres no Afeganistão, que chutam a “redondinha” para quebrar as barreiras do preconceito.

Apesar de ter nascido nos Estados Unidos, Kelly Lindsey é selecionadora feminina do Afeganistão. As voltas que a vida dá levaram-na a seguir este estranho caminho, levando-a a conhecer uma realidade totalmente diferente daquela que se encontra no mundo ocidental.

“As minhas primeiras perguntas à equipa foram: ‘Porque estamos aqui? O que significa para vocês representar o vosso país?’ A primeira resposta foi que jogavam por todas as mulheres afegãs que não tinham voz. Naquela altura, não percebi exatamente o que significava. Tinha uma ideia, sim, mas não conhecia a realidade. Demorei anos a entender”, confidenciou.

Enquanto que para muitos jogar futebol é pelo amor ao jogo, no caso destas mulheres afegãs é muito mais do que isso. É uma batalha pelos direitos humanos e de género.

Em conversa com o jornal espanhol El País, Lindsey falou da luta das suas jogadoras contra os abusos sexuais sistemáticos. A americana denunciou “uma cultura” de chantagem, intimidação e de perseguição sexual das jogadoras pelos dirigentes da federação afegã. Até mesmo do próprio presidente, Keramuudin Karim, que viria a ser suspenso, acusado de abusos sexuais a pelo menos cinco atletas.

Estas mulheres, que representam o seu país, nunca jogam no seu próprio país. Índia, Jordânia ou China são os destinos escolhidos. Lindsey explica que é “por motivos de segurança”. As suas jogadoras são maioritariamente afegãs exiladas. Há, porém, algumas atletas que vêm do Afeganistão e que são escolhidas por técnicos com os quais Lindsey comunica através da internet.

“Com sorte, uma vez por ano, juntam-se quatro ou cinco equipas de raparigas em Kabul para disputar um torneio. Isso não aconteceu mais de quatro vezes em toda a história, pelo que me dizem as minhas jogadoras. E não acontece desde 2014”, disse, citada pelo Tribuna Expresso.

Ainda este mês, “Sahar”, uma mulher iraniana de 30 anos, morreu após se ter imolado à frente do tribunal ao saber que poderia enfrentar uma pena de prisão de seis meses por tentar entrar num estádio de futebol. O caso levou a FIFA a bater o pé e aumentar os esforços — que se diga, de passagem, serem parcos — para assegurar o acesso das mulheres aos jogos de futebol.

No Afeganistão, as mulheres podem ir ver jogos de futebol entre homens, mas com uma condição: são remetidas para um canto específico do recinto.

“Sem dúvida, sinto-me em perigo”

Viver no Hong Kong não é suficiente para Lindsey, que admite que mesmo assim se sente ameaçada. “Sem dúvida, sinto-me em perigo”, confessou ao El País. “Gostaria de ir ao Afeganistão”, mas reconhece que o extremismo do país e a relutância em aceitar que as mulheres pratiquem desporto, limita em muito a sua vontade.

“Precisamos de trabalhar no terreno para ajudar os clubes a desenvolver o projeto. É lá que podes marcar a diferença. Estou convencida de que, ao viajar para lá, arrisco a vida, mas tento não pensar muito nisso porque não tenho o direito, uma vez que as jogadoras correm mais riscos do que eu. A nossa relação não é justa. Elas arriscam a vida todos os dias apenas para jogar futebol“, atirou.

Lindsey não tem dúvidas: “Estas são as mulheres mais fortes que conheci”. Apesar de reconhecer que inicialmente pareciam frágeis, foi uma surpresa descobrir que era, precisamente o contrário. Não se pode julgar um livro pela capa e as suas jogadores são provas vivas disso.

“Só a ida de casa ao treino é como atravessar um campo de batalha. Estão dispostas a arriscar a vida para estar num campo de futebol”, explicou a mulher natural do Nebraska. “Elas acreditam que o futebol pode mudar a cultura no seu país. Para elas, o futebol é a vida“.

Já em 2011, a NATO tinha denunciado o problema das futebolistas afegãs. A capitã de equipa de então, Zarhra Mahmodi, falou da preocupação dos familiares em ela praticar futebol, nomeadamente devido à falta de segurança. “Às vezes dizem-me que tenho de parar de jogar”, contou.

Nesta altura, as mulheres treinavam nos limites de um estádio, no Afeganistão. Apesar de terem um relvado ao lado, apenas eram autorizadas a usar o campo de basquetebol abandonado, com o piso em betão. Só as guarda-redes podiam recorrer ao relvado para treinar.

“Se queres promover um desporto, precisas de um orçamento. Se não tens orçamento, como é que podes desenvolver a tua equipa?“, atirou o então selecionador nacional Wahidullah Wahidi.

DC, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Panama Papers. Mossack Fonseca não gostou do filme e processou Netflix por difamação

A dupla de sócios do escritório de advogados Mossack Fonseca, envolvido no caso “Panama Papers”, moveu um processo em tribunal por difamação contra a Netflix. A plataforma anuncia a estreia, para esta sexta-feira, do filme “Laundromat: …

Porsche e Boeing unem-se em projeto de táxi aéreo premium

A Porsche e a Boeing estão a unir esforços para explorar o mercado de mobilidade área urbana. Aproveitando os seus pontos fortes, as duas empresas prometem desenvolver um táxi aéreo para o futuro. Numa verdadeira fusão …

Fotografia com pombos? Na Tailândia, há "profissionais" contratados para assustá-los

A área de uma das portas da cidade, Tha Pae, parte do que resta da muralha vermelha que protegia a cidade antiga em Chiang Mai, na Tailândia, é uma das maiores atrações turísticas locais. Os turistas …

Sky News lança canal sem qualquer notícia sobre o Brexit

O canal Sky News Brexit-Free foi esta quarta-feira para o ar às 17h horas, sendo que os seus programas serão transmitidos até às 22h, de segunda a sexta-feira. O grupo de televisão britânico Sky vai lançou …

Vacina contra o cancro da mama pode estar disponível dentro de 8 anos

Investigadores da Clínica Mayo desenvolveram uma vacina contra o cancro ovário e da mama que poderá estar disponível comercialmente dentro de apenas oito anos. A ideia da vacina é estimular o próprio sistema imunológico dos pacientes …

Busca pelo avião de Amelia Earhart só encontrou chapéus, detritos de um naufrágio e uma lata de refrigerante

A mais recente busca pelos restos do avião de Amelia Earhart, a famosa aviadora americana que desapareceu sobre o Pacífico em 1937, terminou sem resultados. De acordo com o jornal norte-americano The New York Times, a investigação …

Protestos em Hong Kong. LeBron acusado de apoiar regime chinês

A super estrela do basquetebol LeBron James juntou-se à polémica entre a NBA e a China, após apelidar de “mal-informado” o treinador dos Houston Rockets, Daryl Morey, que expressou apoio aos manifestantes em Hong Kong …

Acordo para o Brexit está "prestes a ficar fechado"

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o Presidente francês, Emmanuel Macron, disseram esta quarta-feira que um acordo para o Brexit está em finalização e poderá ser apresentado quinta-feira para aprovação no Conselho Europeu. "Quero acreditar que …

Em Chernobyl, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram para trás"

Chernobyl é, atualmente, a maior atração internacional da Ucrânia e o novo presidente, Volodymyr Zelenski, já apresentou um projeto para trazer ainda mais turistas. No entanto, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram …

Huawei afirma que a tecnologia 6G vai estar disponível daqui a 10 anos

O CEO da Huawei, Ren Zhengfei, assinalou, durante uma entrevista à CNBC, que a sua empresa está a trabalhar em redes móveis 6G, que estarão completamente desenvolvidas daqui a 10 anos.   "Trabalhámos em 5G e 6G …