No Afeganistão, há mulheres a arriscar a vida por um golo

As jogadores da seleção de futebol feminino do Afeganistão não treinam no seu país por razões de segurança. Muitas sofreram abusos sexuais e correm risco de vida para poderem jogar futebol.

Pelo menos alguma vez na vida, qualquer adepto de futebol já sonhou ser jogador de futebol. Para tal, é preciso sacrifício e esforço, mas nunca passaria na cabeça de ninguém ter de arriscar a própria vida para poder jogar. Este é o caso de algumas mulheres no Afeganistão, que chutam a “redondinha” para quebrar as barreiras do preconceito.

Apesar de ter nascido nos Estados Unidos, Kelly Lindsey é selecionadora feminina do Afeganistão. As voltas que a vida dá levaram-na a seguir este estranho caminho, levando-a a conhecer uma realidade totalmente diferente daquela que se encontra no mundo ocidental.

“As minhas primeiras perguntas à equipa foram: ‘Porque estamos aqui? O que significa para vocês representar o vosso país?’ A primeira resposta foi que jogavam por todas as mulheres afegãs que não tinham voz. Naquela altura, não percebi exatamente o que significava. Tinha uma ideia, sim, mas não conhecia a realidade. Demorei anos a entender”, confidenciou.

Enquanto que para muitos jogar futebol é pelo amor ao jogo, no caso destas mulheres afegãs é muito mais do que isso. É uma batalha pelos direitos humanos e de género.

Em conversa com o jornal espanhol El País, Lindsey falou da luta das suas jogadoras contra os abusos sexuais sistemáticos. A americana denunciou “uma cultura” de chantagem, intimidação e de perseguição sexual das jogadoras pelos dirigentes da federação afegã. Até mesmo do próprio presidente, Keramuudin Karim, que viria a ser suspenso, acusado de abusos sexuais a pelo menos cinco atletas.

Estas mulheres, que representam o seu país, nunca jogam no seu próprio país. Índia, Jordânia ou China são os destinos escolhidos. Lindsey explica que é “por motivos de segurança”. As suas jogadoras são maioritariamente afegãs exiladas. Há, porém, algumas atletas que vêm do Afeganistão e que são escolhidas por técnicos com os quais Lindsey comunica através da internet.

“Com sorte, uma vez por ano, juntam-se quatro ou cinco equipas de raparigas em Kabul para disputar um torneio. Isso não aconteceu mais de quatro vezes em toda a história, pelo que me dizem as minhas jogadoras. E não acontece desde 2014”, disse, citada pelo Tribuna Expresso.

Ainda este mês, “Sahar”, uma mulher iraniana de 30 anos, morreu após se ter imolado à frente do tribunal ao saber que poderia enfrentar uma pena de prisão de seis meses por tentar entrar num estádio de futebol. O caso levou a FIFA a bater o pé e aumentar os esforços — que se diga, de passagem, serem parcos — para assegurar o acesso das mulheres aos jogos de futebol.

No Afeganistão, as mulheres podem ir ver jogos de futebol entre homens, mas com uma condição: são remetidas para um canto específico do recinto.

“Sem dúvida, sinto-me em perigo”

Viver no Hong Kong não é suficiente para Lindsey, que admite que mesmo assim se sente ameaçada. “Sem dúvida, sinto-me em perigo”, confessou ao El País. “Gostaria de ir ao Afeganistão”, mas reconhece que o extremismo do país e a relutância em aceitar que as mulheres pratiquem desporto, limita em muito a sua vontade.

“Precisamos de trabalhar no terreno para ajudar os clubes a desenvolver o projeto. É lá que podes marcar a diferença. Estou convencida de que, ao viajar para lá, arrisco a vida, mas tento não pensar muito nisso porque não tenho o direito, uma vez que as jogadoras correm mais riscos do que eu. A nossa relação não é justa. Elas arriscam a vida todos os dias apenas para jogar futebol“, atirou.

Lindsey não tem dúvidas: “Estas são as mulheres mais fortes que conheci”. Apesar de reconhecer que inicialmente pareciam frágeis, foi uma surpresa descobrir que era, precisamente o contrário. Não se pode julgar um livro pela capa e as suas jogadores são provas vivas disso.

“Só a ida de casa ao treino é como atravessar um campo de batalha. Estão dispostas a arriscar a vida para estar num campo de futebol”, explicou a mulher natural do Nebraska. “Elas acreditam que o futebol pode mudar a cultura no seu país. Para elas, o futebol é a vida“.

Já em 2011, a NATO tinha denunciado o problema das futebolistas afegãs. A capitã de equipa de então, Zarhra Mahmodi, falou da preocupação dos familiares em ela praticar futebol, nomeadamente devido à falta de segurança. “Às vezes dizem-me que tenho de parar de jogar”, contou.

Nesta altura, as mulheres treinavam nos limites de um estádio, no Afeganistão. Apesar de terem um relvado ao lado, apenas eram autorizadas a usar o campo de basquetebol abandonado, com o piso em betão. Só as guarda-redes podiam recorrer ao relvado para treinar.

“Se queres promover um desporto, precisas de um orçamento. Se não tens orçamento, como é que podes desenvolver a tua equipa?“, atirou o então selecionador nacional Wahidullah Wahidi.

DC, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Jesus "superstar" vence dérbi Fla-Flu, mas sonha regressar a Portugal

Por estes dias, Jorge Jesus continua o seu caminho como superstar no campeonato brasileiro de futebol: o técnico português, que comanda o Flamengo, venceu, este domingo, o dérbi frente ao Fluminense por 2-0, em jogo …

Cientistas encontraram sinais precoces de doença cardíaca em múmias com 4.000 anos

Múmias com quatro mil anos mostraram ter acumulação de colesterol nas artérias, sugerindo que as doenças cardíacas eram provavelmente mais comuns nos tempos antigos do que se pensava. Mohammad Madjid, professor assistente de medicina cardiovascular na …

Donald Trump desiste de realizar o G7 no seu clube de golfe em Miami

A decisão de Donald Trump, a braços com um processo de impeachment, de usar um dos seus resorts levantou dúvidas sobre conflito de interesses. O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, abandonou a ideia de realizar …

Costa vai a Belém apresentar secretários de Estado. Patrícia Gaspar e Antero Luís na lista

O primeiro-ministro indigitado, António Costa, vai esta segunda-feira a Belém apresentar ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, os nomes dos secretários de Estado que vão integrar o próximo Governo. O encontro, marcado para as 11 …

Chernobyl transforma-se num santuário para uma rara espécie de cavalos

Chernobyl tem sido o inesperado lar de uma espécie de cavalos em vias de extinção. Dezenas de cavalos de Przewalski foram observados em edifícios abandonados na zona radioativa da cidade ucraniana. Surpreendentemente, uma espécie de cavalos …

Sánchez desloca-se a Barcelona para “visitar agentes feridos” e lembra obrigações de Torra

O presidente do governo espanhol, em funções, Pedro Sánchez, desloca-se esta segunda-feira a Barcelona, após ter criticado o presidente do governo regional da Catalunha por não ter condenado com firmeza os atos de violência dos …

Governo de Hong Kong pede desculpas após polícia pulverizar mesquita

O Governo de Hong Kong pediu esta segunda-feira desculpas a líderes muçulmanos, depois da polícia antimotim ter pulverizado um portão da mesquita e algumas pessoas com um canhão de água, quando as autoridades tentavam dispersar …

Bolívia. Resultados preliminares dão vitória a Morales, mas com segunda volta

O chefe de Estado boliviano lidera os resultados preliminares da primeira volta das eleições Presidenciais, mas parece ser obrigado a disputar uma segunda ronda contra o ex-Presidente Carlos Mesa. A autoridade eleitoral da Bolívia indicou que, …

Telemóveis e computadores podem acelerar o envelhecimento

Uma nova investigação, levada a cabo por cientistas da Oregon State University, nos Estados Unidos, concluiu que a exposição diária à luz azul, como aquela que é emitida por telemóveis e computadores, pode afetar a …

Quatro espeleólogos portugueses desaparecem em gruta espanhola

Uma equipa de resgate foi acionada para localizar quatro espeleólogos portugueses que estão desde sábado na gruta de Cueto-Coventosa, em Espanha, com os trabalhos de socorro a serem dificultados pelo aumento do nível da água Quatro …