Encontrado vulcão em actividade por baixo do glaciar mais vulnerável da Antártida

O glaciar de Pine Island, local mais significativo de perda de gelo na Antártida nos últimos anos, é responsável por cerca de um quarto do volume total de degelo registado no continente.

O glaciar de Pine Island está a “recuar e emagrecer”, diz Simon Gascoin, especialista do Centro Nacional de Estudos Científicos da França. Segundo diversos estudos, nos últimos 28 anos as águas sob o glaciar aqueceram 17 graus. E em fevereiro do ano passado, a Antártida perdeu um iceberg do tamanho de Manhattan, que se separou de Pine Island.

Muitos especialistas em ambiente ligam esta alarmante perda de glaciares ao aquecimento global. No entanto, um artigo publicado na revista Nature Communications no fim de junho aponta para outro factor que contribui para o degelo: o calor vulcânico, semelhante àquele que destrói os glaciares da Islândia.

Os autores do estudo, uma equipa de oceanógrafos e geoquímicos norte-americanos e britânicos, mediram a presença de gases vulcânicos, principalmente helio-3, bem como neon e xenon, na água que rodeia a capa de gelo da Antártida ocidental, da qual o glaciar de Pine Island faz parte.

Brice Loose

Sensor de temperatura próximo do glaciar de Pine Island. Dados são claros: há um vulcão

As amostras, recolhidas em diversos locais, apontam para uma fonte importante de actividade vulcânica vários quilómetros sob a superfície da Antártida. Com base nos dados recolhidos, os cientistas puderam calcular aproximadamente em que local se encontra o vulcão: perto do meridiano 100 oeste, não muito longe de Pine Island.

Estes dados são cruciais para prever o futuro da grande massa de gelo da Antártida, acredita o oceanógrafo norte-americano Brice Loose, citado pelo Science Alert.

“Detectámos helio-3 em quantidades relativamente abundantes na água do glaciar de Pine Island”, diz Loose. “Não estávamos à procura de vulcões. Mas quando encontramos helio-3, é como uma impressão digital do vulcanismo“.

Segundo o cientista, a fonte de calor “está a exercer um efeito desconhecido, sobre  a massa de gelo, porque não sabemos como se distribui este calor debaixo da capa de gelo”.

Prever o ritmo do aumento do nível do mar será fundamental para a ciência nos próximos 100 anos. Estamos a vigiar e modelar estes glaciares”, explica o cientista.

A enorme quantidade de gelo que o glaciar de Pine Island está a perder para o oceano “mede-se em gigatoneladas”, diz o oceanógrafo norte-americano. Mas Brice Loose não duvida de que as mudanças climáticas estejam a causar “a maior parte” da fusão de glaciares registada nos últimos anos.

“O facto de haver um vulcão por baixo de Pine Island não explica a quantidade enorme de gelo que o glaciar está a perder”, diz Loose. “Há décadas de estudos a documentar que o calor das correntes oceânicas está a desestabilizar Pine Island“.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. O que tenho eu dito desde sempre aqui? O calor geotérmico é o que está a causar o derretimento do gelo da Antártida!
    È a própria Terra que vai por a nu tudo o que se está lá a passar por baixo daquele gelo todo!
    FULL DISCLOSURE!

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …