Ações “fantasmagóricas” de Einstein usadas para criar novo detetor de ondas gravitacionais

(dr) The SXS (Simulating eXtreme Spacetimes) Project

Quando dois buracos negros colidem, formam-se ondas gravitacionais no próprio espaço

Quando dois buracos negros colidem, formam-se ondas gravitacionais no próprio espaço

A primeira deteção direta de ondas gravitacionais, um fenómeno previsto pela teoria geral da relatividade de Einstein de 1915, foi relatada por cientistas em 2016. Desde então, os físicos de todo o mundo têm tentado criar novos e melhores detetores de ondas gravitacionais.

O professor de física Chunnong Zhao e os cientistas Haixing Miao e Yiqiu Ma são membros de uma equipa internacional que criou um projeto particularmente excitante para os detetores de ondas gravitacionais.

O novo projeto é um ótimo avanço porque tem como objetivo medir sinais abaixo de um limite que anteriormente se acreditava ser impossível de ultrapassar – o limite quântico padrão, que é definido pelo princípio da incerteza quântica.

O estudo publicado na revista Nature, mostra que essa barreira pode ser ultrapassável. O uso desta e de outras novas abordagens pode permitir que os cientistas monitorizem colisões de buracos negros e “terramotos espaciais” em todo o universo.

As ondas gravitacionais não são vibrações que viajam pelo espaço, mas sim vibrações do próprio espaço, que já nos mostraram uma grande população de buracos negros. Um estudo mais aprofundado das ondas gravitacionais pode ajudar-nos a entender melhor o nosso universo.

Mas as tecnologias de detetores de ondas gravitacionais podem ter uma importância enorme para além deste aspeto da ciência, porque estão a ensinar os especialistas a medir pequenas quantidades de energia.

Os detetores de ondas gravitacionais usam luz laser para captar pequenas vibrações de espaço criadas quando os buracos negros colidem. As colisões criam vastas explosões gravitacionais, convertendo a massa diretamente em vibrações do espaço.

São necessárias enormes quantidades de energia para fazer o espaço vibrar. Os detetores, que usam espelhos pesados com lasers poderosos, devem conseguir medir o espaço que se estende por apenas um milionésimo de um bilionésimo de metro sobre a escala de quatro quilómetros dos detetores.

Mas, para os astrónomos, isso não é suficientemente bom. Os cientistas precisam de ainda mais sensibilidade para conseguirem ouvir muitos mais “sons” gravitacionais, incluindo o som do momento em que o universo foi criado pelo Big Bang.

Uma ideia fantasmagórica de Einstein

O novo conceito é baseado em trabalhos originais de Albert Einstein. Em 1935, Einstein e os seus colegas Boris Podolsky e Nathan Rosen – os autores do famoso paradoxo EPR – tentaram contrariar a teoria da mecânica quântica, destacando que essa mesma teoria previu correlações absurdas entre partículas amplamente espaçadas.

Einstein provou que, se a teoria quântica estava correta, então os pares de objetos amplamente espaçados poderiam ser entrelaçados como duas moscas presas na teia de uma aranha. Estranhamente, esse entrelaçamento não diminui por mais distante que estejam os objetos.

Albert Einstein chamou esse entrelaçamento de “ação fantasmagórica à distância”, e tinha certeza de que a sua descoberta iria acabar com a teoria da mecânica quântica de uma vez por todas, mas não era suposto. Desde a década de 1980, os físicos demonstraram que o entrelaçamento quântico é real.

Por mais que a odiasse, a previsão de Einstein estava certa e, para seu próprio desgosto, a teoria quântica estava correta: os objetos à distância podiam ser entrelaçados.

Hoje em dia, essa teoria do entrelaçamento tem sido aproveitada para o envio de códigos secretos que não podem ser intercetados. Em todo o mundo, organizações como a Google e a IBM e laboratórios académicos estão a tentar criar computadores quânticos que dependem do entrelaçamento.

Agora, Zhao e os seus colegas querem usar o conceito de entrelaçamento para criar o novo design do detetor de ondas gravitacionais.

Uma nova maneira de medir as ondas gravitacionais

O aspeto mais empolgante é que o novo detetor acaba por ser, na verdade, uma nova maneira de trabalhar a duplicar com detetores que já existem.

Na primeira vez, os fotões no detetor são alterados pela onda gravitacional para capturar as ondas. Na segunda vez, o detetor é usado para alterar o entrelaçamento quântico de tal forma que o ruído não é detetado devido à incerteza quântica.

A única coisa que é detetada é o movimento dos espelhos distantes provocados pela onda gravitacional. O ruído quântico do princípio da incerteza não aparece na medição.

Para fazer o detetor funcionar, é preciso começar com fotões entrelaçados que são criados por um dispositivo chamado “espremedor quântico”. Esta tecnologia foi pioneira na astronomia de ondas gravitacionais na Australian National University, e agora é uma técnica estabelecida.

Vários físicos estão a preparar-se para testar esta nova teoria e encontrar a melhor maneira de a implementar, por exemplo, no detetor de ondas gravitacionais GEO, em Hannover, na Alemanha, que foi essencial para muitas das novas tecnologias que permitiram a descoberta das ondas gravitacionais no ano passado.

PARTILHAR

RESPONDER

Bebé com menos de um ano morre de Covid-19 nos EUA

Um bebé com menos de um ano morreu, nos Estados Unidos da América (EUA), vítima de Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, anunciaram as autoridades do Estado de Illinois. A doença já provocou mais de …

Até as bactérias precisam de espaço. Células esmagadas desligam a fotossíntese

Quando as bactérias ficam esmagadas, podem entrar num modo de defesa e desligar a fotossíntese, concluiu uma investigação recente, levada a cabo por cientistas da University of Colorado Boulder, nos Estados Unidos. A equipa da universidade …

Siza Vieira admite aulas por canais "estilo youtube" ou TV por cabo

O Governo está a estudar soluções que garantam que todos os alunos têm acesso aos conteúdos educativos no terceiro período, adiantou o ministro da Economia. O Governo está a estudar soluções que garantam que todos os …

Retificação ao diploma do lay-off simplificado trava despedimentos

Uma retificação ao diploma inicial do ‘lay-off’ simplificado, hoje publicada, vem acautelar que nenhum trabalhador de empresas que recorra a este apoio pode ser alvo de despedimento coletivo ou extinção de posto de trabalho. O decreto-lei …

Rocha desafia teoria da escassez de oxigénio na Terra primitiva

Uma rocha sedimentar única rica em carbono, depositada há dois mil milhões de anos, deu aos cientistas novas pistas sobre as concentrações de oxigénio na superfície da Terra nessa época. De acordo com a agência Europa Press, …

As bactérias formam comunidades na nossa língua (e uma imagem revela como)

Cientistas norte-americanos descobriram que as bactérias que vivem na nossa língua têm uma organização complexa e altamente estruturada. Os micro-organismos estão em toda a parte - até no interior da nossa boca. Um novo estudo revela …

Como sobreviver ao isolamento? Astronautas explicam

Em todo o mundo, cidades e até países inteiros estão em quarentena como forma de travar a propagação do novo coronavírus, Covid-19. Alguns astronautas deixaram conselhos sobre como sobreviver ao isolamento. Para alguns, o auto isolamento …

"Indiana Jones do mundo da arte" recupera manuscrito do poeta persa Hafez

Uma das primeiras cópias do reverenciado Divan do autor do século XIV Hafez, iluminado com ouro, será leiloado no início de abril. O famoso poeta persa do século XIV, Hafez, escreveu uma coleção de versos místicos …

O palco onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda

O palco de madeira onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda. Agora, alguém poderá replicar o primeiro concerto da famosa banda. A 10 de abril, em comemoração dos 50 anos da separação da …

Células estaminais podem ajudar a proteger os astronautas da radiação espacial

Assim que os astronautas deixam a proteção do campo magnético da Terra, ficam automaticamente expostos a níveis elevados de radiação cósmica. A Agência Espacial Europeia (ESA) está cada vez mais focada em investigações para reduzir …