Abaixo-assinado apelida Bolsonaro de genocida após 550.000 mortes no Brasil

Joedson Alves / EPA

Jair Bolsonaro, Presidente do Brasil

Dezenas de personalidades e organizações da sociedade civil portuguesa subscreveram um abaixo-assinado de solidariedade internacional para com o Brasil, no qual apelidam o Presidente, Jair Bolsonaro, de “genocida” após mais de 550.000 mortes devido à covid-19.

“Nós, abaixo-assinados, manifestamos a nossa solidariedade ao povo brasileiro e extrema preocupação com o projeto de destruição nacional realizado pelo Governo de Jair Bolsonaro”, referem os signatários, que acrescentam que a gestão da pandemia de covid-19, responsável por 550.502 mortes no Brasil, é “a face mais visível de um trágico empreendimento”, noticiou a agência Lusa.

Os abaixo-assinados registam que a administração de Bolsonaro realizou “a destruição de ecossistemas e a venda de património nacional, o desejo de aniquilação de culturas e povos originários, ataques aos direitos humanos, às populações indígenas e quilombolas, a criminalização de ativistas e de movimentos sociais, além da perseguição aos grupos mais oprimidos, como as mulheres e a população LGBTQI+”.

Os signatários criticaram também a postura adotada por Bolsonaro, “que desde o início da pandemia (…) demonstrou o desprezo do Presidente e seus apoiantes para com a gravidade da situação”.

Entre as atitudes criticadas, estão discursos de minimização dos efeitos do vírus, o incitamento a ajuntamentos, o desprezo pelo uso de máscaras de proteção facial, a promoção de “remédios ineficazes” e a “recusa sistemática para a compra de vacinas”.

“É evidente o projeto genocida do Governo Bolsonaro, presente não só em suas declarações, mas também na adoção de medidas que facilitaram a propagação do vírus, em completa desconsideração para com a vida de milhares de brasileiros e brasileiras”, atiraram os signatários, entre os quais figuram associações de defesa dos direitos humanos, associações culturais ou políticas portuguesas e brasileiras.

No texto, proposto pela rede “#PortugalDenunciaBolsonaroGenocida”, composto pela Casa do Brasil de Lisboa, Coletiva Maria Felipa, Coletivo Alvorada Aveiro, Coletivo Andorinha, Solidariedade Brasileira e Vozes no Mundo, os autores reforçam que “os números são alarmantes” e mostram-se preocupados com a insegurança alimentar no país.

“A fome avança e a insegurança alimentar já atinge mais da metade dos lares brasileiros. Os fracassos na condução da política económica são uma evidência com aumento do custo de vida e desemprego. As pessoas pobres e negras são as mais atingidas”, referiram.

Nesse sentido, os signatários alinharam-se com os protestos realizados em todo o Brasil e pedem também “apoio internacional pelo fim do genocídio e ecocídio em curso no Brasil”.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo ao contabilizar 550.502 vítimas mortais e mais de 19,7 milhões de casos confirmados.

A pandemia provocou pelo menos 4.169.966 mortos em todo o mundo, entre mais de 194,6 milhões de casos de infeção, segundo a agência France-Presse. A doença foi detetada no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Vivo no Brasil, sou Português e refuto veementemente esse “abaixo assinado”. É descabido e imoral. Já que chamam o Bolsonaro de genocida, nada mais justo do que chamá-los esquerdistas fascitoides com tendências Castro-Chavistas.

RESPONDER

Bolsonaro garante que irá à Assembleia Geral da ONU mesmo sem estar vacinado

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, que recusa vacinar-se contra a covid-19, afirmou que participará ainda assim na Assembleia Geral da ONU, na próxima semana, em Nova Iorque, onde deverá ser exigido um certificado de vacinação. "Estarei …

PCP e Bloco defendem que há mais vida além do défice (e exigem "resposta aos problemas sociais")

A frase é de Jorge Sampaio, mas PCP e Bloco de Esquerda têm defendido a mesma ideia a cada oportunidade: há mais vida além do défice e combater as consequências económicas, sociais e financeiras da …

Roma ganhou por 5-1 mas Mourinho avisa: "Temos de falar com São Pedro"

Estreia dos italianos na fase de grupos Liga Conferência Europa da UEFA terminou com goleada sobre o CSKA Sofia mas, mesmo assim, o treinador da Roma não gostou do que viu. Nuno Espírito Santo e José …

Patrões querem testes obrigatórios nas empresas (com trabalhador a cobrir os custos)

António Saraiva, líder da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), defende a criação de legislação que obrigue os trabalhadores a serem testados à covid-19. Em declarações à Renascença, o líder do CIP conta que há empresas com …

Uma cidade romana submersa renasce na Turquia

Uma parte submersa da antiga cidade romana de Augusta ressurgiu depois de o nível da água do lago Seyhan ter descido devido à seca em Adana, no sul da Turquia. A cidade foi fundada por Tibério, …

Apoio a pais de crianças em isolamento profilático mantém-se a 100%

Os pais de crianças que têm de ficar em isolamento profilático têm direito a subsídio pago. A regra é válida para crianças menores de 12 anos. O subsídio pago aos trabalhadores que têm de ficar em …

Barbosa Ribeiro, que não quer ser o Rei Sol, distribuiu álcool gel para "desinfetar" a Câmara

Tiago Barbosa Ribeiro, candidato socialista à Câmara Municipal do Porto, rejeita a ideia de que não é muito conhecido, afasta a ambição de querer ser o "Rei Sol" e admite ficar na Invicta nos próximos …

Coronavírus: há 21 mil anos a causar pandemias

Os coronavírus só foram identificados como distintos dos vírus da gripe nos anos 60 do século passado, e neste houve apenas duas pandemias de coronavírus —  MERS e SARS — registadas antes da atual, mas …

Parlamento discute propostas para travar preços dos combustíveis e da eletricidade

Os deputados votam esta sexta-feira, no Parlamento, o diploma do Governo para limitar as margens de combustíveis, assim como uma série de outras propostas sobre energia, da responsabilidade de vários partidos. O Governo aprovou em julho, …

Marcelo admite que se "fechou uma página" - mas já deixou recados para o Natal

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta quinta-feira que Portugal é visto por outros países europeus como exemplo pela taxa de vacinação e combate à covid-19, mas que este "é um processo …