A tão famosa hormona do amor pode ajudar a curar corações partidos

Hayley Bouchard / Flickr

No passado, vários estudos sugerem que após uma lesão, como um ataque cardíaco, um subconjunto de células na membrana mais externa do coração, chamado epicárdio, tem uma nova identidade. 

A oxitocina, frequentemente chamada “hormona do amor”, pode ajudar a curar corações partidos — literalmente.

Num novo estudo de zebrafish e células humanas, os cientistas descobriram que a hormona feita pelo cérebro pode ajudar o tecido cardíaco a regenerar-se após uma lesão e, em teoria, poderia um dia ser utilizada no tratamento de ataques cardíacos, de acordo com os investigadores.

No entanto, como o novo estudo foi realizado em tanques de peixes e pratos de laboratório, este tratamento teórico ainda está longe de ser real.

A oxitocina foi apelidada de hormona do “amor” ou “carinho” pelo seu papel conhecido no estabelecimento de laços sociais e de confiança entre as pessoas, e os seus níveis aumentam frequentemente quando as pessoas se acariciam, têm sexo ou orgasmo.

Contudo, a chamada hormona do amor também serve muitas outras funções no corpo, tais como desencadear contrações durante o parto e promover a latação após o mesmo.

A oxitocina também ajuda a proteger o sistema cardiovascular de lesões, baixando a pressão arterial, reduzindo a inflamação e difundindo os radicais livres, um subproduto reativo do metabolismo celular normal.

O novo estudo, na revista Frontiers in Cell and Developmental Biology, destaca mais um benefício potencial da oxitocina: Pelo menos no zebrafish, a hormona ajuda o coração a substituir os cardiomiócitos feridos e mortos, as células musculares que potenciam as contracções cardíacas.

Os primeiros resultados em células humanas indicam que a oxitocina poderia estimular efeitos semelhantes em pessoas, se for fornecida com o timing e a dose correcta.

O coração tem uma capacidade muito limitada de reparar ou substituir tecido danificado ou morto, os autores do estudo destacaram. Mas vários estudos sugerem que após uma lesão, como um ataque cardíaco, um subconjunto de células na membrana mais externa do coração, chamado epicárdio, tem uma nova identidade.

Estas células migram para a camada de tecido do coração onde residem os músculos e transformam-se em células estaminais, que podem então transformar-se em vários tipos de células cardíacas, incluindo os cardiomiócitos.

De acordo com a Live Science, este processo tem sido largamente estudado em animais e há algumas evidências que sugerem que também pode ocorrer em humanos adultos.

Infelizmente, se o processo ocorrer em pessoas, parece desdobrar-se de forma demasiado ineficiente e em muito poucas células para resultar numa regeneração significativa dos tecidos após um ataque cardíaco.

Ao encorajar, de alguma forma, mais células epicárdicas a transformarem-se em cardiomiócitos, especulam os autores, os cientistas poderiam ajudar o coração a reconstruir-se a si próprio após uma lesão.

Os autores do estudo descobriram que podiam iniciar este processo em células humanas num prato de laboratório, expondo-as à oxitocina. Testaram também 14 outras hormonas cerebrais, mas nenhuma das outras conseguia coaxar as células para o estado desejado de talo necessário para fazer novos cardiomiócitos.

A equipa realizou posteriormente experiências de seguimento em zebrafish, um peixe da família dos peixinhos conhecido pela sua impressionante capacidade de regenerar tecidos no seu corpo, incluindo o cérebro, ossos e coração.

A equipa descobriu que, três dias após uma lesão cardíaca, o cérebro do peixe começou a bombear oxitocina como louco, produzindo até 20 vezes mais do que tinha antes da lesão, a equipa descobriu.

A hormona viajou então para o coração, ligou-se aos seus receptores e deu início ao processo de transformação das células epicárdicas em novos cardiomiócitos.

Estas experiências fornecem pistas precoces de que a oxitocina pode desempenhar um papel fundamental na reparação cardíaca após uma lesão, e ao potenciar os seus efeitos, os cientistas poderiam desenvolver novos tratamentos para melhorar a recuperação dos pacientes após ataques cardíacos e reduzir o risco de futura insuficiência cardíaca, concluíram os autores.

Estes tratamentos podem incluir medicamentos que contenham oxitocina ou outras moléculas que se possam ligar aos receptores da hormona.

“A seguir, precisamos de analisar a oxitocina nos seres humanos após uma lesão cardíaca”, explicou Aitor Aguirre, professor no Departamento de Engenharia Biomédica da Universidade do Estado do Michigan. “Globalmente, os ensaios pré-clínicos em animais e os ensaios clínicos em humanos são necessários para avançar”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.