A doença mais mortífera do mundo poderá ter extinguido os dinossauros

George Poinar, Jr./ Oregon State University

O registo mais antigo do Plasmodium da Malária, preservado em âmbar com 20 milhões de anos

O registo mais antigo do Plasmodium da Malária, preservado em âmbar com 20 milhões de anos

Um novo estudo analisou um insecto com mais de 100 milhões de anos, preservado em âmbar, e os seus resultados indicam que a estirpe ancestral mais antiga da malária provavelmente já infectava dinossauros.

A origem evolutiva do parasita da malária, a doença mais mortífera do mundo, pode ser mais antiga do que se pensava.

A investigação analisou um Ceratopogonidae, ou mosquito-pólvora picador do Cretáceo, que continha os restos de um parasita da malária extinto, o Paleohaemoproteus burmacis, que tem muitas semelhanças com as espécies contemporâneas de Plasmodium, que causam a malária.

“Eu acho que as provas fósseis mostram que a malária moderna espalhada por mosquitos tem pelo menos 20 milhões de anos de idade”, diz George Poinar Jr, autor principal do estudo, publicado o mês passado na revista científica American Entomologist.

“Formas iniciais da doença, transmitidas por moscas, tem pelo menos 100 milhões de anos e são, provavelmente, muito mais velhas”, acrescenta o cientista, citado pela IFLS.

Teoria controversa

Poinar suspeita também que, como a malária se reproduz em insectos, os mosquitos são provavelmente os hospedeiros primários da doença.

Esta origem antiga da malária pode também apoiar uma das teorias mais controversas de Poinar.

Em vez do impacto de um asteróide – ou talvez em conjunto com, Poinar sugere que a infecção parasitária pode ter contribuído para o declínio e eventual extinção dos dinossauros.

O investigador defende que a evolução da doença tem potencial de ter tido um impacto enorme sobre os animais.

“Sabemos que eventos catastróficos aconteceram próximo dessa altura, como impactos de asteróides e fluxos de lava”, diz Poinar.

“Mas parece claro que os dinossauros se extinguiram lentamente ao longo de milhares de anos, o que sugere que outras questões também devem ter tido um papel”, acrescenta.

“Os insectos, os patógenos microbianos e as doenças estavam apenas a emergir nessa época – incluindo a malária”, diz o investigador.

Estirpes mortais

Embora haja muitos tipos diferentes de malária que infectam diferentes organismos, poucos são mortais.

Por exemplo, apesar de haver pelo menos seis diferentes espécies de Plasmodium que infectam seres humanos, chimpanzés e gorilas, apenas a variedade humana é mortal.

Um estudo anterior tinha já identificado que esta espécie é derivada de um tipo de malária que infecta os gorilas.

Mas entretanto, um outro estudo mais recente descobriu que as espécies mortais que afectam os seres humanos não são assim tão antigas.

Efectivamente, a sua análise genética parece implicar que o Plasmodium dos nossos tempos só nasceu há cerca de 10.000 anos atrás.

ZAP / HypeScience

PARTILHAR

RESPONDER

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …

Autoeuropa quer recorrer ao lay-off (e retomar produção a 20 de abril)

A administração da Autoeuropa quer promover um regresso gradual ao trabalho a partir de 20 de abril, pretendendo recorrer ao lay-off simplificado para os trabalhadores que não regressem ao trabalho nessa data. “O regresso ao trabalho …

Ex-mulher de astronauta acusada de mentir sobre o "primeiro crime espacial"

A ex-mulher da astronauta da NASA Anne McClain, Summer Worden, foi acusada formalmente de mentir sobre o "crime espacial" que McClain terá cometido. Em agosto de 2019, o jornal norte-americano The New York Times noticiou que …

Em Singapura, os parques de estacionamento são agora quintas urbanas

A pandemia de covid-19 está a obrigar alguns países a adaptarem-se. É o caso de Singapura, que está a transformar os parques de estacionamento em quintas urbanas para aumentar a produção alimentar. Só 1% do território …

O empresário mais odiado do mundo quer sair da prisão (para desenvolver um medicamento para a covid-19)

Martin Shkreli, o empresário mais odiado do mundo, quer sair brevemente da prisão para ajudar a desenvolver um tratamento para a covid-19. Num artigo publicado no site da empresa de Shkreli, Prospero Pharmaceuticals, juntamente com outros …

Ceferin acusado de ganância. "Manter a Liga dos Campeões foi um ato criminoso irresponsável"

O primeiro-ministro da Eslovénia, Janz Jansa, teceu duras críticas à forma como a UEFA e o seu presidente, Aleksander Ceferin, lidaram com a fase inicial da pandemia de covid-19. "Manter a Liga dos Campeões foi um …