Quase 90 baleias salvas na Austrália. Equipas de resgate em contrarrelógio

(h) Tasmania Police

As equipas de resgate estão a trabalhar em contrarrelógio, esta quinta-feira, para tentar salvar 20 baleias-piloto das cerca de 500 que ficaram encalhadas na baía de Tasmânia, no sul da Austrália, sendo que 88 já foram salvas.

De acordo com os últimos dados das autoridades, um total de 88 baleias foram resgatadas, enquanto o número de espécimes mortos chega a cerca de 380.

As baleias foram encontradas encalhadas numa baía da Tasmânia, na segunda-feira, sendo o pior incidente deste tipo no país.

Após dias de intenso trabalho, funcionários e voluntários continuam a manter os cetáceos hidratados na areia para que, depois, possam ser rebocados com barcos para águas mais profundas na baía de Macquarie, no oeste da ilha-Estado da Tasmânia.

O diretor do Serviço de Controlo de Incidentes nos Parques Naturais da Tasmânia, Nic Deka, explicou que a contagem de cetáceos varia à medida que novos espécimes são descobertos e que, na sexta-feira, continuarão com o resgate de animais em melhores condições.

“Os animais estão a ser soltos em águas profundas fora da baía de Macquarie e já dependem de si mesmos. Estudos de rastreamento no passado mostraram que os animais soltos individualmente se reagrupam após um período de tempo”, disse Deka num comunicado.

As autoridades locais indicaram que tiveram de sacrificar quatro cetáceos, hoje, para evitar mais sofrimento.

“(…) Tentámos libertá-los e não deu certo. Não acreditámos que libertá-los fosse uma opção viável. O mais humano foi realizar a eutanásia“, disse a bióloga Kris Carlyon, do Programa de Conservação Marinha da Tasmânia.

As equipas de resgate continuam otimistas e garantem que, enquanto as baleias restantes estiverem vivas e na água, há esperança, embora com o passar do tempo fiquem esgotadas e a oportunidade de sobrevivência diminua.

Esses cetáceos são animais com forte vínculo familiar, portanto, muitos morrem durante o encalhe devido ao stress causado pela separação do grupo, enquanto outros o fazem por fadiga ou falta de oxigénio porque não se podem mover.

Os cientistas ainda não foram capazes de explicar porque é que as baleias às vezes se desviam das suas rotas e ficam presas em águas rasas.

Outro problema é a necessidade de se desfazer das carcaças das baleias mortas, devido aos inconvenientes sanitários e ecológicos que acarreta.

As autoridades estão a considerar vários planos, embora a opção mais viável, por enquanto, seja levá-las ao alto mar para evitar problemas de navegação perto da costa.

Não é a primeira vez que um grupo de baleias-piloto fica preso nas praias da Tasmânia, especialmente na baía de Macquarie, onde o último grande incidente ocorreu há uma década, quando cerca de 200 ficaram presas e, desde 1935, o número subiu para mais de 1100.

O maior encalhe registado no mundo ocorreu em 1918, quando cerca de mil baleias-piloto ficaram encalhadas nas ilhas Chatham, no sudeste da Nova Zelândia.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas estudam a presença de água líquida em exoluas de planetas "fugitivos"

Astrofísicos calcularam que tais sistemas poderiam abrigar água suficiente para tornar a vida possível - e sustentá-la. A água - no estado líquido - é o elixir da vida. Tornou a vida possível na Terra e …

Portugal tem o segundo melhor ataque do Euro. E a terceira pior defesa

Fechada a segunda jornada da fase de Grupos do Euro 2020, a seleção nacional tem o segundo melhor ataque da prova, com 5 golos marcados, atrás apenas da Itália. Mas tem também a terceira pior …

Espanha 1-1 Itália | Hino ao desperdício trama La Roja

A Polónia, comandada pelo treinador português Paulo Sousa, empatou hoje a um golo com a Espanha, em Sevilha, em encontro da segunda jornada do Grupo E do Euro2020, mantendo-se ambas sem vitórias. A formação espanhola, que …

Já pode ajudar a NASA a batizar o manequim que vai até à Lua

A agência espacial norte-americana está a pedir ajuda para batizar o "Moonikin", o manequim que vai a bordo da nave Orion, durante a missão lunar Artemis I, ainda este ano. Quando a nave espacial Orion, da …

Portugal em Europeus: as últimas três derrotas foram (todas) contra a Alemanha

Em 90 minutos, Portugal não era derrotado numa fase final de um Europeu desde a estreia no Europeu 2012. Recorde as seleções que bateram Portugal, até agora. "Já não posso ver os franceses à frente". Esta …

Spotify lança Greenroom (e abre concorrência ao Clubhouse)

O Spotify lançou na quarta-feira, dia 16 de junho, uma app de conversas por áudio em direto chamada Greenroom, uma resposta do gigante sueco de streaming de música à popular plataforma Clubhouse. O Greenroom permite que …

"Médicos de árvores" em Singapura ajudam a preservar os seus pacientes gigantes

Arboristas como Eric Ong são responsáveis pelo bem-estar das milhares de árvores em Singapura. O seu trabalho é essencial para a preservação da natureza. A Singapura é uma cidade-estado insular situada ao sul da Malásia, com …

Novo primeiro-ministro de Israel dá 14 dias a Netanyahu para deixar residência oficial

O novo primeiro-ministro de Israel, Naftali Benet, deu duas semanas ao antecessor Benjamin Netanyahu para abandonar a residência oficial do chefe de Governo, em Jerusalém, segundo adianta hoje a imprensa local. Benet terá enviado na sexta-feira …

Ponte inca com mais de 500 anos é reconstruída após cair durante a pandemia

Peruanos da comunidade Huinchiri, localizada na região de Cusco, estão a reconstruir uma ponte inca com 500 anos. Esta foi feita a partir de técnicas tradicionais de tecelagem para criar uma passagem sob o Rio …

Portugal 2-4 Alemanha | Reality check ao plano do engenheiro

A seleção portuguesa de futebol, campeã em título, caiu hoje para o terceiro lugar do Grupo F do Euro2020, ao perder por 4-2 com a Alemanha, em encontro da segunda jornada, disputado no Allianz Arena, …