Mais de 500 detidos nos protestos contra Lukashenko. Segue-se a greve geral

natallia_rak / Flickr

Protesto em Minsk, na Bielorrússia

A greve geral anunciada pela líder da oposição bielorrussa no exílio para exigir a saída do Presidente começou, esta segunda-feira, com protestos tímidos e detenções em todo o país.

“O prazo para cumprir as exigências do ultimato popular expirou. Hoje começa a greve popular, o novo passo dos bielorrussos rumo à liberdade, ao fim da violência e a novas eleições”, anunciou Svetlana Tikhanovskaya na sua conta do Telegram.

O prazo do ultimato dado pela oposição ao Presidente da Bielorrússia para este se demitir, libertar todos os presos políticos e travar a repressão policial terminou no domingo à noite, mas Alexander Lukashenko ignorou todas as exigências.

Ontem, o regime impôs a já habitual repressão policial nas manifestações, detendo mais de 500 pessoas, segundo o Ministério do Interior, pelo que a líder da oposição anunciou o início de uma greve nacional a partir de hoje de manhã.

Svetlana Tikhanovskaya, que foi a principal rival de Lukashenko nas eleições presidenciais de 9 de agosto, disse que os bielorrussos sabem que o objetivo desta segunda-feira é mostrar que “ninguém vai trabalhar para o regime”.

Funcionários de fábricas e empresas estatais, professores e alunos estão nas ruas a protestar desde a primeira hora do dia, garantiu.

A porta-voz do Governo, Alexandra Isáeva, afirmou, no entanto, numa mensagem divulgada no Facebook, que “todas as empresas do setor real da economia estão a funcionar normalmente” e que “as produções não pararam, como alguns canais do Telegram quiseram fazer acreditar”.

De acordo com o jornal independente Tut.by, é possível ver pequenos grupos de grevistas em frente a algumas fábricas, como a Belkommunmash, a Grodno Azot, a Belarusian Automotive Factory, a companhia telefónica MTS ou a Tractor Factory.

Estudantes de várias universidades também saíram à rua em apoio à greve, tendo-se reunido sobretudo em frente à Universidade Estatal da Bielorrússia, à Universidade Estatal de Linguística de Minsk e à Universidade Técnica Nacional da Bielorrússia.

Os manifestantes formaram correntes em várias ruas da capital, empunhando cartazes e bandeiras vermelhas e brancas, um símbolo da oposição bielorrussa.

A polícia iniciou imediatamente as detenções dos manifestantes, segundo denunciou a organização bielorrussa de direitos humanos Vesná no Telegram, referindo registar pelo menos 106 detidos, a grande maioria em Minsk e Grodno, embora também haja detenções em Brest, Lida e Novopoltsk.

A oposição bielorrussa exige a saída de Lukashenko desde as contestadas eleições presidenciais, que atribuíram ao líder bielorrusso, no poder há 26 anos, um sexto mandato.

As forças opositoras consideraram as eleições fraudulentas e desde então centenas de milhares de bielorrussos têm saído às ruas em protesto, manifestações essas que têm sido marcadas por uma forte e violenta repressão pelas forças de segurança da Bielorrússia.

Em meados de outubro, os chefes da diplomacia da União Europeia acordaram em avançar com sanções contra o Presidente. Esta decisão surge depois de um primeiro pacote de medidas restritivas – incluindo limitações à circulação ou congelamento de bens e contas – que abrangeu cerca de 40 personalidades ligadas ao regime bielorrusso.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

BCE reitera que retoma económica só em 2022 (e "enfraquecida")

Para Philip Lane, economista-chefe do Banco Central Europeu, a vacina traz uma perspetiva para o final do próximo ano e para 2022, mas não para os próximos seis meses. O economista-chefe do Banco Central Europeu (BCE), …

Ventura notificado para apresentar defesa em processo por discriminação

A Comissão para a Igualdade e contra a Discriminação Racial (CICDR) notificou André Ventura para apresentar a sua defesa na sequência de alegadas declarações de carácter discriminatório em relação à etnia cigana no Facebook. A comissão …

UNICEF prepara maior operação da história para administrar dois mil milhões de vacinas

A UNICEF anunciou hoje que está a analisar a logística de transporte de cerca de dois mil milhões de vacinas contra a covid-19 para 92 países e que esta será a maior operação internacional da …

China deteta surtos em três cidades e impõe bloqueios e milhões de testes

As autoridades chinesas estão a testar milhões de pessoas, a impor bloqueios e a fechar escolas depois de vários casos do novo coronavírus transmitidos localmente terem sido diagnosticados nos últimos dias, em três cidades. À medida …

Joe Biden escolhe Antony Blinken para secretário de Estado

O Presidente-eleito escolheu Antony Blinken - um dos seus assessores mais antigos e mais próximos de Joe Biden - para o cargo de secretário de Estado, decisão que ainda terá de ser validada pelo Senado …

Portugal regista mais 74 mortes e 4044 novos casos de covid-19

Portugal regista, esta segunda-feira, mais 74 mortes e 4044 novos casos de infeção por covid-19, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 4044 novos casos, 2258 …

Ordem dos Médicos quer alargar proibição de circulação aos dias entre os feriados

O Gabinete de Crise para a covid-19 da Ordem dos Médicos está a pedir ao Governo que pondere a possibilidade de manter a proibição de circulação entre concelho nos 12 dias das duas pontes - …

Deputada não inscrita Cristina Rodrigues consegue acordo do Governo para várias propostas

No segundo dia de votações do Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) na especialidade, a deputada não inscrita Cristina Rodrigues chegou a acordo com o Executivo para propostas como programas de saída e apoio a …

Admissão em lares dispensa teste se utente tiver cumprido isolamento há 90 dias

A Direção-Geral da Saúde alterou as normas para as estruturas residenciais para idosos, unidades de cuidados continuados da rede nacional e outras respostas para os mais velhos e instituições de acolhimento de crianças e jovens …

Empresas podem adiar pagamentos à Segurança Social para julho de 2021

As empresas e os trabalhadores independentes podem adiar o pagamento das contribuições para a Segurança Social para o segundo semestre de 2021 e pagar em três ou seis meses, sem juros. A medida foi avançada pelo …