2015, o ano das novas redes sociais?

B!T

-

Com a proliferação dos dispositivos móveis e dos serviços de Internet mobile emergiram novas redes sociais, que tentam usurpar a liderança das grandes forças do mercado. Nomes como Ello, Yik Yak e Tsu figuram entre os jovens aspirantes ao trono do setor das redes sociais, e procuram oferecer aos utilizadores novas funcionalidades.

Apesar de o Facebook ter entrado em 2014 com o pé esquerdo, a maior rede social do mundo rapidamente conseguiu recuperar a sua força e no terceiro trimestre registava receitas de 3,2 mil milhões de dólares e uma média superior a 1,35 mil milhões de utilizadores mensais.

Contudo, os grandes players do mercado das redes sociais têm sido, nos últimos tempos, flagelados com processos judiciais e coimas relativamente a incumprimentos das normas legais que visam proteger a privacidade dos cidadãos digitais.

Na sombra destas falhas, nasceram novas redes sociais cujas campanhas de conquista de utilizadores assentam na colmatação das vulnerabilidades e imperfeições dos grandes nomes do setor.

Assim, surgiu a Ello, uma rede social criada em março de 2014 nos Estados Unidos, considerada “anti-publicidade” e, acima de tudo, “anti-Facebook”.

Ao Jornal de Notícias, Rachel Fukaya, membro da Ello, afirma que a jovem empresa não vê o Facebook como uma real ameaça, acusando-o de ser uma plataforma publicitária, mais do que uma verdadeira rede social.

Fukaya esclareceu que a Ello operará sobre um modelo de venda de funcionalidades especiais com as quais os utilizadores podem aprimorar as suas contas. Mas a rede será sempre gratuita, garantiu.

Outra rede social que marcou 2014 foi a polémica Yik Yak. No ano passado, um investimento de 62 milhões de dólares, liderado pela Sequoia Capital, valeu à rede social uma valorização entre os 300 milhões e os 400 milhões de dólares, de acordo com informação avançada pelo Wall Street Journal.

A Yik Yak foi, no entanto, alvo de severas críticas, visto que, sendo popular entre os estudantes, era frequentemente utilizada como plataforma de bullying cibernético.

A rede social está presente em mais de 1,5 mil campus universitários nos Estados Unidos e consta do Top 60 das apps mais populares na App Store.

O Facebook e o Twitter foram já várias vezes criticados por não partilharem os lucros gerados por um determinado conteúdo com o utilizador que o produziu. A Tsu não é assim. Esta rede social nova-iorquina, criada em 2013, opera sob uma premissa: 90% das receitas publcitárias geradas serão entregues aos utilizadores.

Paralelamente, a Tsu quer também recompensar – monetariamente – aqueles que consigam avolumar a base de utilizadores da rede social.

Será que estas jovens empresas conseguirão competir com os poderosos lordes da esfera das redes sociais, como o Facebook, o Twitter e até o Instagram? O segredo está na inovação e na capacidade de mitigação das falhas que afetam as redes sociais de longas raízes e que levam os utilizadores a procurarem novas alternativas.

Filipe Pimentel, B!T

PARTILHAR

RESPONDER

Sporting 2-1 Santa Clara | Super-Coates volta a ser herói

Arrancado a ferros… à campeão? O Sporting esteve a poucos segundos de registar o terceiro empate em casa, perante um Santa Clara que não foi em nada inferior aos “leões” e até conseguiu ser superior em …

Os gatos demonstram ser menos leais do que os cães (mas pode haver uma razão)

Ainda existe um estereótipo sobre a diferença entre cães e gatos. Normalmente as pessoas associam os cães a animais amorosos e leais, enquanto os gatos são tidos como distantes e indiferentes. Um novo estudo pode …

O mistério do "lago dos esqueletos" na Índia intriga cientistas há décadas

O Roopkund, localizado na parte indiana dos Himalaias, é um lago glacial com centenas de ossos humanos. E ninguém sabe como foram lá parar. Em 1942, um guarda florestal revelou ao mundo a existência deste lago …

A fronteira mais importante da China é imaginária: a Linha Hu

A Linha Hu, também conhecida como linha Heihe-Tengchong, é uma linha imaginária que divida a China em duas partes com áreas quase iguais. Estende-se da cidade de Heihe até Tengchong. Desenhada pela primeira vez em 1935, …

Algumas pessoas moram em aeroportos durante meses (ou até mesmo anos)

Aeroportos não servem de casa apenas para os sem-abrigo. Há pessoas que, involuntariamente ou não, ficam lá durante meses e, em alguns casos, até mesmo anos. Em janeiro, as autoridades de Chicago prenderam um homem de …

Senado da Carolina do Sul aprova fuzilamento como método de execução

Com esta decisão, a Carolina do Sul poderá converter-se no quarto estado do país a incorporar este método de execução de pena de morte, depois do Utah, Oklahoma e Mississípi. De acordo com a agência noticiosa …

"Oxigénio tornou-se ouro". Criminosos lucram com a sua escassez no México

A pandemia de covid-19 deixou a Cidade do México a atravessar uma grande escassez de oxigénio médico. Criminosos estão a aproveitar para lucrar com a situação. A capital mexicana registou um pico de infeções e hospitalizações …

Meteorito do tamanho de um damasco caiu em França (e os astrónomos precisam de ajuda para encontrá-lo)

Os entusiastas do Espaço estão a ser instados a procurar um meteorito do tamanho de um damasco que caiu no fim de semana passado no sudoeste de França.  O meteorito, com peso estimado em 150 gramas, …

Professora pediu a alunos para fingir que eram escravos e escreverem carta para África

Uma professora de uma escola secundária no Mississippi, nos Estados Unidos, está a ser alvo de críticas devido a uma fotografia de um trabalho de casa divulgada nas redes sociais. Foi pedido aos alunos do 8.º …

Obra de Churchill que pertencia a Angelina Jolie vendida por valor recorde

O quadro pintado pelo antigo primeiro-ministro britânico foi vendido por 8,3 milhões de libras. A pintura foi um presente de Winston Churchill para o presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, e agora foi leiloada …