A cada 17 mil anos, há uma erupção capaz de mudar o mundo

R. Clucas / Wikimedia

Erupção do super-vulcão Redoubt vista de península de Kenai, no Alasca, 1990

Depois de analisar 100 mil anos de registo geológicos, os cientistas calcularam que o tempo entre erupções vulcânicas capazes de alterar o mundo é menor do que se pensava, fixando-se num máximo de 17 mil anos.

Os vulcões, tal como os asteróides, podem ser suficientemente poderosos para destruir a uma escala global. Uma recente avaliação descreve erupções capazes de devolver a humanidade a um estado anterior à civilização.

As maiores erupções explosivas denominam-se “super erupções” e expulsam mais de mil gigatoneladas de lava, o suficiente para cobrir um continente inteiro com cinza vulcânica e mudar os padrões climáticos globais durante décadas.

A equipa das Faculdades de Ciência da Terra e Matemáticas da Universidade de Bristol estimou com que frequência ocorrem as maiores erupções explosivas. A sua análise indica que o tempo médio entre super erupções é apenas um pouco maior do que a idade da civilização, que data da Revolução agrícola há 12 mil anos.

Um dos autores, Jonathan Rougier, professor de Ciências Estatísticas em Bristol, aponta que a estimativa anterior, feita em 2004, foi de que as super erupções ocorriam em média a cada 45 ou 714 mil anos, uma data maior do que a da civilização. “Mas no nosso documento voltamos a estimar este alcance entre 5.200 anos e 48 mil anos, com o melhor valor estimado de 17 mil anos“.

Segundo os registos geológicos, as duas super erupções mais recentes produziram-se há 20 ou 30 mil anos. O professor Rougier acrescenta que, no geral, o ser humano foi “ligeiramente afortunado” de não ter experimentado nenhuma super erupção desde então.

“É importante apreciar que a ausência de super erupções nos últimos 20 mil anos não implica que data uma data de vencimento. A natureza não é assim tão regular“, explica.

“O que podemos dizer é que os vulcões são mais ameaçadores para a nossa civilização do que se pensava anteriormente”, assinala. A civilização mudará de forma inimaginável nos próximos mil anos, e há muitas outras formas nas quais poderia sofrer um golpe catastrófico antes da próxima super erupção.

Sobre essa base, o professor Rougier diz que há pouca necessidade de planificar agora uma super erupção, especialmente com muitos outros problemas urgentes a abordar, o que afetará a atual e a próxima geração humana.

Mas as grandes erupções, que são muito mais frequentes, ainda podem ser devastadoras para as comunidades e até mesmo para os países. Por isso, uma planificação cuidada é crucial para a redução do risco de desastres.

De acordo com o documento, Rougier explica que, além de melhorar a compreensão do vulcanismo global, o documento aborda técnicas relativamente simples para analisar registos geológicos e históricos incompletos e propensos a erros sobre estes eventos raros.

“Estas dificuldades estão omnipresentes nos riscos geológicos e esperamos que o nosso foco seja utilizado para volta a avaliar outro tipo de perigos, como os terramotos”, conclui.

PARTILHAR

RESPONDER

Mais de 150 detidos em protestos violentos em Paris. Desta vez, sem coletes amarelos

As autoridades francesas detiveram este sábado mais de 150 pessoas numa nova jornada de protestos em Paris, onde coincidiram uma manifestação dos coletes "amarelos" com outras dois em defesa do clima e contra a reforma …

UE deteta 50 a 80 casos de desinformação e fake news russas por semana

O grupo de trabalho do Serviço Europeu de Ação Externa contra a desinformação russa deteta, semanalmente, entre 50 e 80 casos, num total de mais de 6.300 situações identificadas desde 2015, que têm vindo a …

Moreirense 1-2 Benfica | Rafa abre caminho à reviravolta

O Benfica sofreu a bom sofrer para levar de vencida o Moreirense, em casa deste, por 2-1. Os homens da casa marcaram primeiro, por Luther Singh, logo no arranque do segundo tempo, e estiveram na …

Bernardo Silva faz o primeiro 'hat-trick' da carreira na maior goleada de sempre do City

O avançado português Bernardo Silva fez este sábado o primeiro ‘hat-trick’ da carreira na vitória por 8-0 do Manchester City frente ao Watford, em jogo da sexta jornada da Liga inglesa de futebol. David Silva abriu …

Centenas foram à baixa de Lisboa protestar contra exploração do lítio

Cerca de quatro centenas de manifestantes de diferentes movimentos independentes de defesa do ambiente e de proteção do património rural protestaram hoje em Lisboa, contra a concessão e exploração a céu aberto do lítio em …

Rússia vai permitir que astronautas levem armas em viagens espaciais

Os astronautas russos vão começar a levar consigo uma arma de fogo durante as suas viagens espaciais. O objetivo é poderem afastar animais selvagens quando aterrarem em áreas remotas na Terra. A Rússia começou a armar …

Hotel no Peru vai ser demolido porque destruiu muro da época Inca

A justiça peruana determinou a demolição de um hotel da rede Sheraton que estava em construção em Cusco, por ter destruído, durante as obras, muros incas de 500 anos numa região considerada Património Cultural da …

No Museu do Louvre, os guias turísticos vão ser refugiados sírios e iraquianos

O Museu do Louvre, em Paris, vai treinar refugiados sírios e iraquianos como guias turísticos para os visitantes que solicitam um tour em árabe. Para os refugiados e requerentes de asilo, é agora gratuito entrar no …

Casal inglês tem um bebé com 17 meses (mas recusa-se a dizer se é menino ou menina)

Há casais que não querem saber o sexo do filho antes do momento do parto. Mas para um casal inglês, o parto da criança não acabou com o mistério em relação ao género. Decididos a proteger …

Costinha obrigou Maniche a corrigir livro por causa da história da camisola rasgada

O ex-internacional português Costinha processou o amigo e ex-colega de equipa no FC Porto Maniche por causa do livro "MANICHE 18, As Histórias (ainda) não contadas". Nele, Maniche conta que foi Costinha quem rasgou a …