A cada 17 mil anos, há uma erupção capaz de mudar o mundo

R. Clucas / Wikimedia

Erupção do super-vulcão Redoubt vista de península de Kenai, no Alasca, 1990

Depois de analisar 100 mil anos de registo geológicos, os cientistas calcularam que o tempo entre erupções vulcânicas capazes de alterar o mundo é menor do que se pensava, fixando-se num máximo de 17 mil anos.

Os vulcões, tal como os asteróides, podem ser suficientemente poderosos para destruir a uma escala global. Uma recente avaliação descreve erupções capazes de devolver a humanidade a um estado anterior à civilização.

As maiores erupções explosivas denominam-se “super erupções” e expulsam mais de mil gigatoneladas de lava, o suficiente para cobrir um continente inteiro com cinza vulcânica e mudar os padrões climáticos globais durante décadas.

A equipa das Faculdades de Ciência da Terra e Matemáticas da Universidade de Bristol estimou com que frequência ocorrem as maiores erupções explosivas. A sua análise indica que o tempo médio entre super erupções é apenas um pouco maior do que a idade da civilização, que data da Revolução agrícola há 12 mil anos.

Um dos autores, Jonathan Rougier, professor de Ciências Estatísticas em Bristol, aponta que a estimativa anterior, feita em 2004, foi de que as super erupções ocorriam em média a cada 45 ou 714 mil anos, uma data maior do que a da civilização. “Mas no nosso documento voltamos a estimar este alcance entre 5.200 anos e 48 mil anos, com o melhor valor estimado de 17 mil anos“.

Segundo os registos geológicos, as duas super erupções mais recentes produziram-se há 20 ou 30 mil anos. O professor Rougier acrescenta que, no geral, o ser humano foi “ligeiramente afortunado” de não ter experimentado nenhuma super erupção desde então.

“É importante apreciar que a ausência de super erupções nos últimos 20 mil anos não implica que data uma data de vencimento. A natureza não é assim tão regular“, explica.

“O que podemos dizer é que os vulcões são mais ameaçadores para a nossa civilização do que se pensava anteriormente”, assinala. A civilização mudará de forma inimaginável nos próximos mil anos, e há muitas outras formas nas quais poderia sofrer um golpe catastrófico antes da próxima super erupção.

Sobre essa base, o professor Rougier diz que há pouca necessidade de planificar agora uma super erupção, especialmente com muitos outros problemas urgentes a abordar, o que afetará a atual e a próxima geração humana.

Mas as grandes erupções, que são muito mais frequentes, ainda podem ser devastadoras para as comunidades e até mesmo para os países. Por isso, uma planificação cuidada é crucial para a redução do risco de desastres.

De acordo com o documento, Rougier explica que, além de melhorar a compreensão do vulcanismo global, o documento aborda técnicas relativamente simples para analisar registos geológicos e históricos incompletos e propensos a erros sobre estes eventos raros.

“Estas dificuldades estão omnipresentes nos riscos geológicos e esperamos que o nosso foco seja utilizado para volta a avaliar outro tipo de perigos, como os terramotos”, conclui.

PARTILHAR

RESPONDER

John Cleese esgota três coliseus em 48 horas

John Cleese vai estar no Coliseu de Lisboa com “Last Time To See Me Before I Die” durante três dias. O humorista britânico esgotou as três datas em apenas 48 horas. Durante esta madrugada (10), a …

Descoberta no Egito múmia de grande animal semelhante a um leão

O Ministério das Antiguidades egípcio anunciou esta segunda-feira que uma equipa de arqueólogos desenterrou uma múmia de um grande animal incomum, semelhante a um leão ou uma leoa. “É um animal muito estranho, como um gato …

Ex-agentes da DEA revelam detalhes da vida de Escobar na prisão que o próprio construiu

Dois dos agentes do DEA, que durante mais de um ano participaram na operação de captura de Pablo Escobar, revelaram alguns detalhes sobre a vida do narcotraficante e ex-líder do cartel de Medellín na prisão La …

Num jardim zoológico da Austrália, há concertos ao vivo (para entreter os elefantes)

https://vimeo.com/372400002 O jardim zoológico de Melbourne está a desenvolver um programa mundial de músicos para tocar para a sua multigeracional manada de elefantes asiáticos em perigo de extinção para que melhore a ligação entre os seis …

Montijo: ANA pede mais tempo para analisar medidas de mitigação ambiental

A ANA – Aeroportos de Portugal pediu à Agência Portuguesa do Ambiente (APA) uma prorrogação do prazo para analisar as medidas de mitigação propostas pela entidade na Declaração de Impacte Ambiental (DIA) do futuro aeroporto …

Sérgio Conceição ultrapassa número de jogos de José Mourinho

No jogo deste domingo, que o FC Porto acabou por vencer o Boavista com um golo solitário de Alex Telles, Sérgio Conceição cumpriu o seu 128.º jogo como treinador dos dragões - mais uma partida …

Governo australiano acusado de censurar livro sobre história de Timor-Leste

O Ministério dos Negócios Estrangeiros australiano está alegadamente a tentar censurar partes do primeiro de dois volumes da história de operações militares em Timor-Leste, o dedicado à Força Internacional para Timor-Leste (Interfet), segundo revelou a imprensa …

Norte-americanos acordaram com mensagens de texto estranhas nos seus telemóveis

Na passada quinta-feira, uma grande parte da população norte-americana recebeu mensagens estranhas e inexplicáveis, muitas das quais desconfortáveis e até preocupantes. Stephanie Bovee, uma norte-americana de 28 anos de Portland, no oeste dos Estados Unidos, acordou …

Pai que fugiu por 15 países com os dois filhos no ano passado encontrado pela PSP

O pai mudou 15 vezes de país com as crianças desde o verão passado sempre sem o consentimento da mãe e sem que a mãe tivesse qualquer notícia do paradeiro dos filhos, revela a PSP. A …

Daesh está a tentar criar um novo Estado islâmico nas Filipinas

Há dois anos que a bandeira negra do Daesh deixou de esvoaçar no topo de um edifício da cidade de Marawi, em Mindanau, no sul das Filipinas, e o Presidente, Rodrigo Duterte, declarou tê-lo derrotado. …