A cada 17 mil anos, há uma erupção capaz de mudar o mundo

R. Clucas / Wikimedia

Erupção do super-vulcão Redoubt vista de península de Kenai, no Alasca, 1990

Depois de analisar 100 mil anos de registo geológicos, os cientistas calcularam que o tempo entre erupções vulcânicas capazes de alterar o mundo é menor do que se pensava, fixando-se num máximo de 17 mil anos.

Os vulcões, tal como os asteróides, podem ser suficientemente poderosos para destruir a uma escala global. Uma recente avaliação descreve erupções capazes de devolver a humanidade a um estado anterior à civilização.

As maiores erupções explosivas denominam-se “super erupções” e expulsam mais de mil gigatoneladas de lava, o suficiente para cobrir um continente inteiro com cinza vulcânica e mudar os padrões climáticos globais durante décadas.

A equipa das Faculdades de Ciência da Terra e Matemáticas da Universidade de Bristol estimou com que frequência ocorrem as maiores erupções explosivas. A sua análise indica que o tempo médio entre super erupções é apenas um pouco maior do que a idade da civilização, que data da Revolução agrícola há 12 mil anos.

Um dos autores, Jonathan Rougier, professor de Ciências Estatísticas em Bristol, aponta que a estimativa anterior, feita em 2004, foi de que as super erupções ocorriam em média a cada 45 ou 714 mil anos, uma data maior do que a da civilização. “Mas no nosso documento voltamos a estimar este alcance entre 5.200 anos e 48 mil anos, com o melhor valor estimado de 17 mil anos“.

Segundo os registos geológicos, as duas super erupções mais recentes produziram-se há 20 ou 30 mil anos. O professor Rougier acrescenta que, no geral, o ser humano foi “ligeiramente afortunado” de não ter experimentado nenhuma super erupção desde então.

“É importante apreciar que a ausência de super erupções nos últimos 20 mil anos não implica que data uma data de vencimento. A natureza não é assim tão regular“, explica.

“O que podemos dizer é que os vulcões são mais ameaçadores para a nossa civilização do que se pensava anteriormente”, assinala. A civilização mudará de forma inimaginável nos próximos mil anos, e há muitas outras formas nas quais poderia sofrer um golpe catastrófico antes da próxima super erupção.

Sobre essa base, o professor Rougier diz que há pouca necessidade de planificar agora uma super erupção, especialmente com muitos outros problemas urgentes a abordar, o que afetará a atual e a próxima geração humana.

Mas as grandes erupções, que são muito mais frequentes, ainda podem ser devastadoras para as comunidades e até mesmo para os países. Por isso, uma planificação cuidada é crucial para a redução do risco de desastres.

De acordo com o documento, Rougier explica que, além de melhorar a compreensão do vulcanismo global, o documento aborda técnicas relativamente simples para analisar registos geológicos e históricos incompletos e propensos a erros sobre estes eventos raros.

“Estas dificuldades estão omnipresentes nos riscos geológicos e esperamos que o nosso foco seja utilizado para volta a avaliar outro tipo de perigos, como os terramotos”, conclui.

PARTILHAR

RESPONDER

"Evento raro". Nasceu uma baleia-branca no maior aquário do mundo (e o momento foi gravado)

Whisper, uma baleia-branca de 20 anos, deu à luz uma cria saudável em 17 de maio após uma gravidez de 15 meses, marcando a chegada do mais novo cetáceo do Georgia Aquarium, numa altura em …

Telemóveis são uma ferramenta poderosa contra a desigualdade de género em África

Ao dar às mulheres acesso a informação que, de outra forma, era quase impossível de obter, os telemóveis estão a salvar e a transformar vidas. De acordo com o site IFLScience, o estudo responsável por esta …

Desde março, morreram mais de 100 elefantes no Botsuana. Ninguém sabe porquê

As autoridades do Botsuana estão a investigar a morte de 110 elefantes na região do Delta do Okavango desde março, anunciou esta semana o Ministério do Meio Ambiente, Conservação de Recursos Naturais e Turismo daquele …

Um robô aprendeu a fazer uma omelete. E ficou melhor do que o esperado

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, treinou um robô a preparar uma omelete. Para os investigadores, avaliar se um robô cozinhou uma refeição com sucesso é uma fonte interessante de …

Covid-19 já matou mais no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães da II Guerra

A pandemia de covid-19 já matou mais pessoas no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães durante a II Guerra Mundial. O novo coronavírus oriundo da China já matou cerca de 50.000 pessoas em território …

Estudo mostra que os cães querem mesmo resgatar os seus donos do perigo

Um novo estudo mostra que os nossos amigos de quatro patas querem realmente salvar-nos em momentos de aflição, mas desde que saibam como o fazer. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 60 cães …

Derek Chauvin foi detido, mas os precedentes mostram que o polícia pode sair impune

Derek Chauvin, o polícia responsável pela morte de George Floyd, foi detido e aguarda a sua primeira audiência. No entanto, há precedentes que sugerem que o agente pode sair impune. Derek Chauvin tem a sua primeira …

Cientistas encontram dois fragmentos do meteorito de Barcelona

Cientistas espanhóis encontraram dois pequenos fragmentos do chamado meteorito de Barcelona, que caiu, há mais de 300 anos, no dia de Natal. No dia 25 de dezembro de 1704, um meteorito rasgou os céus e caiu …

"Pressionaram-me para o denunciar". Higuita recorda amizade com Escobar

A relação de amizade entre René Higuita e Pablo Escobar levou a que o ex-futebolista fosse seguido pelas autoridades. A polícia chegou a pressioná-lo para denunciar Escobar. O antigo internacional colombiano René Higuita é provavelmente uma …

George Floyd. Portugal junta-se às manifestações mundiais contra o racismo

Cinco cidades portuguesas juntam-se hoje à campanha de solidariedade mundial contra o racismo, associando-se à luta pela dignidade humana na sequência da morte, a 25 de maio, do afro-americano George Floyd, sob custódia da polícia …