A cada 17 mil anos, há uma erupção capaz de mudar o mundo

R. Clucas / Wikimedia

Erupção do super-vulcão Redoubt vista de península de Kenai, no Alasca, 1990

Depois de analisar 100 mil anos de registo geológicos, os cientistas calcularam que o tempo entre erupções vulcânicas capazes de alterar o mundo é menor do que se pensava, fixando-se num máximo de 17 mil anos.

Os vulcões, tal como os asteróides, podem ser suficientemente poderosos para destruir a uma escala global. Uma recente avaliação descreve erupções capazes de devolver a humanidade a um estado anterior à civilização.

As maiores erupções explosivas denominam-se “super erupções” e expulsam mais de mil gigatoneladas de lava, o suficiente para cobrir um continente inteiro com cinza vulcânica e mudar os padrões climáticos globais durante décadas.

A equipa das Faculdades de Ciência da Terra e Matemáticas da Universidade de Bristol estimou com que frequência ocorrem as maiores erupções explosivas. A sua análise indica que o tempo médio entre super erupções é apenas um pouco maior do que a idade da civilização, que data da Revolução agrícola há 12 mil anos.

Um dos autores, Jonathan Rougier, professor de Ciências Estatísticas em Bristol, aponta que a estimativa anterior, feita em 2004, foi de que as super erupções ocorriam em média a cada 45 ou 714 mil anos, uma data maior do que a da civilização. “Mas no nosso documento voltamos a estimar este alcance entre 5.200 anos e 48 mil anos, com o melhor valor estimado de 17 mil anos“.

Segundo os registos geológicos, as duas super erupções mais recentes produziram-se há 20 ou 30 mil anos. O professor Rougier acrescenta que, no geral, o ser humano foi “ligeiramente afortunado” de não ter experimentado nenhuma super erupção desde então.

“É importante apreciar que a ausência de super erupções nos últimos 20 mil anos não implica que data uma data de vencimento. A natureza não é assim tão regular“, explica.

“O que podemos dizer é que os vulcões são mais ameaçadores para a nossa civilização do que se pensava anteriormente”, assinala. A civilização mudará de forma inimaginável nos próximos mil anos, e há muitas outras formas nas quais poderia sofrer um golpe catastrófico antes da próxima super erupção.

Sobre essa base, o professor Rougier diz que há pouca necessidade de planificar agora uma super erupção, especialmente com muitos outros problemas urgentes a abordar, o que afetará a atual e a próxima geração humana.

Mas as grandes erupções, que são muito mais frequentes, ainda podem ser devastadoras para as comunidades e até mesmo para os países. Por isso, uma planificação cuidada é crucial para a redução do risco de desastres.

De acordo com o documento, Rougier explica que, além de melhorar a compreensão do vulcanismo global, o documento aborda técnicas relativamente simples para analisar registos geológicos e históricos incompletos e propensos a erros sobre estes eventos raros.

“Estas dificuldades estão omnipresentes nos riscos geológicos e esperamos que o nosso foco seja utilizado para volta a avaliar outro tipo de perigos, como os terramotos”, conclui.

PARTILHAR

RESPONDER

Feira do Livro do Porto partilha recandidatura de Moreira. "Foi erro de funcionária"

A câmara do Porto explicou que a partilha do ‘post’ sobre a recandidatura de Rui Moreira feita este domingo na página de Facebook da “Feira do Livro do Porto” se deveu a “erro de uma …

Emma, uma pequena rinoceronte, viajou para o Japão para encontrar o amor

Uma pequena rinoceronte branca de cinco anos viajou de Taiwan para o Japão. Tudo para encontrar o amor. Tal como muitos humanos, os planos de viagem de Emma acabaram por ter de ser adiados devido ao …

Países Baixos 3-2 Ucrânia | Futebol espectáculo em Amesterdão

Os Países Baixos, campeões em 1988, derrotaram hoje a Ucrânia, por 3-2, em jogo da primeira jornada do Grupo C do Euro2020 de futebol, disputado em Amesterdão. Os Países Baixos estiveram a ganhar por 2-0, com …

Esta pequena ilha nas Caraíbas já não tem restrições (e está a oferecer noites em hotéis)

A ilha de Curaçao está a suspender todas as restrições que foram implementadas no âmbito da pandemia de covid-19 e para comemorar está a oferecer estadias em hotéis para os turistas. Curaçao, um território holandês que …

10 estrangeiros do Benfica já jogaram em Europeus (duas estreias na mesma tarde)

Num espaço de seis horas, Seferović e Vertonghen juntaram-se à lista restrita. É um pouco extensa a lista de futebolistas portugueses que jogaram a fase final de um Europeu enquanto tinham contrato com o Benfica. Portugal participou …

"Clara desconexão". Empresas ganham milhões com o consumo de álcool por menores

Os jovens menores de idade consumiram 8,6% das bebidas alcoólicas vendidas em 2016, o que representa lucros de cerca de 17,5 mil milhões de dólares para as empresas. Os produtos das empresas AB Inbev, MillerCoors e …

Após 12 anos de Netanyahu no poder, Israel tem um novo primeiro-ministro

O Parlamento de Israel aprovou, este domingo, o Governo de coligação do novo primeiro-ministro Naftali Bennett, que sucede a Benjamin Netanyahu, que esteve no poder cerca de 12 anos. Dos 119 deputados presentes, de um Parlamento …

Áustria 3-1 Macedónia do Norte | Banco austríaco vale triunfo inédito

A Áustria estreou-se, este domingo, com um triunfo sobre a Macedónia do Norte, por 3-1, no Euro2020, no primeiro jogo do Grupo C da competição, disputado em Bucareste. Stefan Lainer (18 minutos), Michael Gregoritsch (78) e …

Facebook restringe conta de André Ventura

A rede social decidiu restringir, durante 24 horas, a conta do presidente e deputado único do Chega, após terem sido denunciadas duas publicações. De acordo com o Correio da Manhã, denúncias em duas publicações feitas por …

Com parecer desfavorável, arraial da IL juntou centenas (e fez mira a adversários)

A Iniciativa Liberal organizou, este sábado, apesar do parecer desfavorável das autoridades de saúde, um arraial comício, onde se juntaram centenas de pessoas, para dar "esperança" a Lisboa e mostrar que "não há impossíveis". No seu …