WhatsApp vai passar a ser totalmente gratuito

A aplicação vai abandonar o modelo de subscrição que obrigava os utilizadores a pagar 99 cêntimos por ano, tornando-se assim completamente gratuito.

Até aqui, os mais de 900 milhões de utilizadores do WhatsApp tinham de pagar anualmente à empresa homónima cerca de 99 cêntimos, uma taxa cujo fim o CEO da aplicação, Jan Koum, anunciou esta segunda-feira, na conferência DLD em Munique.

Em vez de cobrar aos utilizadores uma subscrição anual, o WhatsApp vai focar a monetização da app através da criação de parcerias com empresas, isto é, à semelhança do Messenger, a aplicação vai passar a ser um veículo de comunicação das empresas com os seus clientes para, por exemplo, estes receberem notificações relativas a atrasos nos voos, fazerem reservas de restaurantes ou obterem alertas por uso indevido de um cartão bancário.

“Cerca de mil milhões de pessoas em todo o mundo usam o WhatsApp para estar em contacto com os seus amigos e familiares. Desde um recém-pai na Indonésia a partilhar fotos com a sua família, a um estudante em Espanha a reencontrar-se com os amigos da terra natal, ou um médico no Brasil a manter o contacto com os seus pacientes, as pessoas confiam no WhatsApp por ser rápido, simples e fiável”, lê-se no comunicado entretanto lançado no blogue oficial da empresa.

O WhatsApp quer quer as comunicações com os negócios sejam tão fáceis como as comunicações com familiares e amigos, disse o CEO em Munique.

Contudo, a nova estratégia está ainda em fase embrionária e a empresa está apenas a comunicar as suas intenções para o futuro. Um futuro que passa, todavia, por manter o WhatsApp livre dos habituais anúncios.

Em 2014, o Facebook comprou a empresa responsável pelo WhatsApp por 19 mil milhões de dólares, garantindo manter o serviço independente – uma promessa que tem cumprido.

Koum explica que a rede social de Mark Zuckerberg tem ajudado o WhatsApp a crescer e a tornar-se um melhor produto ao longo dos últimos meses.

A decisão de abandonar o modelo de subscrição foi tomada em conjunto pelas duas empresas e prendeu-se, sobretudo, com o facto de este funcionar como um atrito para o crescimento da app.

“É difícil as pessoas pagarem, especialmente se não têm cartões de crédito ou contas bancárias. Não queremos que pensem que o seu contacto com o mundo pode ser cortado por causa disso”, afirma Koum.

O facto de o WhatsApp pertencer ao Facebook significa, na prática, que a app beneficia da infraestrutura técnica da maior rede social do mundo, incluindo o sistema de distribuição e armazenamento de conteúdo multimédia.

Tratar de fotos e vídeo é especialidade do Facebook, o que, na prática, significa um WhatsApp mais rápido. “Não temos de gerir milhares de máquinas e contratar 20 engenheiros”, acrescentou.

Ao longo das próximas semanas, o WhatsApp vai remover a obrigação de pagar 99 cêntimos por ano, depois de um primeiro ano gratuito, das várias versões da sua app.

ZAP / Shifter

PARTILHAR

RESPONDER

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …

Autoeuropa quer recorrer ao lay-off (e retomar produção a 20 de abril)

A administração da Autoeuropa quer promover um regresso gradual ao trabalho a partir de 20 de abril, pretendendo recorrer ao lay-off simplificado para os trabalhadores que não regressem ao trabalho nessa data. “O regresso ao trabalho …

Ex-mulher de astronauta acusada de mentir sobre o "primeiro crime espacial"

A ex-mulher da astronauta da NASA Anne McClain, Summer Worden, foi acusada formalmente de mentir sobre o "crime espacial" que McClain terá cometido. Em agosto de 2019, o jornal norte-americano The New York Times noticiou que …

Em Singapura, os parques de estacionamento são agora quintas urbanas

A pandemia de covid-19 está a obrigar alguns países a adaptarem-se. É o caso de Singapura, que está a transformar os parques de estacionamento em quintas urbanas para aumentar a produção alimentar. Só 1% do território …

O empresário mais odiado do mundo quer sair da prisão (para desenvolver um medicamento para a covid-19)

Martin Shkreli, o empresário mais odiado do mundo, quer sair brevemente da prisão para ajudar a desenvolver um tratamento para a covid-19. Num artigo publicado no site da empresa de Shkreli, Prospero Pharmaceuticals, juntamente com outros …

Ceferin acusado de ganância. "Manter a Liga dos Campeões foi um ato criminoso irresponsável"

O primeiro-ministro da Eslovénia, Janz Jansa, teceu duras críticas à forma como a UEFA e o seu presidente, Aleksander Ceferin, lidaram com a fase inicial da pandemia de covid-19. "Manter a Liga dos Campeões foi um …