Os vulcões emitem até cem vezes menos carbono do que a humanidade

Earth Observatory / Wikimedia

Erupção no vulcão Sarychev, na Rússia

Se analisarmos os últimos 100 anos, concluímos que as emissões de carbono da humanidade – a queima de combustíveis fósseis, por exemplo – são 40 a 100 vezes maiores do que todas as emissões vulcânicas.

Segundo uma atualização das estimativas do balanço total de carbono na Terra, realizada por cientistas do Deep Carbon Observatory, as emissões de carbono da humanidade são 40 a 100 vezes maiores do que todas as emissões vulcânicas.

De acordo com o relatório, cerca de 43.500 gigatoneladas (Gt) do carbono total da Terra são encontrados na superfície dos oceanos, na terra e na atmosfera. O restante é subterrâneo, incluindo a crosta, manto e núcleo, estimados em 1.850 milhões de Gt.



O CO2 emitido para a atmosfera de vulcões e outras regiões magicamente ativas é estimado em 280 a 360 milhões de toneladas (0,28 a 0,36 Gt) por ano, incluindo o dióxido de carbono libertado nos oceanos pelas cordilheiras do oceano médio.

O ciclo profundo de carbono na Terra através do tempo profundo revela uma estabilidade equilibrada a longo prazo do CO2 atmosférico, interrompida por grandes distúrbios, incluindo imensas e catastróficas libertações de magma que ocorreram, pelo menos, cinco vezes nos últimos 500 milhões de anos.

Durante esses eventos, grandes volumes de carbono foram desgaseificados, o que levou a uma atmosfera mais quente, oceanos acidificados e extinções em massa.

Da mesma forma, um gigantesco impacto de meteorito há 66 milhões de anos, o evento Chicxulub na Península de Yucatán, no México, libertou entre 425 e 1.400 Gt de CO2, aqueceu rapidamente o planeta e coincidiu com a extinção em massa de plantas e animais, incluindo os famosos dinossauros.

Segundo o Europa Press, nos últimos 100 anos, as emissões de atividades antropogénicas, como a queima de combustíveis fósseis, foram 40 a 100 vezes maiores do que as emissões geológicas de carbono do nosso planeta.

Marie Edmonds, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, e cientista do Deep Carbon Observatory, explicou, em comunicado, que o carbono move-se do manto à atmosfera. “Para garantir um futuro sustentável, é muito importante que compreendamos todo o ciclo de carbono da Terra.”

“A chave para desvendar o ciclo natural de carbono do planeta é quantificar quanto carbono existe e onde, quanto carbono se move (fluxo) e com que rapidez, dos depósitos profundos da Terra à superfície e vice-versa”, rematou a especialista.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Greve na CP até terça-feira pode causar "fortes perturbações" na circulação de comboios

Os trabalhadores das bilheteiras e revisores da CP iniciam hoje uma greve nacional de três dias, até terça-feira, que a empresa admite que possa causar "fortes perturbações" na circulação de comboios a nível nacional. A adesão …

FDA avisa: não coma cigarras se for alérgico a frutos do mar

As cigarras surgiram este ano em todo o leste dos Estados Unidos, mas se tem alergia a frutos do mar, é melhor evitar comer os insetos. À medida que as cigarras começam a surgir nos Estados …

Guarda-redes deixou o jogo para ajudar um adepto

Episódio pouco habitual aconteceu em Travanca. Luís Rodrigues viu um cartão branco mostrado pelo árbitro. Nesta quinta-feira, 3 de junho, realizou-se a quinta jornada da segunda fase (apuramento de campeão) da zona Norte da 1.ª divisão …

Sinais Wi-Fi "desperdiçados" podem alimentar pequenos dispositivos eletrónicos

Uma equipa de cientistas quer aproveitar a energia não utilizada dos sinais Wi-Fi para carregar pequenos dispositivos eletrónicos. O objetivo é captar e converter o excesso de frequências de rádio em eletricidade, evitando assim o …

Japão quer lançar robô transformável para explorar a Lua

A Agência Espacial Japonesa (JAXA) anunciou na semana passada que quer colocar um Robô Lunar Transformável na Lua. Sessenta anos depois do presidente Kennedy virar os olhares para a Lua, a ideia de voltar a pisar …

O mais pequeno porco do mundo, considerado extinto, regressou à natureza

O porco-pigmeu, "redescoberto" em 1971, está a aumentar em número a sua população devido à criação em cativeiro na Índia. O porco-pigmeu, com cerca de 25 centímetros de altura, já vagueou pelos Himalaias e regiões fronteiriças …

Cérebro de índios de tribo amazónica envelhece de forma diferente da restante população

O cérebro dos índios da tribo amazónica tsimane envelhece de maneira diferente da dos norte-americanos ou europeus, resultando numa mais lenta redução do volume cerebral e, muito provavelmente, num menor risco de deficiências cognitivas. A conclusão …

Há novas regras no futebol. Mão na bola acidental de colega antes do golo deixa de ser falta

A mão na bola acidental de um colega de equipa antes de um futebolista marcar um golo ou protagonizar uma oportunidade vai deixar de ser falta a partir do Euro2020, anunciou hoje a UEFA. "Mão na …

Uma das ilhas mais visitadas da Tailândia já tem data para reabrir portas ao turismo

Numa altura em que a Tailândia ainda luta contra uma terceira vaga de covid-19, as autoridades revelam que a popular ilha de Phuket irá reabrir aos turistas internacionais no próximo mês. A Autoridade de Turismo da …

"Naturalizei-me por causa dos Jogos Olímpicos. Brasil é mais racista do que Portugal"

Relatos incríveis de Rochele Nunes, que espera conquistar uma medalha em Tóquio. Mundiais de Judo começam neste domingo. Considera-se uma "negra privilegiada", cresceu num ambiente familiar pacífico, teve uma infância muito boa, mas tem vários episódios …