Vírus ataca cancro cerebral e ainda ajuda o sistema imunitário a atuar

(dr) baycrest.org

Este vírus, inserido na corrente sanguínea, não só se mostrou capaz de atacar as células cancerígenas neste tipo de cancro, como também conseguiu estimular o sistema imunitário para atacar o tumor.

O estudo, liderado por cientistas da Universidade de Leeds e do Instituto de Pesquisa do Cancro em Londres, no Reino Unido, descobriu que o vírus, que ocorre naturalmente, poderia atuar como uma imunoterapia efetiva em pacientes com cancro cerebral ou outros tipos de cancro que se espalharam para este órgão.

Os vírus que têm potencial para o tratamento de cancro são conhecidos como vírus oncolíticos e, neste caso, o que foi usado chama-se ortoterovírus mamífero tipo 3, da família dos reovírus. Cientistas já tinham demonstrado que este vírus mata células tumorais, mas poupa as células saudáveis​.

A principal dúvida dos investigadores era se o vírus seria capaz de ultrapassar a barreira hematoencefálica (BHE), uma membrana que protege o cérebro de agentes patogénicos.

Caso não fosse possível, a única maneira de colocar o vírus no cérebro seria injetá-lo diretamente, algo que, além de desafiador, não seria adequado para todos os pacientes e não poderia ser repetido de uma forma regular. Mas as pesquisas demonstraram que o vírus poderia ser administrado através de uma dose única de gotejamento intravenoso.

O teste foi feito com nove pacientes que tinham cancro noutros órgãos e que se espalharam para o cérebro ou então gliomas de rápido crescimento, um tipo de cancro cerebral muito difícil de tratar. Todos estavam prestes a ser sujeitos a uma cirurgia para remover os tumores mas, nos dias anteriores às operações, começaram a receber o tratamento com este vírus.

Quando os tumores foram removidos, foram recolhidas e analisadas amostras para procurar sinais de que o vírus tinha conseguido atingir o cancro que, às vezes, estava profundamente escondido dentro do cérebro. Em todos os pacientes, houve sinais de que o vírus atingiu o seu objetivo.

Uma surpresa

E foi então que os cientistas tiveram uma surpresa: descobriram que a presença do reovírus estimulou o próprio sistema imunitário a atacar o cancro porque foram atraídos glóbulos brancos ou células T para o local do tumor.

“Este estudo era sobre mostrar que um vírus poderia ser entregue a um tumor no cérebro. Não só conseguiu atingir o seu alvo, como houve sinais de que estimulou as próprias defesas imunes do corpo para atacar o cancro”, explica Adel Samson, professor da Universidade de Leeds e um dos autores do estudo.

“Esta é a primeira vez que se demonstrou que um vírus terapêutico pode passar pela barreira do cérebro, o que abre a possibilidade de que este tipo de imunoterapia possa ser usada para tratar mais pessoas com cancro de cérebro agressivo”, diz ainda.

Como o nosso sistema imunitário não tem muita facilidade a detectar células cancerígenas, uma vez que são muito parecidas com as nossas células saudáveis, o que um tratamento como este faz é colocar uma espécie de marca de doença nestas células.

“Os nossos sistemas imunitários não são muito bons a ‘ver’ os cancros – em parte porque as células cancerosas são muito parecidas com as células do próprio corpo e, em parte, porque os cancro são bons em ‘dizer’ às células imunes que fechem os olhos”, explica Alan Melcher, professor do Instituto de Pesquisa do Cancro de Londres e também autor deste estudo, agora publicado na Science Translational Medicine.

“Mas o sistema imunitário é muito bom a ‘ver’ o vírus. No nosso estudo, conseguimos mostrar que o reovírus poderia infetar células cancerosas no cérebro. E, o que é mais importante, os tumores cerebrais infetados com o reovírus tornaram-se muito mais visíveis para o sistema imunitário”, acrescenta.

Próximos passos

Agora que sabem que o vírus é capaz de ultrapassar a barreira hematoencefálica, o objetivo dos investigadores é descobrir quão efetivo o tratamento pode ser. No Hospital St James, em Leeds, já começou um novo teste onde os pacientes vão receber o reovírus em combinação com o tratamento padrão de radioterapia e quimioterapia que acompanha a cirurgia.

Embora o teste anterior tenha demonstrado que o reovírus atingiu as células cancerígenas depois de apenas uma dose única, os médicos decidiram fazer o tratamento repetidamente, com mais doses aos pacientes, por causa do “pontapé inicial” que o tratamento deu às próprias defesas do corpo.

O tratamento está a ser liderado por Susan Short, professora de oncologia clínica da Universidade de Leeds. “A presença de cancro no cérebro amortece o sistema imunitário do corpo. A presença do reovírus neutraliza isso e estimula o sistema de defesa a entrar em ação. A nossa esperança é que o efeito adicional do vírus no aumento da resposta imune do corpo ao tumor aumente a quantidade de células tumorais que são mortas pelo tratamento padrão, radioterapia e quimioterapia”, explica.

A investigadora destaca que há muito tempo que não havia novidades no tratamento do cancro cerebral. “A pesquisa que está a acontecer na Universidade de Leeds e noutros lugares está a começar a oferecer uma nova abordagem”, destaca.

PARTILHAR

RESPONDER

Portugueses criam nanomateriais feitos de algas para despoluir água

De algas abundantes no litoral de Portugal, investigadores da Universidade de Aveiro extraíram biopolímeros capazes de remover alguns poluentes da água, como antibióticos ou herbicidas. Uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro (UA) demonstrou que …

O novo Oumuamua pode ter sido captado numa fotografia a cores

Os astrónomos do Observatório Gemini no Hawai tiraram a primeira fotografia do GB00234, agora rebatizado para C/2019 Q4 Borisov, um objeto que pode ser o segundo corpo celeste interestelar a entrar no Sistema Solar. A imagem …

Volkswagen revela o novo ID.3, "o carro elétrico do povo"

https://vimeo.com/360579859 No Salão Automóvel da Frankfurt, a Volkswagen revelou o novo ID.3, o seu primeiro carro elétrico. Com um preço "abaixo dos 30 mil euros", é tido como acessível para as massas. A revolução dos automóveis elétricos …

Benfica 1-2 Leipzig | Águias sem asas para o Leipzig

O Benfica arrancou a sua participação na fase de grupos da Liga dos Campeões 2019/20 da pior forma, com uma derrota caseira por 2-1. A formação “encarnada” recebeu o Leipzig e nunca conseguiu dominar o futebol …

A faca, o casaco, a secretária e outros objetos de Anthony Bourdain vão a leilão

Uma faca feita a partir de um meteorito, um casaco personalizado da marinha norte-americana e uma prensa para ossos de pato são três dos 215 objetos de Anthony Bourdain que vão ser colocados à venda …

Já vai poder dormir no castelo de "Downton Abbey" (mas com algumas condições)

O castelo de Highclere, que os fãs da série Downton Abbey conhecem como a casa da família ficional Crawley, está a receber hóspedes. O conde de Carnarvon resolveu abrir as portas a apenas dois convidados, a …

Tinder produz a sua primeira série de televisão (e é “apocalíptica”)

A aplicação de encontros Tinder já terminou as filmagens da sua primeira série de televisão no âmbito da intenção do seu proprietário, o Match Group, de aprofundar a criação de conteúdos originais. Fazer novos programas faz …

Sondagens à boca das urnas mostram empate técnico entre Netanyahu e Gantz

O primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu e Benny Gantz, antigo chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas que lidera a coligação centrista, estão numa situação de empate técnico nas primeiras sondagens à boca das urnas. Esta terça-feira, …

Dois youtubers detidos a tentar invadir a Área 51

Quatro dias antes do evento mundial, dois youtubers adiantaram-se e foram detidos na última terça-feira por tentarem invadir a Área 51, uma base militar secreta dos Estados Unidos. Ties Granzier e Govert Sweep, dois holandeses de …

Onda de bebés nascidos com mãos deformadas abre investigação na Alemanha

As autoridades de saúde lançaram uma investigação depois de três bebés nasceram com deformações raras das mãos nos últimos quatro meses num hospital alemão. "Entre junho de 2019 e o início de setembro de 2019, um …