Antes da erupção do Vesúvio, as ruas de Pompeia eram reparadas com ferro fundido

Howard Stanbury / Flickr

Funcionários antigos usavam ferro fundido para reparar as ruas de Pompeia antes da história e devastadora erupção do Vesúvio em 79 a.C.

A descoberta revela um método até então desconhecido da reparação das ruas romanas antigas e representa “a primeira comprovação em larga escala do uso romano do ferro fundido”, escreveram os investigadores Eric Poehler, professor de clássicos da Universidade de Massachusetts Amherst; Juliana van Roggen; e Benjamin Crowther, da Universidade do Texas em Austin, num artigo publicado no American Journal of Archaeology.

Quando o Monte Vesúvio entrou em erupção, cobriu a cidade de cinzas e lava. Embora a erupção tenha matado muitos dos habitantes de Pompeia, também preservou a cidade no tempo. Muitas das ruas de Pompeia foram pavimentadas com pedra, mas em julho de 2014, os arqueólogos descobriram que, com o tempo, a passagem dos carros desgastou as pedras formando buracos profundos.

Repavimentar ruas era um processo caro e demorado, de acordo com registos históricos e vestígios arqueológicos. “Uma opção para conserto, a completa repavimentação em pedra, era um empreendimento difícil e caro que pode bloquear importantes rotas numa cidade durante meses”, escreveram os investigadores.

Isso era um problema para o povo de Pompeia, uma vez que algumas das muitas ruas da cidade poderiam ficar desgastadas rapidamente. “Investigações em Pompeia mostraram que volumes particularmente altos de tráfego concentrados em ruas estreitas poderiam desgastar até mesmo uma superfície pavimentada de pedra em apenas algumas décadas”.

Depois de o ferro derretido ter sido derramado, encheu os furos e endureceu enquanto arrefecia. Além do ferro, outros materiais como pedra, pedaços de terracota e cerâmica também foram inseridos nos buracos para ajudar a preenchê-los. Este método de reparo era mais barato e mais rápido do que repavimentar uma rua. “A forma como os romanos introduziram o material de ferro liquefeito nas ruas de Pompeia permanece um mistério”, escreveram os investigadores.

Os romanos teriam de aquecer ferro ou escória de ferro entre 1.100 a 1.600ºC, dependendo do tipo de ferro a ser derretido, de acordo com os cientistas, observando que os fornos romanos reconstruídos conseguiriam atingir essas temperaturas.

Foram encontrados numerosos exemplos de gotas de ferro em secções de ruas que não precisavam de conserto, o que sugere que o ferro derretido, às vezes, era derramado acidentalmente enquanto era levado para as ruas de Pompeia.

É provável que os escravos levassem o ferro fundido através de Pompeia, disse Poehler, observando que as cidades romanas tinham escravos públicos e magistrados – altos funcionários que detinham poder nas cidades romanas – que poderiam ter usado os seus próprios escravos para realizar tarefas como consertos de rua.

Agora, os investigadores esperam analisar a química do ferro para descobrir de onde foi extraído. Há ainda mais ruas em Pompeia para estudar.

PARTILHAR

RESPONDER

Nicolas Sarkozy vai mesmo ser julgado por corrupção

A justiça francesa validou definitivamente a realização do julgamento do ex-Presidente num caso revelado por escutas telefónicas em que é nomeadamente acusado de corrupção de um magistrado. De acordo com a AFP, o Tribunal de Recurso de …

Luís Filipe Vieira pediu informações sobre Keylor Navas em Madrid

O presidente do Benfica aproveitou a visita a Madrid para saber mais pormenores sobre a situação do guarda-redes dos merengues. O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, dirigiu-se na passada segunda-feira a Madrid para ultimar os …

Jovens que acusaram Harry de “traição da raça” condenados com pena de prisão

O caso remonta a dezembro de 2018, quando surgiram as primeiras notícias de uma investigação da BBC que envolvia a família real britânica. Um grupo neonazi era responsável por uma propaganda online onde sugeriam que o …

UEFA confirma três jogos de suspensão para Neymar

A UEFA anunciou, esta quarta-feira, que rejeitou o recurso do Paris Saint-Germain e manteve os três jogos de suspensão a Neymar, na sequência de insultos aos árbitros na partida com o Manchester United, da Liga …

Transportes estão cada vez mais cheios. Carris vai comprar 100 novos autocarros

A Carris vai lançar dois concursos para a aquisição de 100 novos autocarros, 70 dos quais a gás natural e 30 elétricos, anunciou o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina. Falando na apresentação da …

Apenas 59% dos habitantes da Europa ocidental confiam na vacinação. França é o país com mais dúvidas

Na Europa oriental, apenas metade da população olha para as vacinas como uma forma segura de prevenção de saúde. No caso da zona ocidental, o número sobe para os 59%, mas fica ainda distante dos …

César Peixoto é o novo treinador da Académica

O antigo futebolista é o novo treinador da Académica, sucedendo a João Alves no comando técnico dos estudantes, anunciou o clube que integra a II Liga portuguesa. César Peixoto vai ser apresentado às 17h00, em conferência …

Tribunal diz que ausência de resistência de vítima de violação é "desejo de sobreviver"

Quando as vítimas não resistem, revelam "o desejo de sobreviver a uma situação cujo controlo não detêm", adotando um comportamento de preservação, diz o Tribunal da Relação de Lisboa. O Tribunal da Relação de Lisboa considerou …

Draghi abre a porta a cortes nas taxas de juro

Mario Draghi afirmou esta terça-feira que se o objetivo de ficar abaixo dos 2% de inflação estiver ameaçado, "estímulos adicionais serão necessários". O presidente do BCE admitiu mesmo uma descida das taxas. O presidente do BCE, Mario …

SNS dá “sinais de cansaço” e tem sistema “que não é amigo do cidadão”

A Convenção Nacional da Saúde concluiu esta terça-feira que o SNS “dá sinais de cansaço” e avisa que os portugueses “não podem ter listas de espera de anos” por consultas ou cirurgias, nem ter “enormes …