Antes da erupção do Vesúvio, as ruas de Pompeia eram reparadas com ferro fundido

Howard Stanbury / Flickr

Funcionários antigos usavam ferro fundido para reparar as ruas de Pompeia antes da história e devastadora erupção do Vesúvio em 79 a.C.

A descoberta revela um método até então desconhecido da reparação das ruas romanas antigas e representa “a primeira comprovação em larga escala do uso romano do ferro fundido”, escreveram os investigadores Eric Poehler, professor de clássicos da Universidade de Massachusetts Amherst; Juliana van Roggen; e Benjamin Crowther, da Universidade do Texas em Austin, num artigo publicado no American Journal of Archaeology.

Quando o Monte Vesúvio entrou em erupção, cobriu a cidade de cinzas e lava. Embora a erupção tenha matado muitos dos habitantes de Pompeia, também preservou a cidade no tempo. Muitas das ruas de Pompeia foram pavimentadas com pedra, mas em julho de 2014, os arqueólogos descobriram que, com o tempo, a passagem dos carros desgastou as pedras formando buracos profundos.

Repavimentar ruas era um processo caro e demorado, de acordo com registos históricos e vestígios arqueológicos. “Uma opção para conserto, a completa repavimentação em pedra, era um empreendimento difícil e caro que pode bloquear importantes rotas numa cidade durante meses”, escreveram os investigadores.

Isso era um problema para o povo de Pompeia, uma vez que algumas das muitas ruas da cidade poderiam ficar desgastadas rapidamente. “Investigações em Pompeia mostraram que volumes particularmente altos de tráfego concentrados em ruas estreitas poderiam desgastar até mesmo uma superfície pavimentada de pedra em apenas algumas décadas”.

Depois de o ferro derretido ter sido derramado, encheu os furos e endureceu enquanto arrefecia. Além do ferro, outros materiais como pedra, pedaços de terracota e cerâmica também foram inseridos nos buracos para ajudar a preenchê-los. Este método de reparo era mais barato e mais rápido do que repavimentar uma rua. “A forma como os romanos introduziram o material de ferro liquefeito nas ruas de Pompeia permanece um mistério”, escreveram os investigadores.

Os romanos teriam de aquecer ferro ou escória de ferro entre 1.100 a 1.600ºC, dependendo do tipo de ferro a ser derretido, de acordo com os cientistas, observando que os fornos romanos reconstruídos conseguiriam atingir essas temperaturas.

Foram encontrados numerosos exemplos de gotas de ferro em secções de ruas que não precisavam de conserto, o que sugere que o ferro derretido, às vezes, era derramado acidentalmente enquanto era levado para as ruas de Pompeia.

É provável que os escravos levassem o ferro fundido através de Pompeia, disse Poehler, observando que as cidades romanas tinham escravos públicos e magistrados – altos funcionários que detinham poder nas cidades romanas – que poderiam ter usado os seus próprios escravos para realizar tarefas como consertos de rua.

Agora, os investigadores esperam analisar a química do ferro para descobrir de onde foi extraído. Há ainda mais ruas em Pompeia para estudar.

PARTILHAR

RESPONDER

Afinal, o universo pode ser 2 mil milhões de anos mais novo do que pensávamos

Novos cálculos sugerem que o universo pode ser dois mil milhões de anos mais novo do que aquilo que se pensava. Contudo, é difícil saber com exatidão a sua verdadeira idade. Os cientistas calculam a idade …

O maior vulcão de uma lua de Júpiter pode estar prestes a entrar em erupção

O maior vulcão de Io, uma das quatro grandes luas de Júpiter, pode estar prestes a explodir. Décadas de observação mostram um ciclo periódico nas erupções deste vulcão. De acordo com o Science Alert, o vulcão …

Crianças e adolescentes são quem mais consome açúcar em Portugal

Um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), que teve por base o Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física, concluiu que as crianças e os adolescentes são quem mais consome …

A Rússia já sabe como apareceu a fissura na nave Soyuz (mas não revela)

A Corporação Espacial Estatal da Rússia, Roscosmos, já sabe qual é a origem da fissura encontrada há um ano na nave Soyuz MS-09, acoplada à Estação Espacial internacional. Mas não revelará mais informações. "O buraco foi …

SIVRAC, a bicicleta elétrica que se dobra em apenas um segundo

Com um quadro em forma de "X" e dobrável num estalar de dedos, a nova SIVRAC promete ser uma solução prática para quem viaja, por exemplo, de bicicleta para o trabalho. A bicicleta é um …

Porto 2-1 Young Boys | Dragão de duas faces com estreia feliz

O FC Porto entrou na Liga Europa com o pé direito, ao vencer o Young Boys por 2-1, no Estádio do Dragão. Uma primeira parte de enorme qualidade, na qual os suíços só por uma …

Dois turistas foram apanhados a nadar nus em Veneza. Vão pagar 3 mil euros cada um

Os homens checos estavam em Itália para apoiar a sua equipa de futebol - o Slavia de Praga que jogou contra o Inter em Milão -. Os dois visitantes, em Veneza, decidiram dar um mergulho. Um …

Voar sobre as águas do Sena. Paris testa "bolha do mar", um barco-táxi amigo do ambiente

Paris está a testar um novo meio de transporte mais amigo do ambiente: um barco-táxi ecológico que desliza nas águas do rio Sena. Esta semana, o sea bubble (bolha do mar) está em testes no rio …

Há uma "Matilde" na Bélgica que também precisa do medicamento mais caro do mundo

Mais de 950 mil belgas responderam ao apelo de um casal, que precisava de reunir 1,9 milhões de euros para comprar o medicamento mais caro do mundo para a filha. Pia, de nove meses, sofre de …

System of a Down confirmados no festival VOA, no Estádio Nacional

Os System of a Down são a primeira grande confirmação do VOA - Heavy Rock Festival, que em 2020 se realiza a 2 e 3 de julho no Estádio Nacional. De acordo com a Blitz, este …