Vândalo desenhou bicicleta ao lado do pré-histórico “Homem de Piscos” de Foz Côa

(dr) Fundação Côa Parque

Gravuras rupestres de Foz Côa.

Gravuras rupestres de Foz Côa.

O famoso “Homem de Piscos”, uma das mais importantes gravuras rupestres de Foz Côa, com mais de 10 mil anos, foi vandalizado com o desenho de uma bicicleta e da palavra “BIK”. Um atentado “inqualificável”, segundo os responsáveis do Parque, que também preocupa o ministro da Cultura.

A Fundação Côa Parque denunciou o “inqualificável atentado” contra uma das rochas do parque arqueológico na qual está representada uma figura humana com mais de 10 mil anos, o “Homem de Piscos”, acrescentando que vai participar criminalmente junto do Ministério Público.

“Fomos surpreendidos com a descoberta de novíssimas gravações de uma bicicleta, um humano esquemático e a palavra ‘BIK’ diretamente sobre o conhecidíssimo conjunto de sobreposições incisas do setor esquerdo daquele painel, onde, como é universalmente sabido, está o famoso Homem de Piscos“.

“Esta é a mais notável das representações antropomórficas paleolíticas identificadas no Vale do Côa”, disse à agência Lusa o diretor do Parque Arqueológico do Vale do Côa, António Baptista.

Já há suspeitos

Estas gravuras sobreviveram intactas durante mais de 10.000 anos e foram agora “miseravelmente mutiladas pela ignorância de alguém que esperamos que possa ser rapidamente identificado e exemplarmente punido”, destaca António Baptista.

O arqueólogo lamenta que “este atentado manche a região“, classificada como Património Mundial desde 1998, sendo “uma nódoa no certificado de qualidade, de conservação e de apresentação ao público que a Arte do Côa orgulhosamente ostenta”.

O responsável adiantou à Lusa que há já suspeitos do ato que constitui “um crime que lesa este património mundial” e que “quem tomou esta atitude sabia, aparentemente, os prejuízos que iria causar”. “É vandalismo puro e duro“, enfatiza António Baptista.

Falta de vigilância

Em nota enviada à agência Lusa, os trabalhadores da Fundação Côa Parque afirmam que o sítio arqueológico em causa deixou de ter qualquer tipo de vigilância durante a vigência do anterior Governo

“O ato terá ocorrido entre domingo, quando a rocha foi observada incólume pela última vez, e quinta-feira, quando o seu resultado foi detetado”, referiu a Comissão de Trabalhadores do Museu e do Parque Arqueológico do Vale do Côa.

Os trabalhadores garantem que desde a primeira hora e até à última vez que se reuniram com o Ministro da Cultura têm vindo a alertar para o perigo desta situação e para as possibilidades de vir a ocorrer o que agora aconteceu.

Esta falta de vigilância nunca foi claramente denunciada publicamente por receio que a publicitação da ausência de vigilância nos sítios, pudesse ela própria potenciar a ocorrência destes atos”, esclarecem ainda os trabalhadores.

Ministro assume “situação preocupante”

O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, já reagiu ao caso, apontando que a vandalização da gravura rupestre é uma “situação preocupante”, tendo já sido apresentada uma queixa-crime no Ministério Público (MP).

Em declarações recolhidas pela Lusa, o governante assume o problema da falta de vigilância, notando que “vivemos anos de cortes brutais em todas as estruturas da Cultura” e que “seria impossível que num ano estivesse tudo remediado”.

Luís Castro Mendes sublinhou ainda a cooperação dos trabalhadores de Foz Côa que, disse, têm tido uma “resistência notável”.

No início de abril, o Conselho de Ministros aprovou o decreto-lei que altera os estatutos da Côa Parque – Fundação para a Salvaguarda e Valorização do Vale do Côa, que abrange o Museu e o Parque Arqueológico.

De acordo com o comunicado então divulgado, a ação do Governo é “fortalecida, passando a área da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior a estar representada no conselho diretivo em estreita articulação com os representantes da Cultura, do Turismo, do Ambiente, da autarquia local e da Associação de Municípios do Vale do Côa”.

“É alargada a missão da Fundação na valorização patrimonial, científica, ambiental e turística do Vale do Côa, designadamente através do envolvimento de instituições científicas e ensino superior, imprimindo à Fundação uma nova dinâmica de atuação que permita a prossecução da sua missão de interesse público”, destacava o texto na altura.

ZAP // Lusa

10 COMENTÁRIOS

  1. Depois do investimento feito na barragem deitado ao “lixo”, depois do dinheiro público gasto para “preservar” as gravuras, eis o resultado das “brilhantes” decisões das mentecaptas decisões dos nossos governantes (xuxalistas, claro!).
    As gravuras deveriam ter sido recolhidas para um museu construído na bela localidade de V. N. De Foz Côa e a barragem construída.
    Teríamos agora um museu temático (empregos) e uma central hidroelétrica a gerar electricidade “limpa”.
    Assim, uma vez mais, não temos nada! E vamos perder o que tínhamos (gravuras). Que falta de visão estratégia a do nosso Povo!
    … As gravuras não sabem correr… yo…

    • Um comentário acéfalo a falar acerca de visão estratégica. Faccioso, pois claro, mas acima de tudo limitado e primário. Você é simplesmente nojento.

      • Acéfalo é quem vota em corruptos que tornaram o estado corrupto e que nos faliram.
        Foz Coa tem mais administradores e representantes sindicais do que trabalhadores… e vão criar mais uns quantos segundo a notícia!!!!
        Chuchalistas ridículos.

        • Mas aqui está-se a falar de política e votos… ou está-se a falar de cultura ou falta dela… de vandalismo… destruição de património… desinvestimento na cultura/património… etc.???!!!…

  2. Coitado, certamente o ciclista está revoltado porque os carros passam por ele a menos de 1,5 metros. É a sua forma de expressão !

  3. em resposta ao C.C. afirmo:
    Nem todos apreciam a cultura mas existe outros que com as suas afirmações só demonstram que representam os seus interesses na construção da barragem (os empreiteiros, os que iam receber dinheiro da sua exploração ou os que influenciados por estes que iriam receber alguma migalha) que estiveram contra a paragem da mesma. Corruptos também são os que compraram submarinos, os que venderam portugal, venderam os bancos (foram dados) aqueles que andaram com uma bandeira de portugal no casaco para dizerem que eram eles os vendedores do pais. As barragens não são as maiores produtoras de energia mas sim as torres eólicas só que existe muitos interesses instalados e por isso não beneficiamos tanto delas.

  4. Independentemente do que se pense, se as gravuras deviam estar num museu, ou ali, ou acolá, a verdade é que estão naquele local e nesta situação estamos perante um acto criminoso, praticado por um energumero que de tanto andar de “bike” ficou com os músculos subidos até aos miolos.
    Espero que seja localizado e exemplarmente punido.

RESPONDER

O secretário geral da NATO, Jean Stoltenberg

Ciberataque poderá desencadear mecanismo de defesa mútua da NATO

O secretário geral da NATO, Jean Stoltenberg, lembrou esta quarta-feira que um ciberataque pode ser objeto de aplicação do artigo 5 do tratado da NATO e que se está a estabelecer o âmbito "ciber como …

"A Fila" da série de quadros The Vulnerability Series

Artista sírio pinta líderes mundiais como refugiados

E se os grandes líderes mundiais fossem, na verdade, refugiados? Foi assim que o artista sírio Abdalla All Omari os imaginou e mostrou ao mundo. "The Vulnerability Series" é o nome do projeto criado por Abdalla Al …

-

Polícias realizam manifestação nacional contra falta de respostas do Governo

Os polícias realizam esta quarta-feira, em Lisboa, uma manifestação nacional para protestar contra a falta de respostas do Governo às principais reivindicações e demonstrarem indignação pela forma como estão a ser tratados. A manifestação, que vai …

Salvador Sobral atua no Festival Confluências, no Marco de Canaveses

Salvador Sobral pede desculpa por comentário "inoportuno"

O cantor pediu desculpa pelo comentário "inoportuno" que fez, esta terça-feira, durante a atuação no evento solidário "Juntos por Todos", no MEO Arena, em Lisboa, para reforçar o apoio às populações afetadas pelos incêndios. Salvador Sobral …

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo Rebelo de Sousa faz sucesso no Facebook dos The Doors

Marcelo Rebelo de Sousa é uma inusitada "estrela" na página oficial da banda The Doors no Facebook. O Presidente de Portugal destaca-se numa imagem que está a fazer sucesso na rede social. "O Presidente de Portugal, …

A Ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa

Governo defende SIRESP e culpa PSP e Protecção Civil pela tragédia de Pedrógão Grande

O Governo critica a PSP e a Protecção Civil. A Protecção Civil e os bombeiros falam em falhas no SIRESP. Mas ninguém assume culpas pela tragédia em Pedrógão Grande, onde morreram 64 pessoas num incêndio …

Donald Trump

Revista Time pede a Trump que retire capa "fake" dos seus clubes de golfe

Donald Trump está envolvido em mais uma polémica. Depois de passar tanto tempo a criticar os media por fazerem aquilo a que chama de "notícias falsas", o próprio foi apanhado numa capa falsa da Time …

Imagem retirada do filme E.T., de 1982, do realizador Steven Spielberg

NASA desmente que "vai anunciar brevemente" descoberta de vida extraterrestre

Thomas Zurbuchen, administrador associado e director científico da NASA, clarificou esta segunda-feira nas redes sociais que a agência espacial norte-americana "não tem nenhum anúncio pendente" sobre a descoberta de vida extraterrestre. Num post publicado esta segunda-feira …

O vice-presidente brasileiro, Michel Temer

Temer diz que denúncia contra si é “uma ficção”

O Presidente do Brasil disse, esta terça-feira, numa declaração ao país que a denúncia de corrupção contra si, apresentada na segunda-feira no Supremo Tribunal Federal (STF) pelo procurador-geral, Rodrigo Janot, é "uma ficção". "A denúncia é …

Edifício do Ministério das Finanças em Lisboa

Mão humana no apagão de 10 mil milhões para offshores "é improvável”

A auditoria da Inspeção-Geral de Finanças (IGF) concluiu ser "extremamente improvável" que a falha informática que permitiu a saída de dez mil milhões de euros para offshore sem a análise do fisco tenha sido causada …