Vacina para humanos e animais está a ser desenvolvida para tratar doenças em comum

Está a ser desenvolvida uma vacina apta para seres humanos e animais que pode ajudar no tratamento e prevenção de doenças compartilhadas por ambos. A fase de testes em humanos deverá começar no próximo ano.

Se alguma vez houve provas de que os seres humanos são animais, são as doenças que compartilhamos com outras espécies. Desde a raiva e do zika ao Ébola e à gripe das aves, muitas doenças mortais por todo o mundo podem ser transmitidas entre animais e pessoas.

Atualmente, temos três opções para tentar proteger as pessoas contra este tipo de doenças. Podemos vacinar os animais, os humanos ou tomar medidas para ajudar os dois a evitarem o contacto. Contudo, pode haver agora uma maneira simples e barata de proteger pessoas e outras espécies ao mesmo tempo, usando a mesma vacina.

George Warimwe, da Universidade de Oxford, liderou uma investigação para uma vacina única para a Febre do Vale do Rift, uma das doenças prioritárias da Organização Mundial de Saúde. O estudo foi publicado, em 2017, na revista Vaccine.

Desde que apareceu no Quénia, em 1930, a doença transmitida por mosquitos espalhou-se para outros países africanos e para a Península Arábica, causando surtos de doenças que afetaram milhões de animais e centenas de milhares de seres humanos.

Durante esses surtos, a doença mata mais de 90% dos animais jovens e faz com que quase 100% dos animais prenhes abortem os seus fetos. Isto pode destruir os meios de subsistência de sociedades maioritariamente agrícolas.

Por exemplo, um surto no Quénia em 2006 e 2007 custou ao setor agrícola perdas estimas em mais de 32 milhões de dólares, trazendo impactos sociais profundos entre as comunidades afetada. Nos seres humanos, a febre é menos grave, mas pode ocasionalmente causar encefalite, cegueira, hemorragias e até mesmo a morte.

As vacinas para animais mais amplamente usadas não são recomendadas para animais prenhes devido aos riscos de aborto e malformação. Para humanos, ainda não há nenhuma vacina licenciada disponível para a Febre do Vale do Rift.

Criar a vacina

Como os ensaios clínicos são sempre o estágio final para demonstrar que uma vacina é segura em humanos, os cientistas de Oxford usaram uma técnica que demonstrou ser segura para vacinação humana contra uma série de doenças, como gripe, malária e Ébola.

A técnica usa um adenovírus de chimpanzé para expor os indivíduos a apenas uma pequena parte do vírus da Febre do Vale do Rift — o suficiente para o sistema imunológico reconhecer uma infeção futura, mas não o suficiente para causar uma infeção.

Como esse vírus incompleto é diferente do vírus completo, a técnica permite que os profissionais de saúde animal testem com precisão se um animal é vacinado ou um portador infetado, mas sem sintomas. Isto é crucial durante os surtos, pois os falsos positivos podem levar ao abate desnecessário dos animais e ao aumento dos custos.

Nos nossos estudos anteriores descobrimos que uma dose única desta vacina deu 100% de proteção contra a Febre do Vale do Rift em várias espécies de animais. Os investigadores esperam agora que tenha o mesmo sucesso nos testes clínicos humanos planeados para o início do próximo ano.

Usando os avanços científicos das vacinas para humanos em vacinas veterinárias, e vice-versa, os investigadores podem desbloquear melhor os mecanismos biológicos compartilhados subjacentes à imunidade da doença, acelerando o planeamento e o desenvolvimento de vacinas entre espécies.

PARTILHAR

RESPONDER

Vai ser possível ver auroras boreais a partir de um balão de ar quente

A agência Off The Map Travel vai lançar em dezembro de 2020 o primeiro balão de ar quente. O objetivo é levá-lo a ver auroras boreais do céu. As auroras boreais são já um verdadeiro espetáculo …

Nova tecnologia militar aquece as mãos em temperaturas negativas sem luvas

Cientistas do exército norte-americano criaram uma tecnologia capaz de aquecer as mãos dos soldados em baixas temperaturas sem serem necessárias luvas. Se completar uma tarefa do dia-a-dia com luvas pode revelar-se complicado, imagine-se tentar recarregar uma …

Os animais começaram a fazer sons para poderem conversar no escuro

O reino animal está cheio de diferentes vocalizações. A produção sonora apareceu há entre 100 milhões e 200 milhões de anos e a sua origem está fortemente ligada à vida no escuro. Os vertebrados são animais …

O novo líder do CDS reclama uma nova direita (e quer um partido "sexy")

Francisco Rodrigues dos Santos sagrou-se este domingo o 10º presidente do CDS, reclamando no seu discurso de vitória a herança de todos os seus antecessores, desde o fundador, Freitas do Amaral, a Assunção Cristas. O tom …

Paços 0 - 2 Benfica | “Águia” não vacila e passa pressão

O Benfica foi a Paços de Ferreira vencer por 2-0, colocando pressão sobre o FC Porto, segundo classificado, que na próxima terça-feira recebe o Gil Vicente. A formação “encarnada” foi superior na maioria dos principais momentos …

Governo reabre processo para corrigir mapa das freguesias

O Governo reabriu o processo para a correção ao mapa de freguesias, num compromisso com as associações de municípios e de freguesias, anunciou o secretário de Estado da Descentralização e Administração Local, Jorge Botelho. “Iremos retomar …

Google cria modelo de cérebro mais detalhado (e com maior resolução) de sempre

A recriação 3D do cérebro de uma mosca da fruta - que mostra 20 milhões de sinapses e 25 mil neurónios - é a que tem a maior resolução até ao momento. Uma equipa de …

Morreu Kobe Bryant, uma das maiores estrelas de sempre da NBA

Kobe Bryant, um dos maiores basquetebolistas de sempre, morreu na manhã deste domingo em Calabasas, Califórnia, num desastre de helicóptero. De acordo com a TMZ, Bryant viajava com, pelo menos, três outras pessoas num helicóptero privado, …

Há seis queixas de violência policial por semana

Em Portugal, são apresentadas em média seis queixas semanais por violência policial, escreve o semanário Expresso na sua edição deste fim-de-semana, citando os dados mais recentes da Procuradoria-Geral da República. De acordo com os números, relativos …

CRISPR tornou galinhas resistentes a um vírus comum

A técnica de edição genética CRISPR tem sido usada para tornar as galinhas resistentes a um vírus comum, uma abordagem que poderia aumentar a produção de ovos e de carne em todo o mundo. Mesmo quando …