Há uma Terra-alien entre os 8 novos planetas habitáveis descobertos pelo Kepler

David Aguilar / NASA

O telescópio Kepler identificou vários exoplanetas, mas poucos podem ser considerados parecidos com a Terra

Um dos oito novos planetas encontrados em sistemas solares distantes conquistou o título de “mais parecido com a Terra no mundo alienígena”, afirmam os astrónomos.

Os novos planetas foram vistos pelo telescópio espacial Kepler, da NASA, que já ultrapassa os mil exoplanetas identificados.

No entanto, apenas três deles estão dentro da “zona habitável” da sua estrela-mãe – e um em particular é rochoso, como a Terra, e apenas um pouco mais quente.

A descoberta foi revelada numa reunião da Sociedade Astronómica Americana.

Os três planetas potencialmente habitáveis integram o “hall da fama” do Kepler, que agora possui oito perspectivas planetárias fascinantes.

Os investigadores afirmam que, entre os recém descobertos, o mais parecido com a Terra, conhecido como Kepler 438b, é provavelmente mais parecido com o nosso planeta do que o Kepler 186f – que antes era o considerado mais parecido com a Terra.

O novo pretendente, 12% maior que a Terra, é maior do que o 186f, mas com temperatura mais próxima da nossa, provavelmente recebendo apenas 40% mais calor do seu sol do que nós do nosso.

Céu vermelho

Doug Caldwell, do Instituto Seti (Search for Extra-Terrestrial Intelligence), da Califórnia, afirma que se estivéssemos na superfície do 438b o clima seria bastante mais quente do que aqui. “E o planeta gira à volta de uma estrela mais fria, uma anã vermelha – por isso o céu deve parecer mais vermelho do que o nosso”, pondera.

Esse encontro, no entanto, é improvável – primeiro, porque o planeta está a 475 anos-luz de distância e por não se fazer ainda a mínima ideia da sua composição precisa.

Imagens do telescópio Kepler, que está atrás da Terra, são usadas para identificar planetas distantes ao observar “trânsitos”, que acontecem quando a luz de uma estrela escurece com a passagem de um planeta à sua frente.

Uma grande equipa de investigadores usa, então, dados adicionais a partir de outros telescópios para explorar melhor estes sistemas solares desconhecidos, tentando calcular o tamanho dos planetas e quão perto orbitam as suas estrelas hospedeiras.

Mas nem tudo o que causa este escurecimento são planetas. Ao mesmo tempo em que os oito novos exoplanetas foram anunciados por diversas instituições americanas, incluindo a NASA, os próprios cientistas da missão Kepler divulgaram mais de 500 planetas “candidatos”.

“Com mais observações, alguns desses candidatos podem vir a revelar-se não planetas”, disse Fergal Mullally, da missão Kepler.

Parecido com a Terra?

NASA

-

Mesmo quando os cientistas confirmam um candidato como um exoplaneta, a questão de ser ou não “parecido com a Terra” é complicada.

O tamanho da zona habitável, onde um planeta está longe o suficiente do seu sol para reter água, mas não tão distante para congelar, depende do nível de confiança dos cientistas nos seus palpites.

Segundo Cardwell, apenas três dos oito novos exoplanetas podem ser colocados nessa zona com confiança – e apenas dois deles são provavelmente rochosos como a Terra. Além disso, uma descrição mais detalhada é muito difícil.

“A partir das medidas do Kepler e outras medições que fizemos, não sabemos se esses planetas têm oceanos com peixes e continentes com árvores”, disse Caldwell à BBC. “Tudo o que sabemos é o seu tamanho e a energia que está a receber da sua estrela”.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Alimentos para bebés têm excesso de açúcar, alerta a OMS

A Organização Mundial de Saúde (OMS) detetou em quatro cidades da Europa que pelo menos um em cada três alimentos infantis tem níveis de açúcar excessivos e são comercializados de forma incorreta como adequados para …

Estilo de vida saudável pode compensar risco genético de Alzheimer

Novas pesquisas sugerem que um estilo de vida saudável pode reduzir em um terço o risco de doença de Alzheimer ou outras formas de demência, mesmo existindo genes que aumentem o risco destas doenças. Investigadores britânicos …

Lançada Barbie em homenagem a David Bowie

A Matel acaba de lançar uma Barbie em homenagem ao músico britânico David Bowie, que faleceu em 2016, noticia esta semana a Associated Press. De acordo com a agência noticiosa, a nova da Barbie visa celebrar …

Netflix retrata a trágica história de Nicolau II, o último czar da Rússia

A Netflix acaba de lançar The Last Czars, uma série documental sobre a história de Nicolau II e a sua família, que acabou por ditar o fim da dinastia de 300 anos dos Romanov e …

Português desce e Matemática volta à positiva nos exames do 9.º ano

As médias dos alunos do 9.º ano nos exames desceram este ano a Português e subiram a Matemática, voltando a uma média positiva, mas com uma taxa de reprovação ainda a rondar os 30%. Os exames …

A famosa "Pirâmide Curvada" do faraó Senefuru foi aberta ao público pela primeira vez em mais de 50 anos

No Egito, foi aberta ao turismo, pela primeira vez desde 1965, a famosa "Pirâmide Curvada", construída por ordem do faraó Senefuru há 4.600 anos. Localizada em Dahshur, a 40 quilómetros a sul do Cairo, a pirâmide, …

Príncipe Carlos diz que temos 18 meses para salvar a humanidade

O príncipe Carlos admite que os próximos 18 meses serão cruciais para a sobrevivência dos seres humanos. Durante este tempo, os líderes mundiais terão de controlar as mudanças climáticas para evitar uma catástrofe irreversível. "Senhoras e …

Novo filme da saga Bond tem Agente 007 feminina

De acordo com jornais ingleses, o filme Bond 25 não terá um novo James Bond, mas sim uma nova Agente 007. No filme, que será uma homenagem ao legado de Roger Moore e de todos …

Manchester United não dá mais do que 33,5 milhões por Bruno Fernandes

O Manchester United só está disposto a pagar 33,5 milhões de euros pelo médio do Sporting Bruno Fernandes, escreve o jornal Mirror esta segunda-feira. De acordo com o diário britânico, a contratação de Harry Maguire …

Caso de ébola detetado em cidade com mais de dois milhões de habitantes

As autoridades de saúde detetaram o primeiro caso de ébola na cidade de Goma, na República Democrática do Congo, onde vivem mais de dois milhões de pessoas, confirmou no domingo o ministro da Saúde congolês. De …